mm1 mm2 mm3mm4 mm5 mm6 mm7


10
out 2017

ARQUIVADO EM: Cinema & TV

 Título Original: Miracles from Heaven

Título no Brasil: Milagres no Paraíso

Direção: Patrícia Riggen

Gênero: Drama

Ano de Lançamento: 2016

Sinopse: Christy (Jennifer Garner) e Kevin Beam (Martin Henderson) são pais de três garotas: Abbie (Brighton Sharbino), Annabel (Kylie Rogers) e Adelynn (Courtney Fansler). Eles vivem em uma confortável casa, junto com cinco cachorros, e acabam de abrir uma clínica veterinária, o que fez com que tivessem que apertar os cintos e hipotecar a casa. Cristãos convictos, os Beam vão à igreja com frequência. Um dia, Annabel começa a sentir fortes dores na região do abdomen. Após muitos exames, é constatado que a garota possui um grave problema digestivo. Tal situação faz com que Christy busque a todo custo algum meio de salvar a vida da filha, ao mesmo tempo em que se afasta cada vez mais de sua crença em Deus.

Quando na capa do filme esta escrito que ele é baseado em uma incrível história real, acredite, porque é incrível mesmo! Milagres do Paraíso, conta a comovente história da família Beam, que vive um drama quando sua filha do meio é diagnosticada com um grave problema digestivo. Todos na comunidade ficam extremamente abalados e Christy, antes tão devota, passa a questionar sua fé e o porquê de sua querida filhinha ser acometida de algo tão penoso.

Apesar da excessiva carga dramática contida no filme, achei a história de Annabel extremamente emocionante, e o fato de ser uma história real só a deixou mais interessante, pelo menos na minha opinião.

Esse filme nos ensina a importância da fé, ele nos mostra que apesar das adversidades imposta pela vida, não podemos perder a esperança de que tudo acontece por uma razão, desconhecida muitas vezes, incompreensível, mas, nada pode ser encarado por nós como uma punição. Tudo é aprendizado, tudo é lição e que milagres acontecem todos os dias em nossas vidas, basta que saibamos reconhecê-los.

A história da família Beam é inspiradora e linda, sou louca por histórias reais, e a deles certamente ficará guardada para sempre em meu coração.

 

“Milagres estão em toda parte. Milagres são o jeito de Deus nos avisar que ELE está aqui.”  



22
ago 2017

ARQUIVADO EM: Cinema & TV


Título Original: To the bone

Título no Brasil: O mínimo para viver

Direção: Marti Noxon

Gênero: Drama

Ano de Lançamento: 2017

 

Sinopse: Uma jovem de 20 anos sofrendo de anorexia embarca em uma emocionante jornada de autodescoberta em um grupo liberado por um médico pouco convencional.

Recentemente adicionado ao catálogo do Netflix, O mínimo para viver conta a história de Ellen, uma garota que sofre de um severo distúrbio alimentar.

Ellen, que já passou por quatro internações, esta sob os cuidados de um novo médico que possui um método diferenciado de tratamento.

Lilly Collins esta assustadoramente perfeita no papel principal, e Keanu Reeves dispensa apresentações, apesar de sua tímida interpretação como um médico pouco convencional, ele tem falas brilhantes e questionamentos pontuais, que levam o espectador a pensar na situação de sua paciente.

O Dr.Beckham chega a ser arrogante em sua abordagem, porém, mostra-se bastante eficiente com seus métodos pouco ortodoxos.

“[…]eu não vou te tratar se você não quiser continuar viva.”

O filme mostra sem alarde ou apologia, a vida como ela é. Como verdadeiramente fica uma pessoa acometida por um distúrbio alimentar severo.

Entendo o perigo que um filme que aborda esse tema pode conter,  pois ao pesar na mão, corre-se o sério risco de que haja incentivo ou enaltecimento a doença. O que felizmente não aconteceu.

O que percebemos nesse filme foi uma abordagem clara, cuidadosa e responsável. Assim como todos os efeitos colaterais da doença, nada foi glamourizado, muito menos incentivado.

Outro ponto que achei bastante interessante, foi a inserção de personagens anoréxicos que estão acima do peso, pois ao contrário do que se pensa, não é apenas o esquelético e fisicamente fragilizado que precisa de ajuda quando se trata de um distúrbio alimentar, tendo em vista que trata-se de um transtorno psicológico grave que mata boa parte dos indivíduos. E que ninguém em sã consciência escolhe ficar assim, essas pessoas estão verdadeiramente doentes, precisando de tratamento, e anorexia não é uma escolha.

A meu ver o filme possui algumas falhas, especialmente nas cenas entre mãe e filha. Certas abordagens foram exageradas e até desnecessárias. Mas, entendo a intenção da diretora Marti Noxon, que optou por contar uma história da maneira mais sensível e sincera possível, mostrando a complexidade do problema e quão difícil e delicado é abordá-lo.

Gostei, recomendo! É um bom filme para quem aprecia explorar a obscuridade da mente humana e para aqueles que estão em busca de um filme sincero sobre o tema.

 



8
ago 2017

ARQUIVADO EM: Cinema & TV

Título Original: Poldark

Título no Brasil: Poldark

Criador: Debbie Horsfield

Gênero: Drama/Histórico

Ano de Produção: 2015

 

Sinopse: Quando Ross Poldark (Aidan Turner) retorna dos campos de batalha da guerra civil americana, ele descobre que o pai faleceu, a mina de estanho que sustentava a família fechou, a casa está em ruínas e sua amada Elizabeth (Heida Reed), que achava que Ross tinha morrido, está noiva de seu primo, Francis Poldark (Kyle Solder). Ross, um homem autoritário mas com um forte senso de justiça, se casa com Demelza (Eleanor Tomlinson), uma criada, com quem tenta iniciar uma nova vida.

Desde que assisti Outlander, fiquei viciada em séries com temática histórica. Foi assim que conheci Poldark, uma série incrível sobre luta e perseverança, que indico sem pensar duas vezes.

Ambientada no século XVIII, a série narra a trajetória de Ross Poldark, um soldado que retorna da guerra e descobre que a vida que havia deixado para trás, não existe mais.

Durante sua ausência, seu pai faleceu, a mina de estanho da família faliu, e Elizabeth, o amor de sua vida, havia se casado com seu primo Francis.

Mesmo incrédulo com as notícias, Ross não se deixa abater e decide se empenhar na reconstrução da mina, e é durante esse processo, que ele conhecerá Demelza, uma moça de hábitos simples e destemida que em princípio será designada como cozinheira em sua casa, mas acabará conquistando seu coração.

Ross é um homem íntegro, justo, e sobretudo muito humano, se compadece facilmente de sofrimento alheio, ajudando da maneira que pode todos a sua volta. Porém, alguns tipos de ajuda podem lhe ser demasiadamente caros, e ele terá que lidar com as consequências de tais atos.

Como toda boa história, na saga de Poldark também temos um vilão, e esse papel ficou por conta de George Waleggan, um jovem ganancioso e arrogante que fará de tudo para destruir Ross.

Essa série teve uma primeira versão no ano de 1975, estrelada pelos atores Robin Ellis e Angharad Rees, e é baseada em uma série de livros históricos de Winston Graham sem publicação no Brasil.

A versão Poldark de 2015, traz Aidan Turner (O Hobbit) e Eleanor Tomlinson (Alice no País das Maravilhas) nos papéis de Ross e Demelza.

Com paisagens extremamente charmosas e enredo instigante, Poldark é uma série ágil, cheia de intrigas e romance, que merece ser apreciada, especialmente pelos amantes de romances históricos. 



4
jul 2017

ARQUIVADO EM: Cinema & TV

Título Original: Kurt Seyit ve Sura

Título no Brasil: Kurt Seyit ve Sura

Criadora: Nermin Beznem

Gênero: Drama, Romance

Ano de Lançamento: 2014

 

Sinopse: Kurt Seyit é um tenente mulherengo bonito, filho mais velho de um rico proprietário de terras da Criméia Turca. Seyit participa de um baile em São Petersburgo e faz uma aposta com seus amigos: Beijará a primeira menina que entrar na sala. Sura é a filha caçula de uma família nobre russa e vêm antes da alta sociedade no baile. Quando Sura entra no salão de baile, eles se apaixonam à primeira vista e logo começam um caso cheio de obstáculos. O pai de Seyit , Mirza Eminof, quer que o seu filho case com uma mulher turca muçulmana para garantir a prole. Por outro lado , a família de Sura quer que ela se case com homem rico e nobre da Rússia.
O amor de ambos é testado pela guerra, mas também comprometido devido às intrigas de Petro Borinsky e Baronesa Lola.

Hoje eu venho indicar para vocês, um romance muito bonito chamado Kurt Seyit ve Sura. Baseada em fatos reais, essa belíssima série de origem turca, irá narrar a história de amor entre o elegante oficial turco Kurt Seyit, e a bela russa Sura. Que se vêem perdidamente apaixonados desde que se encontram pela primeira vez em um baile em São Petersburgo.

Sura, batizada Alexandra Verjenskaya, é uma jovem tímida e recatada, que logo em seu primeiro grande evento social, é arrebatada pelos belos olhos do tenente Kurt Seyit Eminof. Igualmente encantado pela bela jovem, Seyit fará de tudo para conquistá-la.

 

Com um cenário histórico pautado na 1° guerra mundial e nas tensões políticas da época, a trama é repleta de ação e cenas de tirar o fôlego, e também conta com vilões dignos dos melhores folhetins. Petro Borinsky e a Baronesa Lola, serão obstáculos quase intransponíveis, que testarão ao máximo os limites do casal apaixonado.

A série foi baseada nos livros da autora Nermin Bezmen, neta de Kurt Seyit, e a editora Pedra Azul promete publicá-los em breve aqui no Brasil. Tomara!

Facilmente encontrada no atual catálogo do Netflix, a história de amor de Seyit e Sura é de uma pureza sem igual. Com uma trama cativante e cenas belíssimas, essa série é perfeita para quem gosta de enredos com contexto histórico. Se você é um romântico que adora histórias carregadas de ação, drama e muito amor, essa série é mais do que recomendada!



28
jun 2017

ARQUIVADO EM: Cinema & TV Literatura

O livro Depois Daquela Montanha, de Charles Martin (publicado pela Editora Arqueiro) já havia atraído a minha atenção. Duas pessoas desconhecidas, após um acidente, acabam sozinhas isolados a quase 3.500 metros de altitude, numa extensa área de floresta coberta por quilômetros de neve. Já dá para imaginar que será uma história emocionante né?

Mas, confesso que o que me fez realmente querer começar a leitura foi o trailer do filme. Sim, Depois Daquela Montanha foi adaptado para os cinemas, com lançamento no segundo semestre de 2017. Os personagens principais são interpretados pela maravilhosa Kate Winslet e pelo incrível Idris Alba.

Então, eu e a Ju Oliveira (Cantinho Ju Oliveira) decidimos fazer a leitura desse livro juntas, começando no dia 1º de julho. E claro, vocês estão mais do que convidados!

O Dr. Ben Payne acordou na neve. Flocos sobre os cílios. Vento cortante na pele. Dor aguda nas costelas toda vez que respirava fundo. Teve flashes do que havia acontecido. Luzes piscavam no painel do avião. Ele estava conversando com o piloto. O piloto. Ataque cardíaco, sem dúvida. 

Mas havia uma mulher também – Ashley, ele se lembra. Encontrou-a. Ombro deslocado. Perna quebrada. Agora eles estão sozinhos, isolados a quase 3.500 metros de altitude, numa extensa área de floresta coberta por quilômetros de neve. Como sair dali e, ainda mais complicado, como tirar Ashley daquele lugar sem agravar seu estado? À medida que os dias passam, porém, vai ficando claro que, se Ben cuida das feridas físicas de Ashley, é ela quem revigora o coração dele. Cada vez mais um se torna o grande apoio e a maior motivação do outro. E, se há dúvidas de que possam sobreviver, uma certeza eles têm: nada jamais será igual em suas vidas.

 

Estou bastante animada com a leitura, só vi comentários positivos. E quero muito ver se o filme será ao menos parecido. Já me disseram que o final é surpreendente, quero conferir. Quem se anima a fazer a leitura com a gente?



6
jun 2017

ARQUIVADO EM: Cinema & TV

Título Original: One Tree Hill

Título no Brasil: Lances da Vida

Criador: Mark Schwahn

Gênero: Drama

Ano de Lançamento: 2003

 

   Sinopse: Nathan e Lucas são dois irmãos que só tem em comum o pai, Dan Scott, e o dom para jogar basquete. Nathan foi criado como o “queridinho” do papai e sempre teve de tudo, ele é ídolo do time de basquete e o garoto mais popular da escola, enquanto o solitário Lucas foi criado por sua mãe, Karen e pelo tio paterno Keith, com muita  dificuldade  e,  apesar  de  ser  um excelente jogador de basquete, só joga por diversão. O destino faz com que as vidas dos dois se cruzem e Lucas tem a chance de jogar novamente no time do colégio, o que provoca a raiva de Nathan e do seu pai que não quer que nada ou ninguém venham atrapalhar a trajetória profissional que ele sonhou para si no passado e agora traçou para seu filho. A disputa entre os garotos não vai ser apenas pelo controle de quadra de basquete, mas também pelo amor de Peyton, uma líder de torcida e atual namorada de Nathan.

Comecei a assistir a série em 2016, quatro anos depois de seu término. E quanto tempo eu perdi, minha gente! Em que dimensão eu estava, que não conheci One Tree Hill antes? Em princípio, eu achava tratar-se de uma série adolescente com típicos problemas adolescentes no colégio, mas que engano meu, pois de típicos, os problemas deles não tem nada!

Repleta de citações narradas por Lucas Scott e uma ótima trilha sonora, One Tree Hill é uma série jovem, sim, mas com problemas bem adultos. Claro, sempre existe um drama ou outro que realmente seja adolescente, mas no geral, é uma série com temas bem sérios, por isso não me admira o sucesso que a fez ficar no ar durante 9 temporadas.

“Você já olhou para uma foto sua e viu um estranho no fundo? Te fez perguntar quantos estranhos tem uma foto sua? Quantos momentos da vida dos outros nós fizemos parte? Ou se fomos parte da vida de alguém, quando os sonhos dessa pessoa se tornaram realidade. Ou se estivermos lá, quando os sonhos delas morreram.

Nós continuamos a tentar nos aproximar? Como se fôssemos destinados a estar lá. Ou fomos pegos de surpresa?

Pense, podemos seu uma grande parte da vida de alguém e nem saber.”

 

One Tree Hill é uma série que nos faz repletir sobre a vida e talvez por esse motivo, o título escolhido aqui no Brasil tenha sido Lances da Vida. Temas como amor, família, solidão e amizade também são exaustivamente abordados, o que fez a trama ser ainda mais especial.

Ao mostrar os erros e acertos de cada um, One Tree Hill humaniza os personagens e nos aproxima ainda mais de suas vidas, como se o telespectador realmente os conhecesse, ou conhecesse alguém que já viveu aqueles dilemas. As transformações, mudanças de temperamento e seus conflitos internos dão o tom da trama, tornando aqueles adolescentes pessoas comuns, que precisam de ajuda para crescer, assim como todos nós.

São tantas lições aprendidas e passadas que fica difícil dizer qual o melhor momento da série.

Gostei de vários personagens, mas o meu preferido é sem dúvida alguma o Nathan Scott, por tudo o que ele representa, por toda a sua trajetória e principalmente por todo o seu amadurecimento. Claro, todos os personagens sofreram mudanças bastante significativas durante toda a série, mas o Nathan, foi o que mais me surpreendeu.

Com um desfecho emocionante e nostálgico, One Tree Hill consegue derreter até o mais gelado dos corações. Finalizo esta resenha completamente apaixonada por essa história e seus personagens, Lucas, Payton, Nathan, Hayley e Brooke ficarão para sempre guardados em minha memória. Suas vidas e suas histórias me tocaram profundamente, me encheram de esperança e amor, e o mais importante, me fizeram acreditar que tudo é possível. Amei, amei, amei…recomendo demais!

“Faça um pedido e guarde no seu coração.

Qualquer coisa que você quiser. Tudo o que quiser. Fez? Ótimo!

Agora acredite que pode se tornar realidade.”

 



26
maio 2017

O filme da incrível Mulher Maravilha mais amada da DC chega aos cinemas em 1º de Junho. Mas em alguns cinemas do Brasil já é possível comprar o ingresso antecipadamente.

Durante a semana alguns teasers do filme foram liberados, e com isso a critica, nacional e internacional, começaram a divulgar suas opiniões. O medo  dos críticos eram que a Warner não soubesse trabalhar com esse filme. Assim como aconteceu nos últimos filmes em parceria da DC, mas depois de algumas cabines de imprensa, as criticas tem vindo positivamente.

 

Confira alguns teasers:

 

O filme foi dirigido por Patty Jenkins, e estrelado por Gal Gadot como Mulher Maravilha; Chris Pine como Steve Trevor; Robin Wright como Antipe; Connie Nielsen como Hipólita e David Thewlis como Ares.
Um elenco de peso e cheio de qualidade.

O que acharam dos teaser? Estão ansiosos?

Nós estamos!
Em breve uma resenha detalhada do filme, fiquem de olho para não perder! :*



23
maio 2017

ARQUIVADO EM: Cinema & TV

como arrasar um coraçãoTítulo Original: L’arnacoeur

Título no Brasil: Como Arrasar um Coração

Criadores: Laurent Zeitoun e Jeremy Doner

Gênero: Comédia/Romance

Ano de Lançamento: 2010

Sinopse: O sedutor Alex (Romain Duris), sua irmã Mélanie (Julie Ferrier) e o marido Marc (François Damiens) são donos de um negócio muito irreverente para clientes terceirizados. Eles são contratados para destruir relacionamentos em que as mulheres estão infelizes. Na trama, contratados por um homem rico para romper o casamento da própria filha e eles têm um tempo limite de apenas dez dias para realizar a missão.

A comédia romântica Como Arrasar Um Coração narra a história de um trio pago para destruir relacionamentos, formado por Alex, a irmã dele (Mélanie) e o marido dela (Marc). O principal responsável por acabar com os relacionamentos é Alex, com seu charme encantador, ele sabe o que as mulheres procuram e necessitam.

O trio é contratado pelo florista e mau-caráter Van der Beck (Jacques Frantz) para eliminar qualquer possibilidade de sua bela filha Juliette (Vanessa Paradis) subir no altar com Jonathan (Andrew Lincoln), um jovem inglês com muito dinheiro que é detestado pelo pai da noiva. O principal problema, além de acabar com o noivado, é que o trio tem pouco mais de uma semana para que a vontade do contratante seja realizada.

No meio da trama Alex passa a ser o “guarda-costas” da noiva para ficar mais perto dela. Com mais contato e convívio, Alex começa a perceber as coisas que Juliette mais admira, e assim eles começam a se gostar.

O longa é filmado em Mônacoum dos lugares mais bonitos do mundo, e mostra a belas paisagens e todo o luxo do local. Em uma das cenas mais legais, Alex e Juliette vão de carro pela estrada do principado ao som do hit Wake Me Up Before You Go-Go, de George Michael.

Port_de_Monaco

Um dos escritores da comédia romântica, Laurent Zeitoun, conta que a ideia de escrever a trama surgiu em um caso ocorrido dentro da própria família. “Minha prima estava apaixonada por um menino desprezível que a fez infeliz e que tinha tatuado o nome de sua ex em seu braço. E ainda afirmou que ele ainda a amava. Aí meu tio me disse: ‘Temos de apresentar um bom cara que vai abrir os olhos dela’. Com uma risada, eu disse: ‘pague um comediante, faça-o improvisar e explique-lhe como amar sua filha (…) a ideia de negócios para quebrar casais veio de lá!’”, contou o escritor francês.

Segundo o diretor do longa, Pascal Chaumeil, Como Arrasar Um Coração não é um filme totalmente politicamente correto. “Há quase um pequeno comentário social subjacente. Alex tem uma condição social menos favorecida que Juliette, a garota que ele tem de seduzir. Implicitamente, é questão de conflitos de classes. […] os métodos utilizados por Alex, por vezes são questionáveis, mas seu trabalho é ajudar as mulheres em suas escolhas de vida.”

Pessoal, espero que vocês curtam essa comédia romântica francesa tão bem produzida e leve de assistir. As atuações são convincentes, o enredo nos envolve e a fotografia do filme é incrível na maravilhosa Mônaco. 🙂



22
maio 2017

ARQUIVADO EM: Cinema & TV

 Título Original: The Other Side of Heaven

Título no Brasil: O Outro Lado do Céu

Direção: Mitch Davis

Gênero: Drama/Aventura/Biografia

Ano de Lançamento: 2001

 

Sinopse: John Groberg (Christopher Gorham) é um jovem missionário que, nos anos 50, embarca em um longa viagem juntamente com os nativos da ilha de Tonga, deixando para trás a noiva e sua família. Ao longo de sua viagem ele escreve cartas para sua noiva, relatando suas aventuras para sobreviver em uma terra desconhecida. Ao mesmo tempo, Groberg conhece a cultura local e faz amigos nos 3 anos que passa longe de casa.

O Outro lado do Céu é um filme delicado, sensível e muito verdadeiro. Baseado em fatos reais, esse é provavelmente, o melhor filme cristão que já assisti em toda a minha vida.

A história de John, que é convocado para prestar serviços como missionário na ilha de Tonga, é muito interessante. Ao longo de sua jornada, ele conhece pessoas muito especiais. Que o ensinarão valores imprescindíveis para a vida, passará também por muitas provações, tentações e momentos de dificuldade que o farão questionar seus atos e escolhas.

Os habitantes de Tonga se apresentam como realmente são, pessoas simples e de bom coração que aceitam aquele forasteiro de braços abertos, ajudando-o em sua adaptação.

Durante sua estadia na ilha, John escreve cartas para sua noiva Jean Sabin, relatando tudo o que esta acontecendo por lá e esses momentos são particularmente muito bonitos. As palavras de Jean são como um bálsamo, onde o missionário encontra forças para continuar sua missão.

Mesmo com todas as dificuldades apresentadas, é admirável a determinação e força de vontade daquele jovem, tentando ajudar o próximo de todas as maneiras possíveis, com seu imenso amor e fé inabalável.

Gostei bastante da atuação de Christopher Gorham, ele desempenhou brilhantemente seu papel. Assim como a jovem Anne Hathaway que em seu primeiro trabalho, executa lindamente o personagem da benevolente noiva.

Histórias baseadas em fatos reais geralmente tocam meu coração, sempre me emocionei com o que o destino reserva para as pessoas.

Com um enredo sensível e história tocante, esse filme sobre fé e simplicidade, arrebatará corações de diferentes maneiras e fará os céticos finalmente acreditarem em amor verdadeiro.

“Querida Jean,

Finalmente chegou o dia, estou indo para casa. Mas, o engraçado, é que parece que estou indo embora de casa. Nesses três anos, eu vivi com um povo que não tem nada, mas tem tudo. Nessa vida navegamos os mares, na próxima, navegaremos o céu. Eu gostaria de ser mais parecido com ele, um barqueiro entre as estrelas, e eu gostaria de ter você comigo. Sua suavidade ao meu lado, ah…Jean. Você irá me amar do outro lado do céu?”



2
maio 2017

ARQUIVADO EM: Cinema & TV

Título Original: Hidden Figures

Direção: Theodore Melfi

Gênero: Drama/Biografia

Ano de Lançamento: 2017

 

Sinopse: 1961. Em plena Guerra Fria, Estados Unidos e União Soviética disputam a supremacia na corrida espacial ao mesmo tempo em que a sociedade norte-americana lida com uma profunda cisão racial, entre brancos e negros. Tal situação é refletida também na NASA, onde um grupo de funcionárias negras é obrigada a trabalhar a parte. É lá que estão Katherine Johnson (Taraji P. Henson), Dorothy Vaughn (Octavia Spencer) e Mary Jackson (Janelle Monáe), grandes amigas que, além de provar sua competência dia após dia, precisam lidar com o preconceito arraigado para que consigam ascender na hierarquia da NASA.

Assisti Estrelas Além do Tempo para acompanhar a premiação do Oscar 2017, como faço todos os anos. E que filme lindo, minha gente!

O enredo narra a história real de três amigas, Katherine Johnson, Dorothy Vaughn e Mary Jackson, três matemáticas, negras, que entre os anos de 1940 a 1960, iniciaram sua jornada rumo a NASA. Provando dia-a-dia, que merecem estar ali, e que apesar das inúmeras dificuldades impostas, elas são capazes, e com determinação e coragem, conseguirão mostrar que foram de extrema importância para a missão Apollo, que levou o homem a lua pela primeira vez.

Estrelado pela ganhadora do Oscar 2016 de melhor atriz, Octavia Spencer, o filme mostra a dura realidade dessas três moças, tentando provar sua capacidade e inteligência, em uma época de pura repressão e preconceito racial. E mesmo que a abordagem do tema tenha ocorrido de forma um pouco mais sutil, acredito que foi um apelo válido. Já que o foco da história, era a chegada do homem a lua e de que maneira o trabalho dessas três jovens influenciou para esse fato histórico.

 

“- O que faria uma mulher de cor ir a uma faculdade de brancos?

[…] – Excelência, você deveria entender a importância de ser o primeiro.

– Como assim, Sra. Jackson?

– Você foi o primeiro da família a servir ás Forças Armadas. Marinha dos Estados Unidos. O primeiro a ir à universidade George Mason. E o primeiro juiz estadual a ser reempregado por três governadores consecutivos.

– Você andou pesquisando.

-Sim, senhor.

– O que quer dizer?

– Excelência, nenhuma negra em Virginia estudou num colégio de brancos. Nunca aconteceu.

– Sim, nunca aconteceu.

– E antes de Alan Shepard sentar no topo de um foguete, nenhum outro americano havia ido ao espaço. E, agora, ele será sempre lembrado como o americano de New Hampshire, o primeiro a tocar nas estrelas. E eu, senhor, planejo ser uma engenheira na NASA. Mas não conseguirei sem estudar naquela faculdade para brancos. E não posso mudar a cor da minha pele.

Então, não tenho escolha, exceto ser a primeira. O que não posso fazer sem o senhor.”

Em suma, Estrelas Além do tempo cumpre de forma brilhante o papel de apresentar ao mundo a história dessas três personagens encantadoras, que ousaram quebrar paradigmas em um ambiente claramente hostil e de preconceitos enraizados.  Assistam, vale muito a pena!






ilustrações design e desenvolvimento