Posts arquivados em Tag: Editora Novo Conceito

21 mar, 2017

As Violetas de Março, de Sarah Jio

Apegados.indd Autora: Sarah Jio

Título Original: The Violets of March

Editora: Novo Conceito

Número de Páginas: 304

Avaliação: 5/5

Onde Comprar:

 

Sinopse: Emily Taylor é uma mulher jovem e escritora de sucesso, mas não gosta muito de seu próprio livro. Também tem um casamento que parece ideal, no entanto ele acabará em divórcio. Sentindo que sua vida perdeu o propósito, Emily decide fazer as malas e passar um tempo em Bainbridge – a ilha onde morou quando menina – para tentar se reorganizar. Enquanto busca esquecer o ex-marido e, ao mesmo tempo, arrumar material para um novo – e mais verdadeiro – livro, um antigo colega de escola e o namorado proibido da adolescência tornam-se seus companheiros frequentes. Entretanto, o melhor parceiro de Emily será um diário da década de 1940, encontrado no fundo de uma gaveta. Com o diário em mãos, Emily sentirá o estranhamento e a comoção causados pela leitura de uma biografia misteriosa que envolve antigos habitantes da ilha e que tem muito a ver com sua própria história. Assim como as violetas que desabrocham fora de estação para mostrar que tudo é possível, a vida de Emily Taylor poderá tomar um rumo improvável e cheio de possibilidades. As Violetas de Março é um romance sobre a força do amor, sobre as peças que o destino prega e sobre como podemos ser felizes mesmo quando tudo parece conspirar contra a felicidade.

Com um trecho da delicada canção de Tom Jobim, As Águas de Março, a autora nos conduz à história de Emily, uma escritora renomada que após ter o coração partido pelo marido, resolve seguir rumo a Baindridge, uma pequena cidade localizada no estado de Washington, a pedido de sua tia Bee, buscando resgatar sua inspiração e um novo sentido para sua vida.

“Bee acredita que o estuário de Puget tinha imenso poder de cura. E eu sabia que, quando lá chegasse, ele me encorajaria a tirar os sapatos e a ir vadear, mesmo se fosse uma hora da manhã” (Página 24)

Chegando lá, Emily reencontra amores do passado e pessoas que fizeram parte de sua vida durante a infância. Contudo, o surgimento misterioso de um caderno de veludo vermelho em seu quarto, é o enigma que a intriga no momento, fazendo com que a célebre escritora comece uma minuciosa investigação sobre aqueles personagens da década de 1940, mesmo que as palavras contidas no velho diário não fizessem sentido algum para ela.

“Porque uma história de 1940, de alguém sobre quem eu nada sabia, teria qualquer relevância para minha vida? Como seria possível? Nada daquilo fazia sentido, mas em algum lugar em meu coração eu estava começando a sentir que talvez fizesse.” (Página 200)

Nessa empreitada, Emily descobrirá segredos do passado que mudarão completamente sua vida. Conhecerá a si mesma e entenderá que o verdadeiro amor esta traçado e que o destino é seu maior aliado.

“Deixo-lhe um pensamento, um pensamento sobre o amor que me levou a passar por muitos fracassos: o grande amor perdura ao tempo, à magoa e a distância. E mesmo quando tudo parece perdido, o verdadeiro amor vive. Sei disso agora, e espero que você também.” (Página 276)

Finalizo esta resenha completamente encantada com Sarah Jio, por nos apresentar sua primeira história de maneira tão comovente e arrebatadora. As Violetas de Março, é sem dúvida, um livro inesquecível, cativante e encantador.

Se você esta a procura de um romance em que o destino é quem dita as regras e almas gêmeas se reconhecem. Esse livro é para você!

 

13 set, 2016

Por Toda a Eternidade, de Kristin Hannah

Firefly Lane #2
Autor:
Kristin Hannah
Título original:
Fly Away
Editora:
Novo Conceito
Número de páginas:
400
Avaliação: 
5/5
Onde comprar: Amazon | Americanas | Saraiva | Submarino

Atenção: A sinopse e resenha desse livro contém spoiler do livro anterior (Amigas para Sempre).

Sinopse: Tully Hart é uma mulher ambiciosa, movida por grandes sonhos que, na verdade, escondem as lembranças de um passado de abandono e dor. Ela acredita que pode superar qualquer coisa ao esconder bem fundo os sentimentos de rejeição que carrega desde a infância…Até que sua melhor amiga, Kate Ryan, morre. Então, tudo começa a mudar para Tully, que se vê escorregando em um precipício cheio de memórias melancólicas e remédios para dormir.

Dorothy Hart ou nuvem, como era conhecida nos anos 1970, está no centro do trágico passado de Tully. Ela abandonou a filha repetidas vezes na infância. Até que as duas se separam de uma vez por todas.

Aos dezesseis anos, Marah Ryan ficou devastada pela morte da mãe, Kate. Embora seu pai e seus irmãos se esforcem para manter a família unida.

Marah transformou-se numa adolescente rebelde e inacessível em sua dor. Tully tenta aproximar-se de Marah mas sua incapacidade de lidar com os sentimentos da afilhada acaba empurrando a menina para um relacionamento infeliz com um rapaz problemático.

A vida dessas duas mulheres está intimamente ligada, e a maneira como elas vão rever seus erros e acertos constrói um romance comovente sobre o amor, a maternidade, as perdas e o novo começo. Onde há amor, há perdão…

No primeiro livro, Amigas para Sempre, nós somos apresentados a linda história de amizade entre Tully Hart e Kate Mularkey. Como elas se conheceram, seu cotidiano e a transição da adolescência à fase adulta com todas as descobertas e crises existenciais.

Em Por toda a Eternidade, nós acompanhamos a dor dos personagens e a tentativa de se reerguer após a inestimável perda de Kate.

“Minha mãe aperfeiçoara a arte de me abandonar e passei toda a minha infância fingindo que a verdade era uma mentira. Somente com Kate fui honesta.” (Página 63)

Tully e os integrantes da família Mularkey/Ryan terão obstáculos a transpor muito maiores do que poderiam imaginar, e é nessa jornada, que cada um embarcará numa viagem em busca de autoconhecimento e amor.

“Comecei cedo, agarrando-me firme demais e precisando de muita coisa. Sempre ansiei por amor. Do tipo incondicional e até mesmo imerecido.

Precisava que alguém dissesse para mim. Não é para parecer coitadinha, mas minha mãe nunca me disse. Nem minha avó. Não havia mais ninguém…” (Página 217)

Este é um livro sobre perdas, recomeços, amor e perdão. Kristin Hannah consegue mais uma vez nos emocionar com suas palavras e nos fazer refletir sobre a vida, o passado e o futuro.

“Sempre que você ouvir nossa música ou rir alto, vou estar lá. Quando você fechar seus olhos à noite e se lembrar, vou estar lá.”(Página 386)

Por Toda a Eternidade conta uma história sobre como seguir em frente quando estamos emocionalmente perdidos e fragilizados, e autora está mais uma vez de parabéns pelo lindo enredo e comovente desfecho. Leitura mais do que recomendada.

26 jan, 2015

Vermelho como o sangue – Salla Simukka

vermelhoTrilogia Branca de Neve – Livro 01

Autora: Salla Simukka

Editora: Novo Conceito

Número de páginas: 240

Avaliação: 3/5

Sinopse: No congelante inverno do Ártico, Lumikki Andersson encontra uma incrível quantidade de notas manchadas de vermelho, ainda úmidas, penduradas para secar no laboratório de fotografia da escola. Cédulas respingadas de sangue.
Aos 17 anos, Lumikki vive sozinha, longe de seus pais e do passado que deixou para trás. Em uma conceituada escola de arte, ela se concentra nos estudos, alheia aos flashes, à fofoca e às festinhas dominadas pelos garotos e garotas perfeitos.
Depois que se envolve sem querer no caso das cédulas sujas de sangue, Lumikki é arrastada por um turbilhão de eventos. Eventos que se mostram cada vez mais ameaçadores quando as provas apontam para policiais corruptos e para um traficante perigoso, conhecido pela brutalidade com que conduz os seus negócios.
Lumikki perde o controle sobre o mundo em que vive e descobre que esteve cega diante das forças que a puxavam para o fundo. Ela descobre também que o tempo está se esgotando. Quando o sangue mancha a neve, talvez seja tarde demais para salvar seus amigos. Ou a si mesma.

 

Lumikki tem 17 anos, estuda em uma escola de Artes e mora longe da família. Ela é uma garota “estranha”, que não gosta de contato com outras pessoas e se sente muito mal quando é tocada.

Um dia, ela entra no laboratório de fotografia da escola e encontra muitas cédulas de dinheiro penduradas secando. As cédulas ainda estão sujas de sangue. Depois disso, ela acaba se metendo em uma confusão gigantesca, cheia de mafiosos, drogas e perseguições.

Confesso que não fui conquistada pelo livro. A história que deveria ser (pelo menos eu achava que sim, e vários outros leitores também), uma releitura de Branca de Neve, pouco se refere ao conto. Apenas o nome da personagem – Lumikki – que em finlandês, é Branca de Neve. Além disso, não vi grandes referências  ao clássico.

O livro é narrado em terceira pessoa e achei a personagem problemática demais. Ela tem apenas 17 anos, mora longe do pais e não aguenta ter ninguém por perto, não tem um bom relacionamento com pessoa nenhuma. Em nenhum momento da história a autora explica o motivo desse comportamento de Lumikki, mas, acredito que seja algo referente ao passado, e que será revelado nos próximos livros.

O livro em si não é ruim, mas quando acabou fiquei com cara de “????”. Tem sim algum suspense, tem perseguição, mas a história realmente não me conquistou. Os capítulos são curtos e o livro também, então, a leitura acaba sendo bem rápida.

O que realmente me agradou no livro, foi a capa, que é perfeita. No início de todos os capítulos, tem a imagem de manchas de sangue, mas em algumas páginas, algumas letras estão apagadas. Infelizmente, deve ter acontecido algum erro no momento da impressão.

 Como se trata de uma trilogia, os nomes dos próximos livros serão:

2 – Branco Como a Neve

3 – Preto Como o Ébano

Se você gosta de suspense, recomendo a leitura, desde que não crie expectativas demais.

01 dez, 2014

Aconteceu em Veneza – Molly Hopkins

Aconteceu em Veneza – Evie Dexter #2 
Autor: Molly Hopkins

Editora: Novo Conceito
Número de páginas: 464

Avaliação: 4/5

Sinopse: Bem-vindo a Veneza, a Cidade do Amor. Ele traiu, mas foi uma única vez! Evie Dexter prometeu perdoar seu noivo, Rob e todos os esforços para absolvê-lo de seus pecados estão valendo a pena: nos últimos 10 dias, ela só o chamou de cafajeste 11 vezes. Graças aos céus, sua carreira de guia de turismo está indo muito bem. Evie já conheceu a elegante Dublin, a estilosa Marrakech e a descolada Amsterdã. Quando é convidada para visitar, com todo o luxo e glamour, a sensual cidade de Veneza, com seu vinho delicioso e os italianos impetuosos, ela agarra a oportunidade com unhas e dentes. Se você está à procura de romance, já encontrou o seu destino: embarque em Aconteceu em Veneza, viaje com Evie e tente responder a esta pergunta: o que você faria se estivesse no lugar dela?
Se você não leu o primeiro livro “Aconteceu em Paris” (resenha aqui), cuidado! Esta resenha pode conter spoilers.
Depois de Evie ter perdoado a traição de Rob, e de ter passado um tempo sofrendo e deixando seus amigos loucamente preocupados, ela decide aceitá-lo de volta, perdoando e aceitando seu pedido de noivado.
Rob, que no primeiro livro era um doce de pessoa, neste segundo livro passou a ser um chato e grosseirão com a melhor amiga de Evie. Mesmo com Evie, ele se tornou autoritário demais, dando ordens o tempo todo, querendo proibi-la de trabalhar no bar do Nikki (seu amigo) e querendo que ela se desfaça do apartamento que até então, dividia com sua amiga Lulu.
E quando Evie menos imagina, lá vem mais uma bomba! Rob apronta mais uma. Na verdade, ele sempre escondeu de Evie, um grande detalhe, o que faz com que mais uma vez, ela se sinta arrasada.
É neste momento que surgem os amigos, que fazem de tudo para tirá-la mais uma vez, do fundo do poço.
Neste livro, tem a presença de John, um milionário super temido por todos na empresa onde Evie trabalha, que de uma certa forma a adota. Cuida muito bem dela. Confesso que fiquei meio “desconfiada” do interesse de John por ela, principalmente pelo fato de ele a cobrir de presentes.
Mas também foi nesse momento que senti um pouco de raiva de Lulu. Porque mesmo que se preocupe muito com Evie, ela a instiga para que se jogue de cabeça em um relacionamento com John, interessada em seu dinheiro. Achei que neste momento, ela foi super insensível com Evie, que ainda estava muito frágil por conta de tudo o que aconteceu com Rob.
E então, de uma forma inesperada, Nikki entra em cena se relevando apaixonado por Evie. Confesso que no primeiro livro, ao ver a forma carinhosa com que ele a tratava, achava que ele tinha uma quedinha por ela, mas não imaginei que a autora fosse seguir por esta linha no segundo livro. E foi nisso que o livro me ganhou.
Gostei muito da forma como a autora tramou o encontro de Nikki com Evie em Veneza. Depois, no final do livro, um dos amigos revela a ela quem colaborou para que isso acontecesse. Achei muito legal a forma como fizeram para que o encontro entre eles se realizasse e Nikki pudesse se declarar.
Não sei se a autora vai escrever mais livros sobre a série. Acho que esse segundo livro está de bom tamanho. Mesmo o título do livro sendo “Aconteceu em Veneza”, o tema do livro só faz sentido em quase mais da metade da leitura. Até então, a história se passa em Londres.
A capa deste segundo livro está menor pior que a primeira. Porque menos pior? Porque ainda acho que a montagem da capa não faz jus à história.
Mas é um livro que vale a pena ser lido. Tem drama, tem diversão. É um chick-lit super divertido, com personagens super engraçados. Alguns a gente sente vontade de socar (como foi o caso do Rob), mas que são necessários para que a trama se torne perfeita. Indico a leitura!
31 out, 2014

Boneca de Ossos – Holly Black

Boneca de Ossos
Autor:  Holly Black
Editora: Novo Conceito – #irado
Número de páginas: 224

Avaliação:  4/5

Sinopse: POPPY, ZACH E ALICE sempre foram amigos. E desde que se conhecem por gente eles brincam de faz de conta – uma fantasia que se passa num mundo onde existem piratas e ladrões, sereias e guerreiros. Reinando soberana sobre todos esses personagens malucos está a Grande Rainha, uma boneca chinesa feita de ossos que mora em uma cristaleira. Ela costuma jogar uma terrível maldição sobre as pessoas que a contrariam. Só que os três amigos já estão grandinhos, e agora o pai de Zach quer que ele largue o faz de conta e se interesse mais pelo basquete. Como o seu pai o deixa sem escolha, Zach abandona de vez a brincadeira, mas não conta o verdadeiro motivo para as meninas. Parece que a amizade deles acabou mesmo…
Poppy, Zach e Alice adoram brincar juntos, inventando histórias, vivendo em um mundo de faz de conta, representando personagens.
E na casa de Poppy, na cristaleira de sua mãe, vive um boneca de porcelana, chamada Eleanor. E ao mesmo tempo que sentem medo da Eleanor, também se sentem atraídos por ela, sentindo uma curiosidade enorme sobre a história dessa boneca de aparência tão assustadora.
Pela idade em que se encontram, eles começam a ter muitas cobranças. O pai de Zack é o que mais cobra o filho, e um dia, ao chegar em casa, Zack descobre que seu pai jogou toda sua coleção de bonecos no lixo. E com isso, passa a pressioná-lo a deixar de brincar com Poppy e Alice, incentiva a prática de esportes e a tomar atitudes mais maduras. Zack se sente envergonhado e por um tempo se afasta das amigas.
Mas, depois de um sonho, em que Eleanor revela que é feita de ossos e restos mortais e pede que as crianças encontrem seu túmulo para que ela possa, finalmente, descansar em paz, Poppy convoca os amigos para realizarem o desejo de Eleanor.
– Você sabia que a porcelana de osso tem ossos de verdade? – Poppy disse, batendo em uma bochecha de porcelana. – A argila dela foi feita com ossos humanos. Ossos de menininha. Esse cabelo trançado pelo crânio é o cabelo da garotinha. E o corpo da boneca está cheio do que restou das cinzas dela.
Boneca de Ossos é narrado em terceira pessoa e a leitura flui de forma fácil e totalmente envolvente. Fiquei super curiosa para chegar ao final da história e descobrir o que realmente aconteceu com Eleanor, a boneca de ossos, conhecida em seu mundo como a Grande Rainha.
A autora conseguiu representar de forma bem clara e direta o amadurecimento precoce, os conflitos que as crianças passam durante a transição da infância para a adolescência. Me senti super nostálgica relembrando da minha infância, as brincadeiras, o mundo da imaginação.
Adorei a capa de Boneca de Ossos, as ilustrações são muito bonitas e por ser curtinho, o livro pode ser lido rapidamente. Os personagens foram muito bem construídos, a trama é perfeita, muito inteligente. A história tem mistério, romance, aventura e também terror. Confesso que em alguns momentos senti um pouco de medo da boneca.

Meu filho de 9 anos também leu e adorou. É um livro recomendado para todas as idades.
E porque não fazer isso hoje, dia de Halloween? 😉