07 maio, 2018

relato de parto

Toda mulher imagina e idealiza o seu parto, eu não fui diferente. Desde que soube que estava grávida eu sempre disse que gostaria que meu parto fosse normal, na hora em que meu bebê estivesse pronto. No entanto, eu orei para que a vontade de Deus estivesse acima da minha, e foi assim mesmo que aconteceu.

Meu parto não foi o que sonhei, mas foi o que Deus preparou para mim. E eu agradeço a ele pela vida e saúde do meu filho. Espero que gostem do vídeo, contei em detalhes como foi o dia 29 de março, o dia em que Benjamin chegou.

23 abr, 2018

A Outra Sra. Parrish, de Liv Constantine


Autora: Liv Constantine

Título Original: The Last Miss Parrish

Editora: HarperCollins

Número de Páginas: 432

Avaliação: 5/5 ♥

Sinopse: Amber Patterson não aguenta mais. Está cansada de ser uma ninguém: uma mulher sem graça e invisível que não se destaca na multidão. Ela merece mais – uma vida de dinheiro e poder como a que Daphne Parrish, a deusa loira dos olhos azuis, tem e não valoriza. Para todos na pequena cidade de Bishops Harbor em Connecticut, a socialite e filantropa Daphne e seu marido Jackson, o magnata do mercado imobiliário, são um casal que parece recém-saído de um conto de fadas. A inveja de Amber poderia consumi-la por dentro… Se ela não tivesse um plano. Amber usa da compaixão de Daphne para se inserir na vida da família – o primeiro passo de um esquema meticuloso para destruí-la. Em pouco tempo, ela se torna a amiga mais próxima de Daphne, vai para a Europa com os Parrish e suas duas belas filhas, e se aproxima de Jackson. No entanto, um fantasma de seu passado pode destruir tudo que ela construiu e, se seu segredo for descoberto, seu plano perfeito pode ir por água abaixo. Com reviravoltas chocantes e segredos tão profundos que te deixarão tentando adivinhá-los até o final da história, A outra Sra. Parrish é um thriller repleto de emoções e completamente viciante, escrito por mãos diabolicamente imaginativas.

A história começa mostrando o perfil de Amber Patterson. Mentirosa nata, muito persuasiva e perspicaz. Se infiltra na vida de Daphne e com seu plano diabólico, vai sorrateiramente destrinchando a vida da “Nova Melhor Amiga”. Em um piscar de olhos, Amber torna-se imprescindível na vida de Daphne. Sempre solícita e humilde, a nova moradora de Bishops Harbor, era mesmo um achado, uma preciosidade que sem levantar suspeitas, estava sempre disposta a ajudar no que fosse preciso.

Li vários thrillers com personagens que possuíam o mesmo comportamento doentio de Amber, adoro esse gênero! Mas, a protagonista criada por Liv Constantine superou alguns desses personagens igualmente distorcidos com louvor. Ela vai além em suas maldades, é cruel, maléfica e tem plena consciência disso.

Na sequência somos apresentados a Daphne Parrish, uma socialite, casada com o multimilionário Jackson Parrish e mãe de duas meninas, Tallulah e Bella. Proprietária da bem sucedida instituição “Sorriso de Julie”, cujo nome foi dado em homenagem a sua falecida irmã, vítima de fibrose cística, Daphne desperta em Amber o audacioso sentimento da cobiça. A misteriosa mulher quer ter o que Daphne tem, quer frequentar os mesmos lugares que Daphne e o mais perigoso de tudo, ela quer ser Daphne.

Amber chega na vida de Daphne de maneira sutil, fazendo parecer que sua  presença não passava de uma grande coincidência ou obra do destino.

“- Ah, meu Deus, Amber. É inacreditável. Estou começando a sentir que foram os céus que nos uniram.

– Parece que era pra ser – respondeu Amber, depois parou por alguns segundos.” (Página 41)

Contudo, ao longo da trama, acompanhamos uma pessoa fria, calculista e absolutamente obcecada pela vida de outra mulher. Sem uma razão aparente, apenas motivada pela inveja do estilo de vida e classe social de sua vítima, Amber estuda minuciosamente todos os passos de Daphne, que por sua vez, recebe a estranha de braços abertos no ceio de sua família, sem saber que estava alimentando uma cobra pronta para dar o bote.

“Daphne era tão boa que ela quase se sentia culpada.” (Página 109)

Foi realmente uma experiência excepcional acompanhar as astúcias de Amber no intuito de se transformar na outra Sra. Parrish. Sua sagacidade e ousadia, tem requintes de psicopatia e extrapolam qualquer limite. Ela é verdadeiramente diabólica e esta disposta a tudo para conquistar seu objetivo.

“Ela não queria um lugar só para ela. Queria o lugar de Daphne.” (Página 222)

Com um plano mirabolante e estratégias dignas dos melhores enxadristas, num enredo insano sobre segredos, mentiras, inveja e traição, as irmãs Constantine nos surpreendem em seu livro de estreia e conduzem a história de maneira genial, deixando seus leitores extasiados a cada página, e a reviravolta final, fecha com chave de ouro esse thriller espetacular!

Super indicado para os fãs de suspense e para aqueles que pretendem se aventurar no gênero, já é um dos meus favoritos. Sensacional!

10 abr, 2018

Antes do Amanhecer


Título Original: Before Sunrise

Título no Brasil: Antes do Amanhecer

Direção: Richard Linklater

Gênero: Romance

Ano de Lançamento: 1995

Sinopse: Jesse (Ethan Hawke), um jovem americano, e Celine (Julie Delpy), uma estudante francesa, se encontram casualmente no trem para Viena e logo começam a conversar. Ele a convence a desembarcar em Viena e gradativamente vão se envolvendo em uma paixão crescente. Mas existe uma verdade inevitável: no dia seguinte ela irá para Paris e ele voltará aos Estados Unidos. Com isso, resta aos dois apaixonados  aproveitar ao máximo o pouco tempo que lhes resta.

 

Sou absolutamente suspeita para falar desse filme, pois sou fascinada por essa história. Fiquei completamente apaixonada pelo casal de protagonistas, Jesse e Celine são puro amor!

Conheci essa obra maravilhosa durante uma madrugada insone no ano de 2001, (percebam a riqueza de detalhes, só uma pessoa apaixonada lembraria o ano em que assistiu um filme pela primeira vez, gente, é amor demais!)

A trama narra a história de Jesse e Celine, dois adolescentes que se conhecem durante uma viagem de trem que mudará completamente suas vidas.

Jesse é um charmoso rapaz americano que procura viver a vida de maneira leve e descontraída. Celine por sua vez, é uma jovem e tímida francesa que esta voltando para casa, de férias da renomada faculdade Sorbonne.

Encantado pela nova amiga, Jesse propõe a Celine que desembarquem em Viena no intuito de se conhecerem melhor. Com aparentemente pouquíssimo em comum, ambos apostam nessa nova amizade e partem rumo ao desconhecido.

Ambientado na encantadora cidade de Viena, na Áustria, essa fascinante obra nos conquista pela delicadeza e profundidade em seus diálogos.

Jesse e Celine passam o longa-metragem inteiro apenas divagando sobre a vida, seus anseios e planos para o futuro, o que torna o romance ainda mais especial.

É importante dizer, que o casal protagonista esta se conhecendo e possui apenas uma noite para isso, logo, os diálogos mais elaborados são de suma importância para o perfeito desenvolvimento da trama.

Apesar do filme não possuir grandes variações, a delicadeza,  as músicas, imagens e o romantismo sutil, dão o tom dessa história, fazendo com que o casal protagonize lindas cenas.

Ethan Hawke e Julie Delpy são perfeitos em suas atuações, é impossível não se apaixonar por esses dois.

Antes do Amanhecer é um filme lindo, poético, de paisagens belíssimas e diálogos geniais. O enredo não possui nenhuma temática extraordinária ou uma história mirabolante. Não, ele é singelo, cru, verdadeiro e se você é fã de romances com diálogos substanciais, certamente vai gostar.

27 mar, 2018

Proibido, de Tabitha Suzuma


Autora: Tabitha Suzuma

Título Original: Forbidden

Editora: Valentina

Número de Páginas: 304

Avaliação: 5/5

Onde Comprar:

Sinopse: Ela é doce, sensível e extremamente sofrida: tem dezesseis anos, mas a maturidade de uma mulher marcada pelas provações e privações da pobreza, o pulso forte e a têmpera de quem cria os irmãos menores como filhos há anos, e só uma pessoa conhece a mágoa e a abnegação que se escondem por trás de seus tristes olhos azuis.

Ele é brilhante, generoso e altamente responsável: tem dezessete anos, mas a fibra e o senso de dever de um pai de família, lutando contra tudo e contra todos para mantê-la unida, e só uma pessoa conhece a grandeza e a força de caráter que se escondem por trás daqueles intensos olhos verdes. 

Eles são irmão e irmã. 

Mas será que mundo receberá de braços abertos aqueles que ousaram violar um de seus mais arraigados tabus? E você, receberia?

A história de amor vivida por Lochan e Maya é muito mais do que o incesto, é antes de tudo a história de dois jovens lutando juntos para criar sozinhos uma família inteira.

“Você pode fechar os olhos para as coisas que não quer ver, mas não pode fechar o coração para as coisas que não quer sentir. (Página 9)

Eles foram abandonados por seu pai logo cedo, enquanto sua mãe divide-se em “encher a cara” e procurar um novo amante (que mulher odiosa!) deixando-os a própria sorte.

Assim, Maya e Lochan foram obrigados desde cedo a tomar as rédeas de suas vidas e cuidar dos irmãos menores, Kit, Tiffin e Willa. Crianças adoráveis, porém cada um numa fase diferente da vida e com seus próprios questionamentos.

Kit por exemplo, é o típico “garoto problema”, que no auge de seus 13 anos e uma ira incontrolável, acabará tomando decisões irreversíveis que afetarão diretamente todos a sua volta. Os dois menores, Tiffin e Willa ainda são muito novos e pouco entendem do que se passa a sua volta.

Ainda falando sobre o “casal”, Maya é mais passional e impulsiva, não diria que ela é irresponsável, muito pelo contrário, ela é absurdamente responsável, só que nesse caso em especial, ela esta sendo levada totalmente pelo amor que sente. Já Lochan é o mais racional da dupla, tanto que chega a dar pena de tanto sofrimento, são tantos questionamentos, tanto medo, tanta dor, que chega a ser angustiante acompanhá-lo.

“- Nós não fizemos nada de errado! Como nosso amor pode ser considerado horrível, quando não estamos fazendo mal a ninguém? Seus olhos descem aos meus, brilhando úmidos na penumbra. – Não sei – sussurra. – Como uma coisa errada pode parecer tão certa?” (Página 131)

Como começar a defender uma história como essa? Como é possível aceitar algo assim? Eu, sinceramente não sei. Porém, apesar dessa leitura tão intensa e insana, ainda não tenho palavras para definir o quanto esse livro me impactou, quantas reflexões e emoções diferentes ele me transmitiu, o quão linda é Maya e seu amor tão transparente e sem medos.

Lochan, que foi me conquistando mesmo com todos os seus conflitos internos, deixando meu coração em pedaços a cada capítulo. As crianças, que deram um toque todo especial a trama e o quanto essa história é impiedosa e ao mesmo tempo tão imaculada.

Não é um livro fácil e definitivamente não é para qualquer pessoa, acredito que é preciso uma dose extra de coragem, desprendimento e acima de tudo, amor, na sua concepção mais pura, para entender, aceitar e até torcer por um relacionamento condenado como esse.

“Mas como explicar ao mundo exterior que Lochan e eu somos irmãos apenas por causa de um acidente biológico?Que nunca fomos irmãos na acepção da palavra, mas sempre parceiros, tendo que criar uma família real à medida que crescíamos? Como explicar que jamais senti Lochan como irmão e sim como algo muito, muito além disso – minha alma gêmea, meu melhor amigo, parte das próprias fibras do meu ser? Como explicar que essa situação, o amor que sentimos um pelo outro – tudo que aos olhos da sociedade pode parecer doentio, pervertido e repulsivo -, para nós é totalmente natural, maravilhoso e …tão certo?” (Página 238)

Não há dúvida de que se trata de um livro perturbador, reflexivo e dilacerante que caminha por linhas tortuosas entre o certo e o errado, o pecador e o pecado. Mas, ao mesmo tempo é doce, emocionante e visceral, fazendo com que valha a pena cada página lida.

Tabitha Suzuma construiu uma história belíssima, fazendo com que seus personagens conquistassem o coração de seus leitores a ponto de deixar o contexto incestuoso de lado e concentrando-se apenas na vida dessa família e no amor desse casal, mesmo que isso não signifique um felizes para sempre.

 

 

20 mar, 2018

Moon Lovers – Scarlet Heart Ryeo

Título Original: Moon Lovers – Scarlet Heart Ryeo

Título no Brasil:  Moon Lovers – Scarlet Heart Ryeo

Emissora: SBS

Gênero:  Drama/Fantasia/Histórico/Romance

Ano de Lançamento: 2016

Sinopse: Durante um eclipse solar, a jovem Go Ha-jin (IU) é transportada para a época em que a Dinastia Goryeo governava a Coréia. Na pele de Hae Soo, ela logo se encontra cercada por membros da realeza e acaba conhecendo o temido e corajoso 4º Príncipe Wang So (Lee Jong Ki). Enquanto os dois se aproximam cada vez mais, a jovem logo se vê imersa em um jogo de intrigas, amor e disputas por poder.

Sou muito fã de dramas asiáticos, especialmente os coreanos, mas nunca havia assistido a uma produção de época. Minha estreia foi com Moon Lovers e acredito que comecei com o pé direito, pois a história é sensacional!

A versão original criada por Tang Hua, deriva de um romance chinês de nome Bubu Jing Xin.

Numa mistura incrível de fantasia e realidade, Moon Lovers contará a história de uma jovem de 25 anos da era moderna, que durante um eclipse solar é transportada para a dinastia Goryeo.

Endividada, sem emprego e sem namorado, Ha Jin esta reclamando da má sorte em sua vida, quando observa um garotinho se afogando e pula na água para salvá-lo.

Neste exato momento, algo inesperado acontece, e durante um eclipse solar, ela é tragada pelas águas e transportada para a dinastia do imperador Taejo no ano de 918.

Lá, ela será Hae So, uma menina de dezesseis anos que emergirá das águas do palácio, onde vivem os lindos príncipes, filhos do rei.

Inicialmente, Hae So ficará confusa, sem entender direito o que esta acontecendo a sua volta. Mas, aos poucos ela vai descobrindo que faz parte daquele universo e tentará se adaptar a nova realidade da melhor maneira possível.

Ela desenvolverá uma forte amizade pela maioria dos príncipes e se apaixonará por dois deles. No começo da história, pelo 8° príncipe Wang Wook e com o passar do tempo, verá seu afeto transformado em amor por Wang So, o temido e corajoso 4° príncipe.

Seu envolvimento com ambos acontece de forma sutil e natural, até porque, não chega a se formar um triângulo amoroso, uma vez que cada romance acontece em períodos diferentes da história.

Baseada em fatos reais, essa série coreana de paisagens belíssimas, figurino impecável e trilha sonora perfeita. Retrata ainda toda a ganância pelo trono de Taejo e as articulações pelo poder.

Repleto de ação, cobiça e batalhas pelo reino, Moon Lovers vai te fazer sorrir, chorar, torcer e se emocionar por todos aqueles personagens maravilhosos.

Terminei de assistir com o coração apertado, triste mesmo pelo fim, e com uma saudade imensa desse enredo lindo, e que apesar de todos os conflitos envolvidos, será uma história que nunca esquecerei. Certamente, foi o melhor K-drama que assisti em 2018, não, ouso dizer que foi um dos melhores K-dramas que já assisti na vida!