15 maio, 2018

O Rouxinol, de Kristin Hannah

Autora: Kristin Hannah

Título Original: The Nightingale

Editora: Arqueiro

Número de Páginas: 432

Avaliação: 5/5

Sinopse: Franças, 1939: No pequeno vilarejo de Carriveau, Vianne Mauriac se despede do marido, que ruma para o front. Ela não acredita que os nazistas invadirão o país, mas logo chegam hordas de soldados em marcha, caravanas de caminhões e tanques, aviões que escurecem os céus e despejam bombas sobre inocentes. Quando o país é tomado, um oficial das tropas de Hitler requisita a casa de Vianne, e ela e a filha são forçadas a conviver com o inimigo ou perder tudo.

De repente, todos os seus movimentos passam a ser vigiados e Vianne é obrigada a fazer escolhas impossíveis, uma após a outra, e colaborar com os invasores para manter a família viva.

Isabelle, irmã de Vianne, é uma garota contestadora que leva a vida com o furor e a paixão típicos da juventude. Enquanto milhares de parisienses fogem dos terrores da guerra, ela se apaixona por um guerrilheiro e decide se juntar à Resistência, arriscando a vida para salvar os outros e libertar seu país.

O livro conta a história de Vianne e Isabelle. Duas irmãs com ideais e temperamentos opostos que serão obrigadas a lutar por suas vidas, numa guerra sem trégua.

“Se há uma coisa que aprendi neste minha vida foi o seguinte: no amor, nós descobrimos quem desejamos ser, na guerra, descobrimos quem somos.” (Página 7)

Vianne é uma dedicada esposa e mãe de família que vê seu mundo cair no dia em que seu marido Antoine é convocado para a guerra, enquanto seus país é tomado pelos nazistas. Para piorar a situação, um oficial das tropas de Hitler solicita sua casa.

Sozinha e sendo forçada a conviver com o inimigo, Vianne é obrigada a fazer escolhas difíceis para manter sua família a salvo da qualquer perigo.

Isabelle por sua vez, não teme a ameaça iminente e destemida como sempre foi, parte para a Resistência, arriscando a própria vida os em benefício dos mais necessitados e de seu país.

” – Gaeton Dubois. Meus amigos me chamam de Gaet.

– Isabelle Rossignol.

– Ah, um rouxinol.” (Página 43)

Vianne e Isabelle precisam agora lutar, cada uma a sua maneira, para manter seus entes queridos vivos e sobreviver, mesmo que em alguns momentos isso pareça uma tarefa impossível.

“Sintia-se exausta e abatida até os ossos, mas não podia descansar, Acendeu um lampião e sentou-se no divã.” (Página 253)

O Rouxinol é um romance histórico de passagens difísseis e com uma carga dramática extremamente cruel. O livro possui techos duramente reais, que fazem com que o leitor sinta os horrores da guerra em sua plenitude.

“- Algumas histórias não têm final feliz. Até mesmo histórias de amor. Principalmente histórias de amor.” (Página 367)

Fiquei com o coração em pedaços por essas irmãs e seu destino implacável, e por todo o horror que elas presenciaram e sentiram na pele.

“Isabelle é uma mulher forte. Eu não sou. Sou apenas…uma mãe tentando manter seus filhos em segurança.” (Página 373)

O livro ganhará uma adaptação para os cinemas pela Tristar Pictures, ainda sem data definida. Vamos aguardar para rever Vianne e Isabelle lutando por suas vidas na famigerada Segunda Guerra Mundial. Espero que façam justiça a essa autora fantástica e sua obra maravilhosa!

“São as minhas lembranças. Feridas cicatrizam. O amor perdura. Nós continuamos.” (Página 425)

 

 

Tags: , , , , ,

veja os posts relacionados

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

avatar
  Subscribe  
Notify of