INÍCIO SOBRE RESENHAS CONTATO/POLÍTICAS LIVROS LIDOS EM 2014 ANUNCIE

Princesas Disney versão Plus Size!

Eu já tinha um post praticamente pronto para hoje, faltava só algumas edições e ele sairia do rascunho. No entanto, nas minhas andanças pelo Google, acabei encontrando as Princesas Disney numa versão Plus Size! Achei tão lindo, que mesmo imaginando que a maioria de vocês já tenha visto, eu precisava mostrar aqui para vocês. 

O criador dessa versão tão linda das princesas é Eduardo Santos, mais conhecido como Edull. Ele é especializado em criar desenhos de mulheres acima do peso. Em sua página do Facebook, podemos observar diversos outros desenhos, igualmente incríveis (já virei fã do artista).

Espiem só que fofura! As princesas não são apenas gordinhas, elas são MUITO estilosas. Edull modernizou suas roupas, deixando-as ainda mais atuais. 

 Branca de Neve e Cinderela


 Esmeralda e Alice


 Jane e Bela

 Ariel e Jasmine

 Mulan e Pocahontas
 Tiana e Rapunzel

O sucesso foi tanto, que as princesas Plus Size ganharam um calendário! Já quero o meu. Simplesmente amei as ilustrações, e vocês? O que acharam?


Bem-casados - Nora Roberts

Quarteto de Noivas #3
Autor:  Nora Roberts
Editora: Arqueiro
Número de páginas: 288

Avaliação:  
(Skoob)

Bem-casados, terceiro livro da série Quarteto de Noivas, é uma linda história sobre a doçura do amor. Quando terminar de lê-lo, você terá certeza de que os sonhos podem se realizar das formas mais inesperadas. Parker, Mac, Emma e Laurel, amigas de infância, ganham a vida realizando o sonho de inúmeros casais apaixonados. As quatro são proprietárias da Votos, uma empresa de organização de casamentos. Após ter trilhado um caminho muito duro para conseguir ser alguém na vida, Laurel McBane se tornou a criadora dos bolos e quitutes mais lindos e saborosos do estado. Ela preza sua independência acima de tudo e não aceita que ninguém interfira em suas decisões. Talvez por isso, apesar do sucesso profissional, ainda não tenha se entregado ao amor.
Apaixonada desde sempre por Delaney Brown, irmão de Parker, ela nunca teve coragem de revelar seus sentimentos. Afinal, sabe que é como uma irmã para ele. Advogado da Votos, Del se sente responsável por cuidar não só dos assuntos burocráticos da empresa, mas também do bem-estar das quatro sócias. Porém, sua postura paternalista e superprotetora começa a gerar desentendimentos entre ele e Laurel. Mas essas diferenças de opinião também fazem ferver uma química que vinha cozinhando em fogo brando havia muito tempo, acendendo uma faísca que eles não sabem se conseguirão – ou se querem – conter. Agora Laurel e Del precisarão conciliar suas convicções e personalidades para que o orgulho não fale mais alto que a paixão.

Bem-casados é o terceiro livro da série Quarteto de Noivas, os livros anteriores são Álbum de Casamento e Mar de Rosas.

Laurel McBane não teve uma vida fácil, Sua família é desestruturada, e Laurel só conseguiu finalizar seus estudos de confeitaria graças a bondade da Sra. G., a governanta da família Brown, que ama as meninas como se fossem suas filhas (para minha alegria, a Sra. G. aparece muito mais nesse livro). Laurel fez valer a pena todo o amor e investimento da governanta, e hoje cuida com muita competência da confeitaria da Votos. Seus bolos e doces são simplesmente incriveis, e Laurel ama verdadeiramente o que faz. 

No entanto, apesar de ter uma vida profissional cheia de sucesso, sua vida amorosa não é lá aquela coisa. Desde a adolescência ela é apaixonada pelo mesmo homem, mas ela acredita firmemente que ele nunca vai se interessar por ela, visto que é um homem rico e influente, e poderia com certeza encontrar alguém melhor. O homem em questão é Delaney Brown - irmão de Parker, advogado da Votos e amigo de infância de Laurel. 

Del cuida da parte jurídica da Votos com muito amor, ele é superprotetor e gosta de cuidar do bem estar de Parker, Emma, Mac e Laurel, considerando as quatro como suas irmãzinhas. Ele está quase que diariamente na mansão. Ele se sente atraído por Laurel, mas prefere continuar sendo o "irmão mais velho"... até o dia em que Laurel toma uma atitude que muda tudo.

Eu gosto muito de Laurel e Del, mas esse foi o casal que menos me empolgou. A impressão que tive é que gosto mais deles separadamente, sei lá. 
Entretanto, a forma como o romance foi se desenrolando fez muito sentido e foi bem crível. Eles não se envolvem precipitadamente, pois prezam a amizade de tantos anos, então o combinado é que eles saiam durante 30 dias, sem nenhum contato mais intimo, apenas para sentir se é isso mesmo que eles querem. 

O problema é que Del é um tanto machista e Laurel é uma mulher independente, o atrito é inevitável. Em vários momentos Laurel se mostrou negativa, se considerando inferior à Del, ainda que em momento nenhum ele tenha dado essa impressão, mas ela sempre pode contar com a experiência e o carinho da Sra. G. e de suas amigas. 

“-A senhora acredita nisso? – perguntou Laurel. – Que há alguém específico para cada um de nós?

- Sim, para algumas pessoas há alguém do início ao fim. Para essas, é impossível achar um novo amor, alguém que conquiste eu coração. Já outras, quando as coisas não dão certo ou quando elas perdem alguém, conseguem ser felizes em outra relação.”

Como nos livros anteriores, o foco não é apenas nos protagonistas, a narrativa em terceira pessoa acompanha todos os personagens, e isso é o toque de mestre da autora. Carter e Mac continuam sendo os meus preferidos (Carter é o melhor!), e os preparativos do casamento deles, e de Emma e Jack me deixaram muito empolgada. 

A dinâmica dos personagens é deliciosa, eles vivem em uma harmonia contagiante (quero fazer parte da turma deles!), o dono da mecânica, Malcom Kavanaugh, não faz parte do grupo desde a adolescência, mas assim que chega na trama, se adapta tranquilamente. Fica claro qual será a sua importância no próximo livro, e estou MUITO empolgada com isso. Em Bem-casados, temos também uma mudança de cenário, já que as meninas finalmente saem de férias. Apenas adorei essa mudança.

Bem-casados é uma leitura rápida e envolvente, bem como os livros anteriores. Recomendo com toda a certeza, Nora Roberts já tem um lugar mais do que especial na minha estante, e no meu coração. Estou mais do que ansiosa para ter Felizes para Sempre em mãos! O último volume da série será lançado em novembro. 


Quarteto de noivas da Nora Roberts
  1. Álbum de casamento (Vision in White) - Mac 
  2. Mar de Rosas (Bed of roses) - Emma
  3. Bem-casados (Savor the moment) - Laurel
  4. Felizes para sempre (Happy ever after) - Parker


Filme: Mesmo Se Nada Der Certo

Título Original: Begin Again
Lançamento: 2014 

Direção: John Carney
Elenco: Keira Knightley, Mark Ruffalo, James Corden, Adam Levine
Gênero: Drama, Romance, Musical
Sinopse: Uma cantora (Keira Knightley) se muda para Nova Iorque, mas logo após chegar no local, seu namorado americano decide terminar o relacionamento. Em plena crise, ela começa a cantar em bares, até ser descoberta por um produtor de discos (Mark Ruffalo), certo de que ela pode se tornar uma estrela.

Vou ser sincera e confessar que o meu interesse inicial pelo filme começou por ter o Adam Levine no elenco, não só pelo fato de ser ele especificamente, mas também por estar curiosa para ver ele em cena. Só que, assim que vi o trailer, o filme me conquistou por si mesmo e me deixou realmente ansiosa. Porém eu não estava esperando o que encontrei, um filme movido por música, sensível, cru e carregado de verdades. Fazia muito tempo mesmo que eu não amava um filme tanto assim.

Dan (Mark Ruffalo) é um produtor musical que acabou se perdendo na vida, se separou da esposa e desde então se afastou muito da sua filha adolescente, no trabalho faz mais de sete anos que não fecha um contrato e vem sofrendo com a cobrança do seu sócio e  é por tudo isso vive entregue à bebida. Depois de um dia especialmente ruim ele vaga pelo metrô de Nova Iorque até que acaba parando em um bar onde, depois de tanto tempo, uma cantora finalmente o atraí.
Gretta (Keira Knightley) é uma compositora esporádica que se mudou para Nova Iorque com seu namorado, Dave (Adam Levine), depois que ele ficou famoso por ter suas músicas em um filme de sucesso e terminou assinando um contrato com uma grande gravadora, mas ela acabou o perdendo para a fama. No seu último dia na cidade, o seu amigo Steve (James Corden) que trabalha tocando na rua, a convence de ir em um bar onde ele vai tocar.
Assim Dan e Gretta se conhecem e conseguem se entender em meio a personalidades tão marcantes e diferentes e fazem um acordo, ela querendo fugir de todos os clichês de sucesso e ele querendo fazer algo autêntico.

O primeiro ato do filme já mostra que ele não é apenas mais um. Primeiro nós vemos a cena como um telespectador, uma garota que é meio que forçada a subir no palco pelo amigo e um cara na platéia que começa a ouvir sentado no bar e termina de pé lá na frente. E então nós vemos a mesma cena pela perspectiva de Dan, depois de um dia horrível que trouxe a tona todos os fracassos que já teve na vida e que, de repente, se vê encantado e movido por aquela música. E, por último, nós temos o ponto de vista de Gretta, que está com o peso de todas as desilusões dos últimos meses e que derrama toda sua dor nas letras que está cantando.
Eu não sei explicar de forma concreta, mas existe algo de único em Mesmo Se Nada Der Certo. Ele possui uma sutileza e uma sensibilidade que move quem está assistindo ao mesmo tempo que a sua visão crua e realista das pessoas e da vida se tornam reconfortantes por serem tão fáceis de se relacionar,

Poucas vezes vi personagens tão reais, com personalidades tão definas e tão complexos em seus valores, seus sonhos e seus sentimentos. Cada um luta contra seus próprios demônios, se recupera de suas próprias rasteiras da vida, mas não são inundados de drama e tristeza. Eles são intensos e cheios de verdade, cada um possuiu características que os diferenciam. E eles não seriam tão bons se não fosse pelas atuações que estavam no ponto com os atores que estavam visivelmente confortáveis em seus papéis. E não digo isso apenas da Keira Knightley e do Mark Ruffalo, que são os protagonistas, mas também de todo o elenco que foi incrível. Com destaque para o James Corden que fez um Steve extramente carismático, para a Hailee Steinfeld que construiu uma personagem interessante, mesmo com seu pouco tempo em cena, e até mesmo para o Adam Levine não fez feio.

Essa característica incomum de criar personagens complexos e cheios de personalidade não é o único diferencial do filme. Fiquei surpresa ao ver que a estória não tomou o rumo previsível ou esperado. Por mais que pareça, esse não é um filme sobre superação, sobre sair do buraco e se tonar um astro do rock. Nenhum desses personagens sofre grandes transformações de vida, todas elas são pequenas, internas e emocionais. Os personagens passam por uma jornada de descobrir a si mesmo e aceitar o que são para então serem felizes dentro do que já possuem. Uma escolha arriscada, mas que funcionou, fazendo do filme uma estória comum de pessoas comuns com problemas comuns.

É preciso dizer que a música é o grande norte desse filme, e não é simplesmente pelo fato de ser a causadora de todos os conflitos do filme. É quase como se a música fosse um personagem, muitas vezes ela substituí diálogos e em outras vezes representa o sentimento dos seus personagens. Ela guia todos os acontecimentos e é a responsável por cenas encantadoras e memoráveis como, por exemplo, quando a Gretta e o Dan dividem a playlist, Qualquer amante de música vai se sentir tocado ao assistir esse filme, são tantas músicas incríveis e tantos tributos a ela, sem dúvida é a música um dos principais fatores que tornam Mesmo Se Nada Der Certo um filme tão diferente, especial e sensível.

É difícil falar sobre algo que você gosta muito, e é assim que estou me sentindo agora. Eu fui completamente conquistada e tocada pela estória agridoce de Mesmo Se Nada Der Certo e queria passar tudo o que senti para vocês, mas parece que por mais que tente não consigo dizer o suficiente. Termino falando apenas que, como comentei lá em cima, faz muito tempo que não me apaixono tando por um filme e que se nada do que eu disse chegou a te convencer apenas clique aqui e tenha um gostinho do quão incrível o filme é. 


Aconteceu em Paris - Molly Hopkins

Aconteceu em Paris - Evie Dexter #1
Autor:  Molly Hopkins
Editora: Novo Conceito
Número de páginas: 480

Avaliação:  

Sinopse: Evie Dexter quer fazer carreira como guia de turismo. Determinada como é, e cheia de coragem por causa de um ou outro drink, ela logo começa a “melhorar” seu currículo. E consegue um ótimo emprego: acompanhar turistas por toda Paris.Agora é só uma questão de se firmar como profissional demonstrando o seu melhor. Mas os vinhos franceses são tão gostosos... E seu tutor, Rob, é bonito demais!
O primeiro romance de Molly Hopkins é um livro que todo mundo gostaria de ler. É verdade que você pode se incomodar com o comportamento de Evie quando ela descobre que Rob é muito rico, e pode até ser que você ache que Rob é exageradamente controlador. Mas nada é maior que as gargalhadas que você dará quanto mais conhecer a garota descomedida, apaixonada e com um imenso coração que é Evie. Uma moça como muitas que conhecemos.
Evie está desempregada e com os cartões abarrotados de contas. Ela divide o apartamento com a amiga Lulu, tão irresponsável quanto ela. Por se ver cheia de contas para pagar, Evie decide procurar um emprego que também lhe proporcione divertimento. E nada melhor que trabalhar como guia de turismo. Porém, Evie não tem nenhum conhecimento na área, mesmo assim ela estudou o guia de Paris e foi participar da entrevista de emprego. E....Passou na entrevista!!!

A personagem é toda atrapalhada, mente demais, é completamente irresponsável, mas também é MUITO divertida. Quando começa no emprego como guia de turismo, Evie apronta poucas e boas. É responsável para guiar um grupo da terceira idade e todos acabam se apaixonando por ela, mesmo quando ela mente descaradamente, todos adoram o jeito dela. Durante vários momentos da viagem, dei muita risada, quando a excursão passava por algum ponto turístico, Evie não sabendo o que dizer, inventava uma história qualquer e se saía muito bem, mesmo mentindo.

Nesse emprego é que Evie conhece Rob. Apesar  de lindo, ele não é um cara que podemos chamar de "legal". Rob é arrogante, porém, acaba cuidando de Evie, mesmo que de forma dominadora, mas cuida. Não deixa que ela se afunde ainda mais em dívidas.

A história em si não é de todo romântica. É um livro engraçado, com personagens divertidos e também tem um pouco de drama. Rob não é perfeito, e mesmo se apaixonando de cara por Evie, acaba pisando na bola com ela, muito feio. 

A capa do livro não faz jus à história. Particularmente achei essa capa MUITO feia. A capa, a foto do casal, a fonte usada no nome do livro. Achei tudo feio demais e infelizmente, acredito que isso acaba fazendo com que o leitor nem sempre se sinta atraído pra ler um livro de capa feia. Li porque me interessei pela sinopse, já havia lido comentários legais sobre o livro, mas se entrasse em uma livraria e visse o livro, não me sentiria atraída pela capa.

Apesar das 480 páginas, o livro flui numa velocidade absurda. É um chick-lit muito divertido, o primeiro livro escrita pela Molly Hopkins e achei que ela se saiu muito bem. Agora estou doida pra ler o segundo livro da série: "Aconteceu em Veneza" ;)

Redes Sociais

Pesquisar

Facebook

Receba as novidades

Assista ao último vídeo

Publicidade

Siga no Bloglovin

Arquivo

Blog Parceiro

Estatísticas