mm1 mm2 mm3mm4 mm5 mm6 mm7


7
mar 2017

ARQUIVADO EM: Literatura

Autor: Ranson Riggs

Título Original: Miss Peregrine’s Home for Peculiar Children

Editora: Leya

Número de Páginas: 336

Avaliação: 4/5

Onde Comprar: 

Sinopse: Tudo está à espera para ser descoberto em “O orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares”, um romance que tenta misturar ficção e fotografia. A história começa com uma tragédia familiar que lança Jacob, um rapaz de 16 anos, em uma jornada até uma ilha remota na costa do País de Gales, onde descobre as ruínas do Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares. Enquanto Jacob explora os quartos e corredores abandonados, fica claro que as crianças do orfanato são muito mais do que simplesmente peculiares. Elas podem ter sido perigosas e confinadas na ilha deserta por um bom motivo. E, de algum modo – por mais impossível que possa parecer – ainda podem estar vivas.

O livro vai contar a história de Jacob, um jovem que passou a vida inteira escutando histórias curiosas sobre a vida de seu avô, histórias que o deixaram absolutamente fascinado.

“Eu tinha acabado de aceitar que minha vida seria apenas comum quando coisas extraordinárias começaram a acontecer comigo. A primeira delas foi um choque terrível, dividiu minha vida em duas partes. Antes e depois.

Como muitas coisas extraordinárias que viriam, ela envolveu meu avô, Abraham Portman.” (Página 8) 

Misturando fotografias bizarras e lúdicas, fantasia e realidade, O Orfanato da Srta. Peregrine é um livro verdadeiramente peculiar, e embora não faça parte do meu tipo de leitura habitual, devo confessar que foi bastante interessante acompanhar Jacob nessa aventura surreal.

Entrar naqueles aposentos com ele, ao mesmo tempo em que foi assustador, despertou em mim uma curiosidade fora do comum. Afinal, eu também queria descobrir o que havia acontecido ali, quem eram aquelas crianças e quem era a Srta. Peregrine.

“Será que era isso que meu avô queria que eu encontrasse? É, só pode ser – não as cartas de Emerson, mas uma carta guardada dentro do livro de Emerson. Mas quem era essa diretora escolar, essa Alma Peregrine?” (Página 59)

A proposta do livro é bastante interessante, e mesmo achando os capítulos demasiadamente longos e cansativos, a narrativa é ótima e as ilustrações são belíssimas, até as imagens mais estranhas, tinham o seu valor.

“- Não quero ser rude, mas o que são essas pessoas? – Perguntei.

– Nós somos peculiares – respondeu, soando um pouco intrigado.

– Você não é?

– Não sei. Acho que não.

– É uma pena.” (Página137)

A ideia de mesclar fantasia e realidade, incluindo fotografias curiosas e macabras (que o autor afirma serem reais!), deram a história ainda mais credibilidade. 

Com um enredo original e um romance surpreendente, O Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares, é um livro tenso e cheio de mistério, que prende o leitor do início ao fim, o transportando para um mundo fantástico, fazendo com que ele não queira mais voltar para a realidade.

Finalizo afirmando que gostei do livro, não amei, mas, para aqueles que estão à procura de uma leitura misteriosa, com toques sobrenaturais e um visual sombrio, esse livro é perfeito!



28
jun 2016

ARQUIVADO EM: Literatura

Anna Vestida de SangueAnna #1
Autor:
Kendare Blake
Título original:
 Anna dressed in blood
Editora: Verus
Número de páginas:
252
Avaliação: 
4/5
Onde comprar: Amazon | Americanas | Saraiva | Submarino

Após a morte brutal de seu pai, Cas Lowood decidiu seguir seus passos e continuar o trabalho. Cas é um caça-fantasma, e sua missão é caçar e matar todos os fantasmas que vagam por ai, usando seu poderoso punhal, herança de seu pai. Ele está acostumado a viajar de cidade em cidade, juntamente com sua mãe (uma bruxa do bem) e um gato farejado de espíritos, para cumprir suas missões. Cas sempre conseguiu realizar seu trabalho com sucesso, e quando recebe o aviso para a sua próxima missão, está tranquilo e confiante. O fantasma da vez é conhecido como Anna Vestida de Sangue, uma garota de dezesseis anos que morreu em 1958, e a partir dai assombra a casa onde vivia, matando todos aqueles que ali ousam entrar.

“Mover, caçar e matar. Como espuma, enxague e repita.”

Cas investiga a história de Anna, e acaba aparecendo na casa dela, com alguns dos seus novos colegas. Quando Anna mata o colega de Cas, mas poupa sua vida, o caçador percebe que Anna é diferente dos outros fantasmas que ele já encontrou, e que assim como Anna poupou sua vida, ele também está disposto a saber mais sobre a garota e poupá-la da morte.

Kendare Blake me surpreendeu bastante, nunca tinha ouvido falar da autora, mas fui fisgada por sua narrativa envolvente e real. Anna é raivosa, violenta e sanguinária, e a autora deixa isso bem claro. Vamos entendendo um pouco mais do que aconteceu com ela, o que me causou profundo espanto e nojo. Anna não é assim porque quer, ela foi levada à isso. Cas está decidido a seguir o legado de seu pai, e assim que possível se vingar do fantasma que o matou. 

“Eu não tenho a minha faca”, murmuro.

“Não comece isso”, diz Anna. Ela caminha para longe de mim bruscamente.

“Arthur sem Excalibur ainda era Arthur.”

O relacionamento de Cas e Anna é envolvente, a dinâmica dos dois é tao real que quase esquecemos que Anna é um fantasma –  de certa forma maligno -, e torcemos para que eles consigam resolver os problemas, e quem sabe ficar juntos. 

Os personagens secundários são ótimos, gostei muito de como eles acabam se tornando uma equipe, mesmo Cas não querendo. A amizade se desenvolve de uma maneira bastante convincente. O vilão também merece seu destaque, sua maldade é real. E por falar nisso, Kendare Blake não poupa algumas descrições de mortes, é um livro adolescente, mas de maneira bem crua e realista. 

Anna vestida de sangue é um versão jovem da série Supernatural (não no sentido de cópia da trama, pois elas são bem diferentes), foi fácil imaginar Cas como uma versão jovem de Sam ou Dean. Gostei muito do desenvolvimento, e o final conseguiu ser mesmo assustador. Fiquei muito empolgada e quero muito ter o segundo (e provavelmente) último livro em mãos logo! 

Se você curte uma boa aventura sobrenatural, Anna vestida de sangue é o livro certo para você. Recomendo!



13
fev 2015

ARQUIVADO EM: Literatura

Amamanhã-quando-a-guerra-começouanhã #1 – Quando a Guerra começou

Autor: John Marsden

Editora: Fundamento

Número de páginas: 253

Avaliação: 4.5/5

Ellie e mais seis amigos decidem acampar durante alguns dias em um local chamado Inferno que, de acordo com a lenda popular, era o abrigo do Eremita – um homem que matou toda a sua família.

“Não, o Inferno não tinha a ver com lugares. O Inferno tinha a ver com as pessoas. Talvez o Inferno fossem as pessoas.” (Pág. 44)

Durante o acampamento, nada de muito empolgante acontece, a leitura pode ser até um pouco arrastada. Os sete amigos praticamente comem e dormem. No entanto, quando eles retornam e encontram a cidade deserta, as casas saqueadas e vários de seus animais mortos, a narrativa se transforma, ficando totalmente intensa e arrebatadora.

Os jovens ficam desesperados pois suas famílias sumiram, e logo percebem que a pequena cidade de Wirrawee foi tomada por um exército inimigo. Eles precisam rapidamente decidir se vão lutar ou se entregar. 

A história é contada em primeira pessoa por Ellie, ela na verdade está escrevendo uma espécie de diário dos eventos. Ainda que tudo se desenrole pelo ponto de vista de Ellie, John Marsden conseguiu com que nos aproximássemos de todos os personagens, entendendo suas dores e reações. É incrível o quanto eles amadurecem do começo ao final do livro. 

“Eu havia bloqueado todas as minhas emoções, pois não houvera tempo de me dar ao luxo de ser emotiva. Mas é como dizem: se você represa uma emoção, ela vai acabar estourando, uma hora ou outra. E as minhas emoções acumuladas já estavam transbordando.” (Pág. 147)

A distopia criada em Amanhã, Quando a Guerra Começou é totalmente crível, e possível. Acho que de tudo que já li no gênero, é o que mais se aproxima da nossa realidade atual, e isso torna tudo ainda mais brilhante. É importante salientar que eles são adolescentes que estão sozinhos sem nenhuma supervisão, eles não são super-heróis e nem tem estratégias de batalhas, só querem sobreviver e salvar suas famílias. Eles vão vivendo a situação dia após dia, inclusive interesses amorosos existem. E olha, eu achei o romance bem justificado, acontecendo de forma gradual. 

São sete personagens, e cada um foi criado com muito cuidado e detalhes. Fui arrebatada pela trama e lamentei profundamente quando o livro terminou, e eu não tinha o segundo em mãos. O final é bem tenso e emocionante. 

Preciso dizer que sou APAIXONADA pela diagramação dos livros da Editora Fundamento. O capricho é evidente. A capa tem o titulo em relevo, e todas as páginas internas tem detalhes de ilustrações. 

Amanhã, Quando a Guerra Começou, é o primeiro de uma saga com sete livros. É uma leitura tocante e cheia de adrenalina, que vi fisgar o leitor e fazê-lo analisar diversos pontos. Acima de tudo é uma história sobre coragem, amizade e perseverança. Recomendo com toda a certeza, e já quero todos os livros, para ontem. 






ilustrações design e desenvolvimento