mm1 mm2 mm3mm4 mm5 mm6 mm7


10
fev. 2016

ARQUIVADO EM: Literatura

os-bons-segredos-sarah-dessenTítulo Original: Saint Anything
Autor: Sarah Dessen
Editora: Seguinte
Páginas: 408
Avaliação: 4/5
Onde comprar: Amazon | Americanas | Saraiva | Submarino

Sinopse: Há segredos muito bons para serem guardados — e livros muito bons para serem esquecidos Sydney sempre viveu à sombra do irmão mais velho, o queridinho da família. Até que ele causa um acidente por dirigir bêbado, deixando um garoto paraplégico, e vai parar na prisão. Sem a referência do irmão, a garota muda de escola e passa a questionar seu papel dentro da família e no mundo. Então ela conhece os Chatham. Inserida no círculo caótico e acolhedor dessa família, Sydney pela primeira vez encontra pessoas que finalmente parecem enxergá-la de verdade. Com uma série de personagens inesquecíveis e descrições gastronômicas de dar água na boca, Os bons segredos conta a história de uma garota que tenta encontrar seu lugar no mundo e acaba descobrindo a amizade, o amor e uma nova família no caminho.

Sarah Dessen ganhou meu coração com o livro Just Listen (tem resenha em vídeo aqui), sua narrativa é doce e intensa, e suas obras reflexivas e tocantes. A autora usa temas da vida real, nessa fase tão conturbada quando ainda somos jovens, mas chega o momento de decidir nosso futuro e amadurecer. 

Em Os Bons Segredos conhecemos Sidney, uma garota de 16 anos que vive à sombra do seu irmão mais velho, Peyton. Lindo e carismático, Peyton vive rodeado de atenção dos amigos e da família – que faz todos os seus desejos, enquanto Sidney se sente invisível. No entanto, em uma determinada noite Peyton dirige embriagado e acaba atropelando um garoto, deixando-o paraplégico. 

Com a prisão de e Peyton, as coisas na casa de Sidney ficam ainda mais complicadas, a atenção de seus pais é totalmente focada na liberdade de seu irmão, os gastos com advogados são enormes, o que resulta em redução de despesas, e parece que a única que enxerga a culpa de Peyton é Sidney, já que seus pais continuam vendo Peyton como um injustiçado.

Sidney decide se matricular em um colégio público, a fim de dar um novo rumo à sua vida. Lá ela conhece os Chatham, uma família maravilhosa que vai acolher Sidney, fazendo-a finalmente se sentir amada e em uma família.

Sydney é uma personagem que cresce muito no decorrer da história, no inicio ela é totalmente passiva, o que me deixava muito incomodada. Sidney coloca os outros em primeiro lugar, sempre, ainda que isso a faça sofrer, pois internamente ela deseja apenas ser ouvida e valorizada. Eu me identifiquei muito com a personagem, foi esse o motivo do meu incômodo. Me vi totalmente refletida na personalidade da personagem, e foi bem doloroso.

Quando Sidney passa a se relacionar com os membros da família Chatham, a personagem desabrocha, eles mostram à ela como é realmente viver em família, o valor da amizade e que podemos ser felizes, mesmo na dificuldade. Todos os personagens dessa família são simplesmente maravilhosos. Eles tem uma pizzaria, então preciso dizer que muitas cenas de comidas deliciosas vão aparecer, preparem-se, risos

“- Você vestia uma camiseta com estampa de cogumelos; seu cabelo estava preso. Brincos prateados. Pizza de pepperoni. Não quis pirulito. Olhei pra ele, confusa. Layla vinha em nossa direção. – A primeira vez que você entrou na Seaside – ele esclareceu. – Você não era invisível, não pra mim. Só pra você saber.”

O livro é repleto de temas que nos levam à reflexão, mas tem também partes leves, como o romance entre Syd e Mac (um dos filhos dos Chatham). Fica claro que o romance não é o foco, mas dá a leveza necessária. A construção do relacionamento de Sidney com Peyton também me surpreendeu bastante, pois o garoto é apresentado como um delinquente irresponsável, mas há muito mais por trás disso.

Os Bons Segredos fala sobre amor, amizade, relacionamentos familiares e a busca por uma nova história, – de uma maneira tocante e envolvente. Só não leva cinco estrelas pois achei o final um pouco corrido, o que esperei acontecer durante o livro todo, não teve o destaque que eu esperava. Entretanto, isso não diminui o meu amor pela história, recomendo muito!


Postado por




6
fev. 2016

ARQUIVADO EM: Publicidade Vídeos

Eu não sou da folia e não curto Carnaval, maaaas, um feriado prolongado é sempre bem-vindo né? \o/

O que eu mais gosto de fazer nesse período é ler e assistir filmes/séries. Sempre faço um cronograma dos livros quero ler, e quais séries colocar em ordem, e dessa vez vou usar dois sites: Netflix e Kindle Unlimited.

Para quem ainda não conhece, o Kindle Unlimited é um programa de assinatura mensal, onde você pode escolher os ebooks que quiser, e ler à vontade – no dispositivo que escolher, tanto no e-reader Kindle quanto no aplicativo, que você baixa onde preferir.

Kindle-Unlimited-3

Assim que você pega um e-book pelo Kindle Unlimited, ele fica fazendo parte da sua biblioteca, como se você tivesse comprado, então você pode lê-lo em qualquer dispositivo, pois eles ficam sincronizados. Começou a ler no celular, mas chegou em casa e quer terminar a leitura no seu e-reader? Sem problemas, vai continuar de onde parou. :)

O mais bacana, é que você pode testar o programa durante 30 dias, totalmente grátis. Assim você pode avaliar se gosta ou não. Se optar por cancelar a assinatura, você não terá dificuldade nenhuma. Mas olha, depois de testar, acho difícil querer cancelar, pois além de ter um catálogo bastante variado, o preço mensal cobrado (após os 30 dias grátis) é de apenas R$19,90. 

Kindle-Unlimited-1

Nem todos os e-books da Amazon estão disponíveis no Kindle Unlimited, então você precisa ficar de olho. A melhor maneira é filtrar, e passear apenas pelos livros disponíveis, o acervo é de mais de 700 mil livros (em português). Eu encontrei MUITOS livros que eu queria ler, como os da maravilhosa Agatha Christie

kindle-unlimited-2

Estou muito empolgada com o serviço, e fiz um vídeo com dica de 10 livros para ler no feriado de Carnaval. Vem conferir aqui:

Livros citados no vídeo:
Fiquei Com O Seu Número – Sophie Kinsella
Trono de Vidro – Sarah J. Maas
O Misterioso Caso de Styles – Agatha Christie
No Mundo da Luna – Carina Rissi
Sr. Daniels – Brittany C. Cherry
O Assassinato de Roger Ackroyd – Agatha Christie
Jogador Nº 1 – Ernest Cline
Os Garotos Corvos – Maggie Stiefvater
A Lua de Mel – Sophie Kinsella 
Hex Hall – Rachel Hawkins

Experimente o Kindle Unlimited de graça! |  Baixe o app Kindle de graça! |  Compre seu Kindle! ♥

Qualquer dúvida, é só deixar nos comentários que eu respondo tá? Espero que tenham gostado. 😀


Postado por




4
fev. 2016

ARQUIVADO EM: Divulgação Vídeos

Oi gente! O vídeo de hoje é repleto do mais puro amor, pois quem vai fazer o unboxing, e mostrar os livros para vocês é a minha afilhada Gabriela. A Gabi é apaixonada por livros e passa horas com os seus em mãos, mesmo tendo apenas 3 anos e não sendo alfabetizada. Por isso, achei que ela iria amar o kit enviado pelo site Leiturinha, que foi escolhido com muito amor e personalizado para ela. :)

Leiturinha é um clube de assinatura de livros infantis, criado para crianças de 0 à 10 anos. São três modelos de planos, vocês escolhe o que mais te agrada, e todo mês recebe os livros na sua casa. Além disso, você tem acesso imediato a um acervo de centenas de vídeos e livros digitais para o seu pequeno. <3

Para maiores informações sobre o Clube Leiturinha: Site | Facebook | Instagram

Agora vem conferir o que a Gabi achou dos livrinhos, e não esquece de deixar o seu comentário! <3


Postado por




2
fev. 2016

ARQUIVADO EM: Literatura

agatha-christie-e-nao-sobrou-nenhumTítulo Original: And Then There Were None
Autor: Agatha Christie
Editora: Globo Livros 
Páginas: 400
Avaliação: 4,5/5
Onde comprar: Amazon | Americanas | Saraiva | Submarino

Sinopse: Anteriormente publicado como “O caso dos dez negrinhos”. “E não sobrou nenhum” é o maior clássico moderno das histórias de mistério. Dez pessoas diferentes recebem um mesmo convite para passar um fim de semana na remota Ilha do Soldado. Na primeira noite, após o jantar, elas ouvem uma voz acusando cada uma de um crime oculto cometido no passado. Mortes inexplicáveis e inescapáveis então se sucedem. E a cada convidado eliminado, também desaparece um dos soldadinhos que enfeitam a mesa de jantar. Quem poderia saber dos dez crimes distintos? Quem se arvoraria em seu juiz e carrasco? Como escapar da próxima execução?

Dez pessoas são convidadas, pelo misterioso U. N. Owen, para passar uns dias na paradisíaca Ilha do Soldado, conhecida por seu difícil acesso e isolamento. As dez pessoas não se conhecem (com exceção do casal Rogers), não sabem nada uns sobre os outros e nem o motivo exato de estarem ali, alguns receberam convites misteriosos, e outros propostas de trabalho.  

Emily Brent, Phillip Lombard, Vera Claythorne, Mr. Blore, Anthony Marston, Dr. Armstrong, General Macarthur, Juiz Wargrave e o casal Mr. e Mrs. Rogers são as dez pessoas. E ao contrário do que eles imaginavam, Mr. Owen não os estava esperando na hora da chegada, eles recebem o recado de que o patrão se atrasará, e que devido ao mau tempo, provavelmente chegará apenas no dia seguinte.

Após o jantar, todos os dez se reúnem na sala, quando uma voz desconhecida ecoa no gramofone acusando a cada um de terem cometido um crime, e permanecido impune. Diante disso, um clima de tensão é instalado e todos desconfiam um dos outros. As coisas pioram quando a primeira pessoa morre, tal qual uma antiga cantiga:

“Dez soldadinhos saem para jantar, a fome os move;

Um deles se engasgou, e então sobraram nove…”

Agatha Christie é a rainha do suspense policial, sou apaixonada por seus livros desde a minha infância. Ela cria situações que parecem impossíveis de serem solucionadas, e quando descobrimos o verdadeiro culpado, ficamos de queixo caído (eu pelo menos fico, na maioria dos livros).

A trama de E não sobrou nenhum é engenhosa, ainda que devido à cantiga, tenhamos uma certa noção de como as mortes irão acontecer, eu fiquei surpresa como cada uma se desenrolou. Os personagens são bem construidos, e vamos os conhecendo ainda mais no decorrer da história.

Todos podem ser o verdadeiro culpado, e a cada nova morte o pânico e o terror se torna mais evidente. Para completar, o mau tempo impede que eles consigam sair da ilha, ou ter contato com quem quer que seja. Os dialogos são cheios de significado e o leitor fica em busca de pistas, exatamente como os sobreviventes.

A cada capitulo eu tinha um novo suspeito, e ao final do livro, não era quem eu imagina, risos. No final a autora explica exatamente como cada morte aconteceu, e a motivação do verdadeiro culpado, que possui um ego enorme.

O livro foi lançado anteriormente como O caso dos dez negrinhos (Ten little nigger no original), mas a pedido dos agentes literários de Agatha Christie, o nome foi alterado. Deixou de ser a Ilha do Negro, para se tornar a Ilha do soldado. Tudo para evitar polêmicas, devido ao uso da palavra nigger.

E não sobrou nenhum é uma leitura rápida e envolvente, um clássico que merece ser lido por todos! As novas edições da Editora Globo Livros estão impecáveis, fiquei muito feliz quando vi que eles iriam lançar novas edições de alguns livros da autora, já quero todos na minha estante! <3

Existe uma minissérie britânica baseada no livro, que parece ser muito boa. Ainda não consegui assistir (não achei em nenhum lugar onde fosse possível assistir online, se alguém souber me fala), mas estou bastante curiosa. A minissérie foi dividida em 3 episódios, e vai ao ar pela BBC.

“Um soldadinho fica sozinho, só resta um; Ele se enforcou, e não sobrou nenhum.”


Postado por




1
fev. 2016

Eu sempre fui uma criança isolada, não brincava na rua, não frequentava a casa de amigas (com exceção da casa da minha prima, Maiara), não socializava. Meus pais se separaram quando eu completei 8 anos, e achei natural passar a maior parte do tempo em casa, com a minha mãe. No entanto, eu era ativa, criativa e amava brincar sozinha, com as minhas Barbies. Meu amor pela boneca alta, magra, loira e de cabelos lisos era imenso, eu ficava alucinada sempre que ganhava um novo item. Não existia limites para as histórias que eu criava.

barbie-novos-corpos-002

No entanto, eu não era loira e nem tinha os cabelos lisos e maravilhosos. Nas minhas histórias eu era como ela, mas na vida real eu passava bem longe disso, meus cabelos enrolados e rebeldes e minha pele mais escura eram motivo de trastorno. Na escola, de acordo com os colegas que praticavam bullying comigo, eu era a “preta feia e pobre”, e quando chegava em casa e olhava para as minhas bonecas, eu tinha certeza de que eles estavam certos.

Minha coleção de Barbie era o meu refúgio, com elas eu podia sonhar ser o que eu quisesse, ainda que as pessoas à minha volta fizessem questão de dizer que eu não podia ser nada daquilo. Eu era veterinária, médica, advogada, bailarina e o que mais eu quisesse. Com o tempo, a Mattel investiu em novas etnias da boneca, e eu comecei a me identificar verdadeiramente com elas.

Mas, semana passada – depois de muitos anos sem brincar de Barbie -, eu senti uma vontade inexplicável de retomar a minha coleção quando vi a novidade da Mattel. A Barbie não é mais apenas loira, magra, curvilínea e gostosona. Agora existirão três novos modelos de corpos: Curvy (curvilínea), Petite (baixinha) e Tall (alta). \o/

barbie-novos-corpos-003

Teria sido incrível, na minha infância, comprar uma boneca que se parecesse comigo, ou então com as minhas amigas! Eu não tive essa oportunidade, mas as crianças de agora terão. Se você tem a pele mais escura, cabelos negros e enrolados (como eu) vai encontrar uma Barbie como você! E também se você for baixinha, tiver uma barriguinha saliente, e por aí vai.

barbie-novos-corpos-005

Claro que a Mattel não fez isso apenas por terem um bom coração e entenderem as necessidades das crianças, é uma estratégia de marketing, já que as vendas da boneca caíram bastante devido as bonecas concorrentes (Monster High, por exemplo). Mas, mesmo assim, eu fico muito feliz! Marketing ou não, essa nova coleção é um grande passo para a quebra dos padrões de beleza! As bonecas serão comercializadas a partir de março, nas lojas Ri Happy, confesso que já quero comprar todas. :)

E você? O que achou dessa nova coleção? Qual era a sua brincadeira preferida na infância?


Postado por




27
jan. 2016

ARQUIVADO EM: Sorteios

sorteio-como-eu-era-antes-de-você

Quem viu a minha resenha do livro Como eu era antes de você já sabe que o livro me marcou profundamente. Foi impossível segurar as lágrimas, e agora recomendo para todo mundo! Por isso, em parceria com a Editora Intrínseca, irei sortear um exemplar desse livro maravilhoso, que em breve vai virar filme!

Para participar é bem simples, basta preencher a primeira entrada, que é LIVRE, e você já está participando. Se quiser mais chances, é só preencher as chances extras, que serão liberadas logo após a primeira entrada do formulário. \o/

a Rafflecopter giveaway

BOA SORTE!


Postado por




26
jan. 2016

ARQUIVADO EM: mulherzices

Nem só de livros vive uma mulher, risos. No alto dos meus 29 anos o cuidado tem que ser redobrado, pois a partir de agora as coisas não são assim tão fáceis (lei da gravidade, te detesto). Já contei para vocês sobre o meu emagrecimento, mas hoje quero contar quais são os meus produtos de beleza favoritos. :)

1. Protetor Solar Sundown ou Renew Multibenefícios: O primeiro produto da lista é o mais falado em todos os lugares, o maravilhoso protetor solar. Não adianta, tem que usar e ponto. Eu sei que existem marcas mais famosas (e consequentemente mais caras), mas os meus preferidos são da Sundown (FPS 30) e Renew (FPS 50). Eu sinto que protege bem, sem deixar meu rosto – já oleoso, ainda mais melado. Eles secam rapidinho e já posso aplicar a maquiagem sem problemas. Para quem tem a pele oleosa, mas não pode gastar muito, recomendo muito esses dois.protetor-solar

2. BB Cream Renew: Nunca fui fã de BB Cream, sempre os achei muito oleosos e sem cobertura. Mas, quando provei esse, me apaixonei. Ele é sequinho, cobre as minhas manchinhas e ainda tem FPS 20. Nunca imaginei que fosse encontrar o meu preferido na Avon hahaha. 

renew-bb-cream

3. Demaquilante Bifásico Make B: Apesar de ter o rosto oleoso, os meus demaquilantes favoritos são sempre bifásicos. O meu preferido do momento é o Make B, de O Boticário. Sinto que ele remove toda a maquiagem rapidamente, sem precisar esfregar, mesmo maquiagem à prova d’água. 

Demaquilante

 4. Loção Hidratante Corporal Nativa Spa – Terapia das Águas Termais: Confesso que não uso creme para o corpo com muita frequência, acabo usando só aqueles de aplicar no banho. Depois que já sai do banho e me sequei, morro de preguiça, ou então nem me lembro de passar. Mas, depois que vi a G Flores falando sobre esse creme de O Boticário, eu resolvi testar, e estou apaixonada. Ele é bem fresquinho, seca rápido e tem um cheiro bem leve, uma delícia! 

nativa-spa-terapias

5. Óleo Desodorante Corporal – Natura Sève: O meu preferido desde muito tempo! Sou completamente apaixonada por esses óleos, uso sempre e acho que a pele fica iluminada, macia e muito cheirosa. O meu preferido é o de Amêndoas Doce, não vivo sem. <3 

oleo-Seve

Esses são os que eu realmente uso, mas existe um ou outro produtinho que eu uso de vez enquanto, como esfoliante e creme facial. Não sou tão cuidadosa, no entanto, quero muito mudar um poucos os meus hábitos em 2016. Mas e vocês, quais são os cuidados com a pele que vocês mantém? 😀


Postado por




25
jan. 2016

ARQUIVADO EM: Literatura

Como-eu-era-antes-de-voceTítulo Original: Me Before You
Autor: Jojo Moyes
Editora: Intrínseca
Páginas: 320
Avaliação: 5/5 
Onde comprar: Amazon | Americanas | Saraiva | Submarino

Sinopse: Aos 26 anos, Louisa Clark não tem muitas ambições. Ela mora com os pais, a irmã mãe solteira, o sobrinho pequeno e um avô que precisa de cuidados constantes desde que sofreu um derrame. Sua vidinha ainda inclui o trabalho como garçonete num café de sua pequena cidade – um emprego que não paga muito, mas ajuda com as despesas – e o namoro com Patrick, um triatleta que não parece muito interessado nela. Não que ela se importe.
Quando o café fecha as portas, Lou é obrigada a procurar outro emprego. Sem muitas qualificações, consegue trabalho como cuidadora de um tetraplégico. Will Traynor tem 35 anos, é inteligente, rico e mal-humorado. Preso a uma cadeira de rodas depois de ter sido atropelado por uma moto, o antes ativo e esportivo Will agora desconta toda a sua amargura em quem estiver por perto. Sua vida parece sem sentido e dolorosa demais para ser levada adiante. Obstinado, ele planeja com cuidado uma forma de acabar com esse sofrimento. Só não esperava que Lou aparecesse e se empenhasse tanto para convencê-lo do contrário.
Uma comovente história sobre amor e família, Como eu era antes de você mostra, acima de tudo, a coragem e o esforço necessários para retomar a vida quando tudo parece acabado.

Sempre que alguém dizia o quanto esse livro era lindo eu ficava na dúvida, sem saber se iria gostar ou não. Depois de muitas recomendações resolvi lê-lo, e foi uma das leituras mais maravilhosas que já fiz. Esse é o segundo livro que leio da autora (o primeiro foi A última carta de amor), e Jojo Moyes se tornou uma das minhas autoras queridinhas. 

Will Traynor era um homem ativo, de 35 anos, realizado no trabalho e apaixonado por aventuras. Quando é atropelado por uma moto, Will se torna tetraplégico e passa a depender de auxílio 24 horas por dia. Por ser um homem cheio de vigor e independente, Will não consegue aceitar sua nova condição, e se torna fechado e amargurado.

Louisa Clark tem 26 anos, trabalha em um café, mora com os pais e tem um relacionamento, morno, de 7 anos com Patrick, um aspirante à atleta muito motivado. Louisa gosta de sua vida como ela é, e não tem nenhuma pretensão para o futuro. Quando o café onde trabalha fecha, Louisa se vê totalmente desamparada, e acaba aceitando um emprego de cuidadora, sem ter a menor experiência. 

O paciente em questão é Will, que está na cadeira de rodas há dois anos. De inicio Will faz de tudo para deixar claro que a presença de Louisa não é bem-vinda, mas no decorrer dos dias Louisa conquista o carinho de Will e uma linda amizade acaba nascendo. Will não se conforma com o comodismo de Louisa e faz de tudo para mostrar à ela que ela precisa desejar mais da vida, que ela é inteligente o suficiente para isso. E ao mesmo tempo, Louisa transforma os dias de Will, mostrando o lado bom das pequenas coisas. 

O contrato de Louisa é de apenas seis meses, e quando descobre a verdadeira razão por traz desse curto contrato Louisa percebe que precisa fazer ao máximo para mudar os pensamentos de Will, e evitar que o pior aconteça.

Jojo Moyes descreve com maestria e extrema sensibilidade as dificuldades que os cadeirantes enfrentam. É tudo tão real, que eu conseguia me imaginar no lugar do Will, compartilhando seu sofrimento e indignação. As limitações, a falta de solidariedade e o preconceito são bastante abordados. Além disso, Jojo Moyes enfatiza o amor, o relacionamento familiar e o poder de uma amizade.

“E sabe o que? Ninguém quer ouvir esse tipo de coisa. Ninguém quer ouvir você falar que está com medo, ou com dor, ou apavorado coma possibilidade de morrer por causa de alguma infecção aleatória e estúpida. Ninguém quer ouvir sobre como é saber que você nunca mais fará sexo, nunca mais comerá algo que você mesmo preparou, nunca vai segurar seu próprio filho nos braços. Ninguém quer saber que às vezes me sinto claustrofóbico estando nesta cadeira que tenho vontade de gritar feito louco só de pensar em passar mais um dia assim”.

Will Traynor não está apenas impedido de se movimentar, a tetraplegia acarreta diversos outros problemas, tornando sua saúde frágil. Confesso que eu nunca tinha parado para pensar em como se sente um tetraplégico, Jojo Moyes mexeu com os meus sentimentos

Louisa e Will se completam, sem que eles sequer percebam um vai mudando a vida do outro. É completamente apaixonante ver o quanto essa relação vai se transformando. A leitura é agradável e fluída, sendo narrado em primeira pessoa, por Louisa. Eu li em um único dia, e preciso dizer que o final estilhaçou o meu coração, ao mesmo tempo em que ensinou coisas lindas sobre a vida. A sensibilidade da autora em abordar temas tão delicados me comoveu, e me arrancou tantas lágrimas! Achei que não fosse conseguir parar de chorar, e mesmo agora, quando escrevo essa resenha, sinto um aperto no peito e uma vontade de chorar novamente. <3

“Estou lhe dando isso porque poucas coisas ainda me fazem feliz, e você é uma delas”. “É isso. Você está marcada no meu coração, Clark. Desde o dia em que chegou, com suas roupas ridículas, suas piadas ruins e sua total incapacidade de disfarçar o que sente. Você mudou a minha vida (…)”.

Como eu era antes de você foi uma leitura memorável,  Will Traynor e Louisa Clark vão ficar eternizados em meu coração, e sua história sera sempre lembrada por mim. Fico feliz em saber que em breve teremos a adaptação cinematográfica, com Sam Clafin e Emilia Clarke nos papeis principais. 

Se você ainda não, por favor, leia!


Postado por




23
jan. 2016

ARQUIVADO EM: Desejo do dia

Sempre que o McDonald’s lança uma campanha nova para o McLanche Feliz, eu fico de olho, babando naqueles brindes tão lindos, mas sem nunca comprar nenhum. Até agora.

Vai ser difícil fingir que não vi a nova campanha, pois é a turma do Snoopy!! Os brinquedos da vez são inspirados nos desenhos do talentoso Charles Schulz. Tem o Snoopy, o Charlie Brown, a Lucy, o Linus e todos os outros. Estou apenas surtando hahaha. 

Turma-do-Snoopy-1

Turma-do-Snoopy-4 Turma-do-Snoopy-3 Turma-do-Snoopy-2

A ação é para a divulgação da animação Snoopy e Charlie Brown: Peanuts, O Filme” que já está nos cinemas. É fofura demais para o meu coração, Snoopy é um dos meus personagens favoritos da vida. E quem assistiu ao filme garantiu que vale a pena, mal posso esperar para conferir!

São 12 bonequinhos, que desempenham alguma função, e como vocês podem ver nas imagens acima, todos são igualmente lindos. Mas, se for para escolher só um, eu ficaria com o Charlie Brown segurando o Snoopy no colo (mas estou torcendo para não ter que escolher somente um). 

Eu já amo os lanches do McDonald’s, agora mais ainda quero dar uma passadinha por lá! A campanha foi disponibilizada no dia 05 de janeiro, então é bom correr para garantir o seu!

Qual é o preferido de vocês?


Postado por




20
jan. 2016

ARQUIVADO EM: Literatura

Em-Queda-Livre-Ally-Carter-Livros-e-blablablaTítulo Original: All Fall Down
Série: Segredos Diplomáticos #1 (Embassy Row)
Autor: Ally Carter
Editora: Guarda-Chuva
Páginas: 352
Avaliação: 3,5/5
Onde comprar: Amazon | Americanas | Saraiva | Submarino

Sinopse: Aos dezesseis anos, a protagonista Grace Blakely vê sua vida virar de cabeça para baixo ao se mudar para a casa de seu avô materno, o embaixador americano na capital do país fictício de Adria. Incapaz de aceitar as circunstâncias misteriosas que cercaram a morte de sua mãe três anos antes, ela tentará descobrir os segredos do seu passado e encontrar respostas para as dúvidas que a assombram. Contando somente com a ajuda de seus novos amigos, filhos dos embaixadores das outras nações, ela se lança na busca por um assassino que ninguém mais acredita ser real, ao mesmo tempo em que se esforça para seguir os rígidos protocolos que regem a vida diplomática. Não será fácil para Grace se adaptar a esse novo mundo, especialmente quando ela começa a se apaixonar pelo único garoto proibido para ela: o melhor amigo de seu irmão mais velho. Grace fará de tudo para ser a boa menina que todos esperam que ela seja, mas os problemas parecem sempre encontrá-la, e qualquer deslize cometido na Ala das Embaixadas poderá deflagrar uma crise internacional, colocando sua vida e o destino das nações mais poderosas do mundo em risco.

A Editora Guarda-Chuva começou muito bem, Ally Carter é uma boa escolha para o livro Young Adult de estreia da editora. Logo que soube do lançamento, fiquei bastante animada para conferir. 

Grace é neta de um influente embaixador americano, ela está acostumada a frequentar a embaixada, até o dia em que uma tragédia acontece.

Após a morte de sua mãe, Grace não soube exatamente lidar com a situação e acredita que nem tudo foi do jeito que insistem em lhe dizer. Três anos se passaram, e agora Grace precisa morar com o seu avó, na embaixada em Adria. Lá, ela decide provar que a morte de sua mãe não foi um acidente, e que ao contrário do que todos pensam, ela não está louca.

A garota conta com a ajuda de seus novos amigos, filhos dos embaixadores de outras nações, para investigar a situação. O problema, é que talvez Grace não esteja preparada para descobrir a verdade.

Grace é uma personagem corajosa, ela se recusa a acreditar no que todos dizem ser verdade. Sua necessidade de provar que sua mãe foi assassinada é enorme, e ela cria grandes confusões na Ala das Embaixadas, deixando seu avó em uma situação difícil, já que tudo pode gerar uma crise internacional. Como toda boa adolescente, Grace tem algumas atitudes que podem irritar, mas é tudo totalmente aceitável. 

“Preciso que alguém me escute! Preciso que alguém acredite em mim.”

Todos consideram Grace emocionalmente instável, até então ela havia desistido de dizer a verdade sobre o dia do acidente de sua mãe, mas quando ela encontra um rosto que ativa suas memórias, ela não mede esforços para comprovar sua versão. O mais legal desse livro, é que por ser narrado em primeira pessoa, pela própria Grace, ficamos sem ter certeza dos fatos. Afinal de contas, Grace pode realmente não saber o que está falando. Ally Carter foi brilhante nesse detalhe.

 Todos os personagens são fundamentais, e vamos nos afeiçoando à eles no decorrer da trama. Alexie é um dos meus favoritos, e acredito que será melhor explorado nos próximos volumes. Ele faz de tudo para proteger e preservar Grace, à pedido de Jamie ( irmão de Grace), mesmo que eles sejam “inimigos”, já que o garoto é russo. Existe um clima de romance no ar, mas nada explícito. 

“Nós temos que respeitar nosso país anfitrião e temos que respeitar nossos vizinhos. […] Às vezes, os muros que nos separam dos vizinhos são tudo o que existe entre o nosso país e a guerra.”

Ally Carter tem uma narrativa deliciosa, o pais fictício – Adria, é muito interessante as embaixadas ficam praticamente lado a lado. A trama politica é explicada de maneira simples e fácil de entender, e todo o mistério acerca da morte da mãe de Grace, é bem plausível. Confesso que me surpreendi bastante com o final. 

Em Queda Livre foi um bom primeiro livro, ainda que não seja sensacional, e tem tudo para ser uma série envolvente. Estou curiosa para conferir o segundo livro – See how they run, que será lançado em 2016, no exterior. Recomendo!


Postado por







ilustrações design e desenvolvimento