mm1 mm2 mm3mm4 mm5 mm6 mm7


8
nov 2016

ARQUIVADO EM: Literatura

Autor: Liane Moriarty
Título original: 
Big Little Lies
Editora:
Intrínseca
Número de páginas:
400
Avaliação: 5/5  

Onde comprar:  Amazon | Americanas | Saraiva | Submarino

Sinopse: Madeleine é forte e passional. Separada, precisa lidar com o fato de que o ex a nova mulher, além de terem matriculado a filhinha no mesmo jardim de infância da caçula de Madeline, parecem estar conquistando também sua filha mais velha. Celeste é dona de uma beleza estonteante. Com os filhos gêmeos entrando para a escola, ela e o marido bem-sucedido têm tudo para reinar entre os pais. Mas a realeza cobra seu preço, e ela não sabe se continua disposta a pagá-lo. Por fim, Jane, uma mãe solteira nova na cidade que guarda para si certas reservas com relação ao filho. Madeleine e Celeste decidem fazer dela sua protegida, mas não têm ideia de quanto isso afetará a vida de todos.

A história começa rodeada de mistério, pois logo no início percebe-se que algo muito grave aconteceu naquela escola na noite do concurso de perguntas. E é nesse clima de suspense que nos são apresentadas as protagonistas: Madeleine, Celeste e Jane.

“O som do canto das crianças no segundo andar do prédio sempre a fazia chorar. Ela nunca acreditara em Deus, salvo quando ouvia crianças cantando.” (Página 13)

Três donas de casa aparentemente comuns, que vivem e trabalham para manter seus filhos e família a salvo de qualquer problema. Madeleine tenta lidar com seu ex marido e a atual esposa voltando para sua vida e de sua filha Abigail.

Celeste é casada, bem sucedida e mãe de lindos filhos gêmeos que junto da amiga Madeleine, decide ajudar a novata Jane, recém chegada a cidade, a se adaptar aos novos costumes.

“Em um instante, ela estava andando direitinho, e, no seguinte, pisou em falso, virando o tornozelo em um ângulo terrivelmente errado […] Esse foi, quase com certeza, o instante em que a história começou.” (Página 20)

No entanto, alguma coisa aconteceu naquela noite na escola, todos comentam, todos questionam, mas ninguém expressa verdadeiramente o que houve de fato, ninguém sabe de nada, ninguém viu nada.

“As crianças formavam uma turma maravilhosa, e os pais não estavam sendo muito irritantes. Mas então, na metade do primeiro trimestre, tudo desmoronou.” (Página 191)

Contudo, nas tramas escritas por Liane Moriarty, ninguém é totalmente mocinho ou vilão, nada é calmo e tranquilo como aparenta, e as reviravoltas até chegar ao clímax dão o tom de suas obras. Nesse livro, a autora traz a tona temas polêmicos que merecem ser abordados e discutidos a exaustão.

Pequenas Grandes Mentiras conta a história dessas três mulheres, cada uma diante de um impasse, cada uma tentando a seu modo sobreviver na selva de pedra em que se transformou a sociedade em que vivem, onde as aparências enganam e nem tudo é o que parece ser.

“Isso pode acontecer com qualquer um.” (Página 397)

Finalizo a resenha parafraseando a publicação justíssima da people magazine que diz: “Expor os defeitos do que parece ser perfeito é a especialidade de Liane Moriarty.”

O canal a cabo HBO, anunciou a criação de uma minissérie baseada no livro de Liane Moriarty. Big Little Lies, que ainda não tem data de estreia definida, terá Nicole Kidman, Reese Witherspoon e Shailene Woodley nos papéis principais. A minissérie chega à tela da HBO em 2017.

big-little-lies-serie



16
ago 2016

ARQUIVADO EM: Literatura

DepoisDeVoceAutor: Jojo Moyes
Título original:
After You
Editora: 
Intrínseca
Número de páginas:
320
Avaliação: 
4/5
Onde comprar: Amazon | Americanas | Saraiva | Submarino

ATENÇÃO: A sinopse e resenha desse livro contém spoiler do livro anterior (Como eu era antes de você)

Sinopse: Lou Clark tem muitas perguntas. Por que acabou indo trabalhar no bar de um aeroporto, onde passa o expediente inteiro observando outras pessoas voarem para novos lugares?

Por que o apartamento onde mora há um ano ainda não parece um lar?

A família será capaz de perdoá-la pelo que ela fez dezoito meses antes?

Algum dia ela vai superar ter perdido o amor de sua vida?

Mas o que Lou sabe com certeza é que as coisas precisam mudar.

Até que uma noite, uma pessoa desconhecida bate à sua porta.

Será que ela tem as respostas que Lou procura…ou apenas mais perguntas?

Se Lou fechar a porta, a vida vai continuar igual: simples, ordenada, segura.

Se abrir, estará arriscando tudo.

Lou prometeu que continuaria viva. E se vai cumprir isso, terá que convidar essa pessoa a entrar…

Demorei para engrenar nessa leitura, não que o livro seja ruim, apenas não me sobrava tempo ou disposição de me envolver em qualquer história.

Mas, uma coisa é certa, Jojo Moyes sabe escrever e mesmo que seus romances levem algumas boas páginas para que o leitor se apegue, depois que isso acontece é praticamente impossível largar.

Foi o que aconteceu com Depois de você. A continuação da história de Lou me pareceu meio parada no começo, pois eu pensava: – Como é que a autora vai fazer para continuar um romance sem um dos lados envolvidos? A ausência de Will era muito presente em vários momentos do livro e até certo ponto eu não estava entendendo nada, confesso.

“- Você não me deu uma vida, deu? De jeito nenhum. Só acabou com a minha antiga. Desfez em pedacinhos. O que eu faço com o que sobrou? Quando é que vai parecer… – Abro os braços, sentindo na pele o ar fresco da noite, e percebo que estou chorando outra vez.” (Página 13)

Nesse segundo livro encontramos uma Louisa triste, estagnada, sem rumo na vida após todos os acontecimentos passados. Ela mora em um pequeno apartamento comprado com o dinheiro que Will deixou e trabalha em um pub no aeroporto, local que odeia por sinal. Lou esta sem perspectiva e sem vontade de mudar isso, para amenizar a falta de Will ela começa a frequentar uma espécie de grupo de apoio ao luto, o Seguindo em Frente, lá ela conhece várias pessoas especiais, dentre elas Jack e Sam, e a história desses dois personagens mudará sua vida por completo.

“ – Tenha um noite agradável – murmurei, recordando as palavras do Grupo Seguindo em Frente. Permita-se momentos de felicidade.” (Página 138)

Ao longo da história, Lou também será apresentada a Lily, uma adolescente problemática que no fundo só quer um pouco de atenção e carinho.

Essa sequência, apesar de não ser tão boa quanto o primeiro livro, é uma experiência de leitura válida e mesmo que eu não tenha me emocionado com essa história, Lou Clark continua sendo uma das melhores personagens já criadas.

Com um enredo interessante, denso e cheio de emoção, Jojo Moyes mais uma vez prova seu talento como autora ao nos apresentar de maneira tão peculiar a continuação da história de Lou Clark e Will Traynor

Por isso, se você gostou de Como eu era antes de você, vale a pena dar uma chance para essa leitura e saber como Louisa Clark conseguiu superar a perda de Will e seguir em frente.

 “Eu não ia parar de chorar por Will, nem de amá-lo, nem de sentir falta dele, mas minha vida parecia ter aterrissado de volta no presente.” (Página 297) 



2
ago 2016

ARQUIVADO EM: Literatura

capa-extraordinarioAutor: R. J. Palácio

Título Original: Wonder

Editora: Intrínseca

Número de Páginas: 320

Avaliação: 5/5

Onde Comprar: Amazon

Sinopse: August Pullman, o Auggie, nasceu com uma síndrome genética cuja sequela é uma severa deformidade facial, que lhe impôs diversas cirurgias e complicações médicas. Por isso, ele nunca havia frequentado uma escola de verdade – até agora. Todo mundo sabe que é difícil ser um aluno novo, mais ainda quando se tem um rosto tão diferente. Prestes a começar o quinto ano em um colégio particular em Nova York, Auggie tem uma missão nada fácil pela frente – convencer os colegas de que, apesar da aparência incomum, ele é um menino igual a todos os outros.

Auggie é uma criança adorável que na inocência de seus 10 anos de idade, nos mostra como enfrentar as adversidades impostas pela vida. A história de Auggie me fez lembrar uma frase de O Livro do Bem, que diz assim: “Aceite o que não pode mudar. Mude o que não pode aceitar.”

 

É exatamente isso que Extraordinário nos ensina, a aceitar o novo, o diferente, a aceitar aquilo ou aquele que não esta de acordo com os padrões, especialmente os padrões estéticos.

No caso de Auggie, o grande responsável por essa mudança foi um maravilhoso professor chamado Sr. Browne, que com seus preceitos, mudou significativamente a vida de seus alunos.

“Preceito de Setembro do Sr. Browne:

Quando tiver que escolher entre estar certo e ser gentil, escolha ser gentil.” (Página 55)

A história de Auggie é sensacional, ele é um menino verdadeiramente extraordinário pelos mais variados motivos.

 

Narrado pelo protagonista, seus familiares e amigos, Extraordinário é um livro tocante que nos ensina sobretudo a aceitar o outro, seja do jeito que for, tenha ele a aparência que tiver.

Outro personagem que me encantou profundamente, foi a irmã mais velha de Auggie, Via. Fiquei extremamente tocada com o seu relato sobre a convivência com um irmão especial. Seu primeiro capítulo no livro é meu preferido.

“Depois que você vê alguém passando por isso, parece loucura reclamar por não ter ganhado o brinquedo que pediu ou porque sua mãe perdeu a peça da escola. Aprendi isso aos seis anos. Ninguém nunca me disse. Eu simplesmente soube. Então me acostumei a não reclamar e a não incomodar meus pais com coisas sem importância.” (Página 89)

Extraordinário é um livro apaixonante, de escrita encantadora e inesquecível, é daqueles livros para levar para a vida toda. Simplesmente demais!

“Toda pessoa deveria ser aplaudida de pé pelo menos uma vez na vida, porque todos nós vencemos o mundo.” (Página 313)

Parece que Extraordinário vai mesmo parar nas telonas! Em julho de 2016, a editora intrínseca anunciou que a Lionsgate, produtora responsável pela adaptação do livro, deu início as filmagens em Vancouver, no Canadá, e devem durar cerca de quatro meses.

Extraordinário terá no elenco Jacob Tremblay (O Quarto de Jack), Julia Roberts, Owen Wilson e Daveed Diggs. O filme tem estreia prevista para abril de 2017.  



3
maio 2016

ARQUIVADO EM: Literatura

Autoum-presente-da-tiffanyr: Melissa Hill
Editora: Intrínseca
Número de páginas:
336
Avaliação: 
3/5
Onde comprar: Amazon | Americanas | Saraiva | Submarino

Sinopse: Véspera de Natal na Quinta Avenida: dois homens estão comprando presentes para as mulheres que amam. Gary quer dar para a namorada, Rachel, uma pulseira de berloques. Em parte, como agradecimento por ela ter pagado a viagem a Nova York durante as festas de fim de ano, mas principalmente porque ele deixou, como sempre, tudo para a última hora. Enquanto isso, Ethan está procurando algo mais especial — um anel de noivado para Vanessa, a mulher que conseguiu levar felicidade à sua vida e à de sua filha depois da morte da primeira esposa, que ele amava tanto. A vida desses dois casais acaba se cruzando por acidente. Quando as sacolas de compras dos dois homens se misturam sem que ninguém perceba, Rachel ganha o anel de noivado que seria de Vanessa, e encontrar a joia para entregá-la à sua legítima dona revela-se uma tarefa mais complicada do que Ethan imaginava. Será que o destino tem algo inesperado reservado para os casais? Ou será a magia da Tiffany que está no ar?

Um presente da Tiffany me chamou à atenção imediatamente, a sinopse convidativa e a capa linda e delicada me ganharam. Dois homens, dois presentes bem distintos, duas sacolas trocadas e muita confusão! Mais atrativo impossível né?

Ethan é um professor viúvo, pai da pequena Daisy, de oito anos.  Ele viveu um amor muito intenso pela esposa, e quando a perdeu ficou completamente devastado. Agora ele tem um relacionamento estável com Vanessa, uma mulher muito querida, que demonstra amar Daisy como se fosse sua própria filha. O professor então decide que é hora de dar um grande passo no relacionamento, e compra para Vanessa um belíssimo anel de Noivado da Tiffany.

Gary é um machão arrogante, que só pensa em si mesmo. Apesar de não estar em um bom momento financeiro, ele sai para fazer compras em Nova York e ao final do dia percebe que ainda não comprou um presente de Natal para sua namorada Rachel. Sendo assim, ele entra na Tiffany e escolhe o presente mais barato que encontra, uma singela pulseira de berloques. Ele não quer compromisso nenhum, está satisfeito com o relacionamento da maneira que está, e uma pulseira é totalmente não comprometedora.

No entanto, quando Ethan e Gary em meio à um acidente, acabam trocando suas sacolas, a história muda de figura. Gary se vê noivo de Rachel – que não poderia estar mais exultante com a notícia -, e Ethan percebe que a noite especial vai ter que esperar um pouco mais, até que ele consiga o anel de volta.

“Não era estranho que o anel não coubesse no dedo de Vanessa e ficasse perfeito no de Rachel?”

A trama gira em torno da busca desesperada de Ethan pelo anel e da ilusão de Rachel, que acredita estar noiva de um homem romântico que pensou no noivado com muito carinho. Confesso que minhas expectativas eram altas demais, e acabei não gostando tanto assim da história.

Para começar, Ethan não conta para Vanessa o que aconteceu, ele prefere inventar um monte de desculpas esfarrapadas enquanto tenta ter seu preciso anel de volta. Fiquei muito irritada com isso, não tinha a menor necessidade! Sim, entendo que ele pretendia fazer uma surpresa e tudo o mais, mas deixar Vanessa desconfiada e insegura não foi uma boa ideia. Eu entendo que o valor do anel tinha sido alto, mas ele poderia ter pensado em algo romântico e feito o pedido mesmo assim! Essa com certeza não é a base de um relacionamento feliz.

Gostei muito de Rachel, apesar de sua inocência excessiva. Ela é mulher forte, que junto com sua sócia (e melhor amiga) Terri criou o Stromboli, um aconchegante bistrô que serve quitutes caseiros e comida mediterrânea. Terri está cansada de saber que Gary é um folgado, e que um anel de brilhantes da Tiffany com certeza não faria parte dos planos do namorado da amiga. Gostei muito dessa personagem.

“[…] mas o que havia de pouco realista em querer dividir a vida com um homem tranquilo e honesto?”

Outra personagem que merece destaque é Daisy, uma garota esperta e carinhosa, que cuida do pai com o maior carinho. Como perdeu a mãe muito cedo, Daisy teme que algo aconteça com seu pai, então faz de tudo para que ele seja feliz e tenha uma vida saudável. 

O livro é narrado em terceira pessoa, com o foco principal em Ethan, mas dando espaço aos outros personagens em determinados momentos. A narrativa de Melissa Hill é fluída e muito agradável, conclui a leitura em pouco tempo. Amor, amizade, confiança e luto são alguns dos temas abordados pela autora, com muita competência. O final é cheio de reviravoltas, e nas ultimas páginas descobrimos situações paralelas que mudam totalmente o rumo da história. 

Apesar de não ter sido o meu preferido, foi uma leitura agradável e consegui aceitar o final (que é bem clichê, mas pelo menos faz sentido. Recomendo a leitura, mas sem expectativas ou grandes pretensões. 🙂



15
mar 2016

ARQUIVADO EM: Literatura

A vingança dos seteOs legados de Lorien #5
Autor:
Pittacus Lore

Editora: Intrínseca
Número de páginas: 

Avaliação: 
5/5
Onde comprar: Amazon | Americanas | Saraiva | Submarino

Esse é o quinto livro da série Os Legados de Lorien, se você não leu os livros anteriores, essa resenha pode conter spoilers

Essa série está com certeza entre as minhas preferidas, sei que muitos não gostam, mas John e sua turma ganharam o meu coração desde o primeiro livro. 

O que mais me atrai aqui é a velocidade com que as coisas acontecem, a ação é constante e os dramas diminuíram bastante (Sarah não é mais tão chatinha quanto no inicio). No final do livro anterior – A Queda dos Cinco -, a Garde precisou se dividir, John, Sarah, Sam, Malcolm e Ella ficaram na casa do Nove e os demais partiram em uma missão. As coisas dão muito errado, Ella é sequestrada pelos Mogadorianos e temos a perda de um Garde. Tudo graças a traição (já esperada por mim) de um membro da Garde. 

Um novo aliado aparece na história, Adam é um Mogadoriano, mas que não é como os outros. Ele ajudou Malcolm enquanto esse estava preso, e o reencontro veio em boa hora, o conhecimento de Adam sobre os Mogs será muito bem utilizado. Através de três narrativas diferentes, vamos conseguir ter uma visão geral dos acontecimentos. Com John vamos ver a adaptação de Adam à equipe, e descobrir se ele é mesmo confiável, com a Seis, vamos ver as dificuldades que eles enfrentaram em sua missão, e as reações de Marina (A Sete) à todos os acontecimentos, e por fim, através de Ella vamos descobrir um pouco mais sobre os planos de Setrákus Ra, já que a garota está sendo mantida em uma das naves Mogadorianas, na orbita da Terra.

“- Olhe por esse lado – sussurra Sam quando vai até os outros. – Humanos, lorienos, mogs… temos o primeiro encontro das Nações Unidas Intergaláticas aqui. É um acontecimento histórico.” (Sam, melhor pessoa)

Os Mogadorianos vão mesmo invadir a terra, isso é um fato concreto. A Garde agora precisa descobrir como evitar isso, como destruir Setrákus Ra e salvar a humanidade, que agora também é o lar deles. Nos livros anteriores, já tivemos dicas de que os mogs estavam infiltrados, em cargos do governo e etc. Em A Vingança dos Sete isso fica bem claro, e John vai ter a ajuda do FBI (a agente Walker retorna), já que ela não está a fim de trabalhar para os mogs. 

Os amigos mais uma vez precisam se separar, são muitas possibilidades e muitas missões que precisam ser feitas ao mesmo tempo. Essa dinâmica sempre me agrada muito, todos os personagens são igualmente importantes, então não importa como eles estejam divididos, eu sempre amo acompanhar o que está rolando.

A partir do livro três, Os legados de Lorien tomou um lugar gigante no meu coração, lamento muito que apenas o primeiro livro tenha sido adaptado nos cinemas, acredito que as continuações seriam muito mais empolgantes, risos. Além de toda a adrenalina e revelações da trama, o final me surpreendeu MUITO. O que acontece foi totalmente inesperado (pelo menos para mim) e agora não consigo conter a minha curiosidade. \o/

Já tenho o próximo volume – O Destino da Número Dez, e ao que tudo indica, vai ser o penúltimo livro da série, vou lê-lo em breve. O sétimo volume, United as One, está previsto para junho de 2016 no exterior.

E ai, quem também curte essa série? 😀



25
jan 2016

ARQUIVADO EM: Literatura

Como-eu-era-antes-de-voceTítulo Original: Me Before You
Autor: Jojo Moyes
Editora: Intrínseca
Páginas: 320
Avaliação: 5/5 
Onde comprar: Amazon | Americanas | Saraiva | Submarino

Sinopse: Aos 26 anos, Louisa Clark não tem muitas ambições. Ela mora com os pais, a irmã mãe solteira, o sobrinho pequeno e um avô que precisa de cuidados constantes desde que sofreu um derrame. Sua vidinha ainda inclui o trabalho como garçonete num café de sua pequena cidade – um emprego que não paga muito, mas ajuda com as despesas – e o namoro com Patrick, um triatleta que não parece muito interessado nela. Não que ela se importe.
Quando o café fecha as portas, Lou é obrigada a procurar outro emprego. Sem muitas qualificações, consegue trabalho como cuidadora de um tetraplégico. Will Traynor tem 35 anos, é inteligente, rico e mal-humorado. Preso a uma cadeira de rodas depois de ter sido atropelado por uma moto, o antes ativo e esportivo Will agora desconta toda a sua amargura em quem estiver por perto. Sua vida parece sem sentido e dolorosa demais para ser levada adiante. Obstinado, ele planeja com cuidado uma forma de acabar com esse sofrimento. Só não esperava que Lou aparecesse e se empenhasse tanto para convencê-lo do contrário.
Uma comovente história sobre amor e família, Como eu era antes de você mostra, acima de tudo, a coragem e o esforço necessários para retomar a vida quando tudo parece acabado.

Sempre que alguém dizia o quanto esse livro era lindo eu ficava na dúvida, sem saber se iria gostar ou não. Depois de muitas recomendações resolvi lê-lo, e foi uma das leituras mais maravilhosas que já fiz. Esse é o segundo livro que leio da autora (o primeiro foi A última carta de amor), e Jojo Moyes se tornou uma das minhas autoras queridinhas. 

Will Traynor era um homem ativo, de 35 anos, realizado no trabalho e apaixonado por aventuras. Quando é atropelado por uma moto, Will se torna tetraplégico e passa a depender de auxílio 24 horas por dia. Por ser um homem cheio de vigor e independente, Will não consegue aceitar sua nova condição, e se torna fechado e amargurado.

Louisa Clark tem 26 anos, trabalha em um café, mora com os pais e tem um relacionamento, morno, de 7 anos com Patrick, um aspirante à atleta muito motivado. Louisa gosta de sua vida como ela é, e não tem nenhuma pretensão para o futuro. Quando o café onde trabalha fecha, Louisa se vê totalmente desamparada, e acaba aceitando um emprego de cuidadora, sem ter a menor experiência. 

O paciente em questão é Will, que está na cadeira de rodas há dois anos. De inicio Will faz de tudo para deixar claro que a presença de Louisa não é bem-vinda, mas no decorrer dos dias Louisa conquista o carinho de Will e uma linda amizade acaba nascendo. Will não se conforma com o comodismo de Louisa e faz de tudo para mostrar à ela que ela precisa desejar mais da vida, que ela é inteligente o suficiente para isso. E ao mesmo tempo, Louisa transforma os dias de Will, mostrando o lado bom das pequenas coisas. 

O contrato de Louisa é de apenas seis meses, e quando descobre a verdadeira razão por traz desse curto contrato Louisa percebe que precisa fazer ao máximo para mudar os pensamentos de Will, e evitar que o pior aconteça.

Jojo Moyes descreve com maestria e extrema sensibilidade as dificuldades que os cadeirantes enfrentam. É tudo tão real, que eu conseguia me imaginar no lugar do Will, compartilhando seu sofrimento e indignação. As limitações, a falta de solidariedade e o preconceito são bastante abordados. Além disso, Jojo Moyes enfatiza o amor, o relacionamento familiar e o poder de uma amizade.

“E sabe o que? Ninguém quer ouvir esse tipo de coisa. Ninguém quer ouvir você falar que está com medo, ou com dor, ou apavorado coma possibilidade de morrer por causa de alguma infecção aleatória e estúpida. Ninguém quer ouvir sobre como é saber que você nunca mais fará sexo, nunca mais comerá algo que você mesmo preparou, nunca vai segurar seu próprio filho nos braços. Ninguém quer saber que às vezes me sinto claustrofóbico estando nesta cadeira que tenho vontade de gritar feito louco só de pensar em passar mais um dia assim”.

Will Traynor não está apenas impedido de se movimentar, a tetraplegia acarreta diversos outros problemas, tornando sua saúde frágil. Confesso que eu nunca tinha parado para pensar em como se sente um tetraplégico, Jojo Moyes mexeu com os meus sentimentos

Louisa e Will se completam, sem que eles sequer percebam um vai mudando a vida do outro. É completamente apaixonante ver o quanto essa relação vai se transformando. A leitura é agradável e fluída, sendo narrado em primeira pessoa, por Louisa. Eu li em um único dia, e preciso dizer que o final estilhaçou o meu coração, ao mesmo tempo em que ensinou coisas lindas sobre a vida. A sensibilidade da autora em abordar temas tão delicados me comoveu, e me arrancou tantas lágrimas! Achei que não fosse conseguir parar de chorar, e mesmo agora, quando escrevo essa resenha, sinto um aperto no peito e uma vontade de chorar novamente. <3

“Estou lhe dando isso porque poucas coisas ainda me fazem feliz, e você é uma delas”. “É isso. Você está marcada no meu coração, Clark. Desde o dia em que chegou, com suas roupas ridículas, suas piadas ruins e sua total incapacidade de disfarçar o que sente. Você mudou a minha vida (…)”.

Como eu era antes de você foi uma leitura memorável,  Will Traynor e Louisa Clark vão ficar eternizados em meu coração, e sua história sera sempre lembrada por mim. Fico feliz em saber que em breve teremos a adaptação cinematográfica, com Sam Clafin e Emilia Clarke nos papeis principais. 

Se você ainda não, por favor, leia!



22
dez 2015

ARQUIVADO EM: Literatura

A-espada-do-verão- Livros-e-blablablaMagnus Chase e os deuses de Asgard #1
Autor: Rick Riordan                 
Editora: Intrínseca
Número de páginas: 439

Avaliação: 4,5/5
Onde comprar: Amazon | Americanas | Saraiva | Submarino

Sinopse: A vida de Magnus Chase nunca foi fácil. Desde a morte da mãe em um acidente misterioso, ele tem vivido nas ruas de Boston, lutando para sobreviver e ficar fora das vistas de policiais e assistentes sociais. Até que um dia ele reencontra tio Randolph – um homem que ele mal conhece e de quem a mãe o mandara manter distância. Randolph é perigoso, mas revela um segredo improvável: Magnus é filho de um deus nórdico. As lendas vikings são reais. Os deuses de Asgard estão se preparando para a guerra. Trolls, gigantes e outros monstros horripilantes estão se unindo para o Ragnarök, o Juízo Final. Para impedir o fim do mundo Magnus deve ir em uma importante jornada até encontrar uma poderosa arma perdida há mais de mil anos. A espada do verão é o primeiro livro de Magnus Chase e os deuses de Asgard, a nova trilogia de Rick Riordan, agora sobre mitologia nórdica.

Magnus Chase vive nas ruas de Boston. Ele fugiu no dia em que sua mãe morreu, em um incêndio suspeito – onde ele jura ter ouvido o barulho de lobos -, e desde então se vira como pode. O garoto tem dois amigos, Blitz e Hearth, que também são moradores de rua e estão sempre ajudando Magnus no que ele precisa.

Na noite do seu aniversário de 16 anos, Magnus descobre que sua prima Annabeth Chase e seu tio o estão procurando, o que não faz sentido nenhum, já que se passaram dois anos desde o seu desaparecimento. Decidido a entender o que está acontecendo, Magnus invade a casa de seu outro tio, Randolph, o qual sua mãe sempre pediu que ele mantivesse distância.  Randolph é um homem perturbado, e assim que encontra Magnus começa a dizer que o garoto é filho de um deus Nórdico e que precisa resgatar uma antiga espada, que pertenceu ao seu pai. 

Quando menos se espera Magnus está em meio a uma batalha, envolvendo um gigante poderoso, que precisa da Espada do Verão para realizar seu plano (a espada que Magnus acabou de resgatar). Depois de uma luta intensa, com a participação inusitada de Hearth e Blitz, Magnus morre (o que definitivamente não é spoiler, fiquem tranquilos).

“Disseram que todo mundo sonha, que eu só não lembrava dos meus. Mas afirmo: dormir para mim sempre foi como estar morto. Até eu estar mesmo morto. Aí, sonhei como uma pessoa normal.”

Após sua morte, Magnus acorda em Valhala, um hotel para guerreiros que morreram com honra em batalha. Esses heróis são escolhidos para integrar o exército de Odin, e lutar no Ragnarök (o juízo final da mitologia nórdica). Quem escolhe e leva esses heróis para Valhala são as valquírias, semideusas selecionadas por Odin para essa missão. A valquíria responsável por Magnus é Samirah.

A missão de Magnus é reencontrar a espada do verão – que ele encontrou, mas perdeu no mesmo dia em que morreu -, evitar que o gigante coloque as mãos na espada e impedir que o temido lobo Fenrir seja liberto, e dê inicio ao Ragnarök. E para isso, ele vai contar com a ajuda de Samirah, Blitz e Hearth que não na verdade são um anão e um elfo, respectivamente, e que durante todo o tempo em que viveram nas ruas, estavam ali para protegê-lo. 

“Finalmente, paramos em frente à porta onde estava escrito MAGNUS CHASE.

Ao ver meu nome gravado em ferro, rodeado de runas, comecei a tremer. Minhas últimas esperanças de que tudo aquilo fosse um erro, uma pegadinha de aniversário ou uma confusão cósmica evaporaram. O hotel estava me esperando. Tinham escrito meu nome corretamente e tudo.”

As histórias de Rick Riordan sempre me agradam, ainda que ele use muitos elementos parecidos, para mim é sempre uma novidade. A Espada do Verão me agradou bastante, por se tratar de um mitologia totalmente desconhecida por mim (os filmes de Thor não servem para conhecermos a mitologia) e por ter personagens com características tão diversas. Magnus é loiro e se parece com o Kurt Cobain, Samirah é muçulmana e usa um hijab, Blitz é um anão negro e apaixonado por moda e Hearth é surdo e se comunica com linguagem de sinais. A melhor equipe.  

A narrativa é deliciosa, repleta de humor e reviravoltas. Riordan, como sempre, valoriza a amizade e companheirismo, Magnus e seus amigos fazem de tudo uns pelos outros. Os vilões tem características interessantes, e nunca se sabe quem realmente é mal, ou quais as suas motivações verdadeiras. As tramas de Riordan sempre se conectam em algum momento, e já que Annabeth é prima de Magnus, provavelmente essa ligação será ainda mais explorada (e acho que Percy pode aparecer em algum momento). Temos profecias, poucos dias para realizar a missão e muita aventura, o que nas mãos de Rick Riordan é sempre um sucesso. Sem contar as referências atuais, como Taylor Swift e Arrow. 

Por ser o primeiro livro – de uma nova saga, o conteúdo é um tanto introdutório, o que torna algumas partes mais lentas, mas nada exagerado ou desestimulante. Se você curte o gênero, com certeza é uma boa pedida, recomendo COM CERTEZA! Já estou ansiosa para ter em mãos o segundo volume da trilogia – Magnus Chase e o Martelo de Thor, ainda sem previsão de lançamento. 



14
dez 2015

ARQUIVADO EM: Literatura

Vida e MorteAutor: Stephenie Meyer
Título original: 

Editora: Intrínseca
Número de páginas: 
391
Avaliação: 
5/5
Onde comprar: Amazon | Americanas | Saraiva | Submarino

Sinopse: Quando Beaufort Swan se muda para a sombria cidade de Forks e conhece a misteriosa e sedutora Edythe Cullen, a sua vida dá uma volta emocionante e aterrorizadora. Com a sua pele de porcelana, olhos dourados, voz hipnotizante e dons sobrenaturais, Edythe é ao mesmo tempo irresistível e enigmática. O que Beau não percebe é que, quanto mais se aproxima dela, mais se coloca a si mesmo, e àqueles que o rodeiam, em risco. E pode ser demasiado tarde para voltar atrás…

Para comemorar o décimo aniversário de Crepúsculo, Stephenie Meyer escreveu Vida e Morte, uma reimaginação ousada e fascinante da icônica história de amor, que irá surpreender e fascinar os leitores. Esta dupla edição especial inclui um prefácio da autora, bem como o romance original.

Sou fã da série Crepúsculo, preciso começar a resenha dizendo isso. Tendo isso em mente, é normal imaginar que fiquei MUITO empolgada quando soube que Stephenie Meyer estaria fazendo uma edição comemorativa, dos 10 anos de lançamento do primeiro livro (lá nos EUA). No entanto, quando eu soube que essa edição comemorativa contaria a história de Crepúsculo, mas com o gênero dos personagens trocados, fiquei muito receosa, achei que Stephenie pudesse estragar uma história tão bacana. Que bom que eu estava enganada.

Bella agora é Beau, e Edward é Edythe. Com exceção de Reneé e Charlie, todos os personagens tiveram seus gêneros invertidos. A base da trama é exatamente a mesma: Beau se muda para Forks, para morar com o pai – com quem não tem tanto contato assim – e no novo colégio conhece a enigmática Edythe Cullen. Ele fica extremamente envolvido pela garota, que parece não sentir o mesmo por ele. Edythe esconde um segredo muito importante (que todo mundo sabe o que é hahaha)

Ainda que a trama seja a mesma, existem muitas diferenças, que ao meu ver ficaram sensacionais! Beau não é tão dramático quanto Bela, ele ama Edythe, mas é menos complicado que sua versão feminina. A autora conseguiu narrar de uma maneira que realmente pareça um garoto. Edythe e Beau são engraçados, sério. O clima é de bom humor, os diálogos são mais divertidos. Não existe aquele clima de eterno drama que o original tinha, o que é muito bom. \o/

Vida e Morte ganhou o meu coração e me agradou muito mais do que eu esperava, foi incrível reconhecer as características dos meus personagens queridos, em gêneros diferentes. E para os que perguntaram, sim, o final tem as suas mudanças. Já quero as continuações!! (Continuações que de acordo com a Meyer, não vão existir).

Gostei muito da edição da Intrínseca, mas gostaria que tivesse a versão separada também. A capa é linda, só lamentei que o ISBN ficou bem no meio da capa do Vida e Morte. Recomendo a leitura COM CERTEZA, se você, assim como eu, é fã da saga vai amar muito. E se você não curtiu tanto assim, é bem provável que tenha uma experiencia melhor com essa versão. <3



31
out 2015

ARQUIVADO EM: Literatura

JoãoEMariaAutor: Neil Gaiman
Ilustrador: Lorenzo Mattotti
Título original: 
Hansel & Gretel

Editora: Intrínseca
Número de páginas: 
56
Avaliação: 
4/5
Onde comprar: Amazon | Americanas | Saraiva | Submarino

Sinopse: O prestigiado escritor Neil Gaiman e o brilhante ilustrador Lorenzo Mattotti se encontram para recontar o clássico João e Maria. Familiar como um sonho e perturbador como um pesadelo, o conto narra a saga de dois irmãos que, em tempos de crise e falta de esperança, são abandonados pelos próprios pais e precisam enfrentar com coragem os perigos de uma floresta sombria.

Em um texto poético, Gaiman revive a tradição dos contos de fada, dando profundidade à aventura dos irmãos, mas sem abandonar a autenticidade e o talento único de mesclar realismo e fantasia que o transformaram em um dos maiores autores de sua geração. Mattotti, por sua vez, dá um ar inteiramente novo ao clássico. Seus traços criam um jogo de luz e sombra, permitindo que o leitor desvende aos poucos a imagem, assim como os segredos da história de João e Maria.

Um dos meus “contos de fada” favorito é João e Maria, acho incrível a maneira como os irmãos lutam pela própria vida, sozinhos, mesmo sendo tão jovens. Quando soube que a Intrínseca publicaria essa edição maravilhosa, com as ilustrações de Lorenzo Mattotti e texto de Neil Gaiman, fiquei muito empolgada. Gaiman é brilhante, e apesar de ter lido pouca coisa do autor, já me encantei por sua escrita.

joao-e-maria-1

De inicio achei a história exatamente igual ao que eu já conhecia, não percebi nenhuma mudança feita pelo autor. Mas depois, lendo com mais atenção, pela segunda vez (são apenas 56 páginas, intercaladas com ilustrações maravilhosas), percebi que Neil Gaiman deu sim seu toque especial. As crianças são abandonadas pelo lenhador, mas não a mando de uma madrasta ruim, e sim da própria mãe, que não sabe mais como lidar com a fome devido às guerras. A dona da casa de doces não é exatamente uma bruxa, e sim uma velhinha que vive isolada, e com fome. Neil Gaiman fala, de maneira sutil, sobre a guerra, a fome e o canibalismo.

joao-e-maria-2

Ainda assim, gostaria que tivesse um pouco mais de desenvolvimento, cenários, emoções e etc. Gostei muito da maneira que foi executado, mas não acharia ruim se houvessem mais páginas. 

As ilustrações enchem os olhos, são obscuras, aterrorizantes e parecem estar em movimento (pelo menos eu achei, risos), me senti completamente envolvida na história. Ao final do livro, temos um resumo sobre a verdadeira origem da história de João e Maria. Recomendo!

joao_e_maria_3

A edição da Intrínseca está simplesmente maravilhosa, o livro é em capa dura, as folhas são mais resistente e a diagramação encantadora. Vale a pena com certeza! O autor deu uma entrevista sobre o livro, que pode ser conferida aqui:



26
out 2015

ARQUIVADO EM: Literatura

Os legados deA-Queda-dos-Cinco Lorien #4
Autor:
Pittacus Lore
Editora: Intrínseca
Número de páginas: 

Avaliação: 
5/5
Onde comprar: Amazon | Americanas | Saraiva | Submarino

Esse é o quarto livro da série Os Legados de Lorien, se você não leu os livros anteriores, essa resenha pode conter spoilers

MUITO amor por essa série, é sem dúvidas uma das minhas preferidas. Ela é cheia de altos e baixos? Sim. O primeiro livro é o menos interessante? Sim (pelo menos para mim). Mas A Queda dos Cinco é sensacional e vale muito a pena! O meu preferido da série, sem dúvidas.

A trama continua de onde parou, a batalha contra Setrakus Rá foi difícil e eles tiveram algumas perdas, agora os membros da Garde estão reunidos em Chicago, na luxuosa cobertura de Nove. Eles não sabem o paradeiro de Sam Goode (o humano e melhor amigo de John/Quatro), mas Sam continua refém dos Mogadorianos.

John (Quatro), Seis, Nove, Oito, Marina (Sete) e Ella entendem que a calmaria é momentânea, mas eles ainda estão um tanto quanto perdidos, e não sabem o que fazer. Quando Sam consegue fugir dos Mogadorianos (com a ajuda de uma pessoa MUITO especial) e reencontra seus amigos, eles começam a se preparar para o próximo confronto, com treinos físicos e criação de planos e estratégias. Sarah também se prepara como pode, ela sabe que por ser humana consequentemente é mais fraca, mas não está disposta a ser uma presa fácil. É muito bom ver o amadurecimento dos personagens, John se colocou como um verdadeiro líder, e Sarah não é mais uma donzela em perigo.

Uma das metas da Garde é resgatar o número Cinco, o único que falta para completar a Garde. Cinco não é uma pessoa fácil de lidar, e Nove – com sua personalidade explosiva – não se dá com o novo integrante logo de imediato.  Cinco parece não conhecer os perigos que os rondam, e nem como utilizar os seus legados (que por sinal, são bem interessantes).

Os humanos tem uma participação muito especial, Sam, Sarah e o outro humano (que não posso dizer quem é, para não estragar a surpresa) ajudam demais os membros da Garde, eu diria que eles são indispensáveis. A narrativa intercala os pontos de vista de John, Marina e Sam e isso sempre me agrada bastante. Como eles são adolescentes, que tiveram criações diferentes, e estão todos reunidos no mesmo ambiente, temos algumas situações engraçadas, brigas desnecessárias e um pouquinho de imaturidade, – que é perfeitamente normal. Mas fica bem claro o quanto eles estão dispostos a cuidar um do outro, e que não são apenas um “time”, e sim uma verdadeira família.

“Acordo de repente e me sento, rígido, em uma cama que não é minha. Entendo de imediato que voltei a realidade, e a dor causticante da nova cicatriz em meu tornozelo foi capaz de me acordar. Mas, esperai… aquele pesadelo não era real, eu não deveria ter a cicatriz. E mesmo assim sinto a pele queimada, ardendo, em carne viva, a dor é penetrante.”

O foco definitivamente não é o romance, mas ele foi inserido sim, de uma maneira que me agradou bastante. A ação é constante, os personagens não tem tempo para descanso. Quando menos se espera, o ataque acontece. Nesse volume entendemos melhor o que aconteceu em Lorien, como foi a vinda deles para a Terra. Os pesadelos de Ella, as desconfianças e os problemas de relacionamento nos levam para um final inesperado e explosivo. Confesso que uma determinada situação me deixou com lágrimas nos olhos, e com muita raiva do autor. A escolha que John precisa fazer no final me emocionou também, foi a prova final de sua “humanidade” e amizade, ainda que isso possa ter graves consequências. John ganhou, finalmente, a minha simpatia sincera. 

A Queda dos Cinco é um livro sensacional, que muda o ritmo da trama e a leva para um novo nível. Preciso da continuação IMEDIATAMENTE. Recomendo com toda a certeza!






ilustrações design e desenvolvimento