mm1 mm2 mm3mm4 mm5 mm6 mm7


31
out 2017

ARQUIVADO EM: Literatura

 

Autor: Gillian Flynn

Título Original: Sharp Objects

Editora: Rocco

Número de Páginas: 300

Avaliação: 5/5

 

Sinopse: A vida da solitária Camille Preaker em Chicago resume-se a escrever matérias para a editora de polícia do jornal Daily Post, beber vodca além da conta e torturar-se pelo passado que deixou para trás na pequena Wind Gap, sua cidade natal. É para lá que seu editor a envia em busca de um furo de reportagem. Naquela comunidade ao sul do Missouri, um serial killer faz de crianças suas vítimas.

Camille Preaker é uma repórter investigativa que se vê sem alternativas ao ser enviada de volta a sua cidade natal por seu chefe em busca de um furo de reportagem. Presa ao passado e aos traumas de infância, ela precisa ter coragem para enfrentar seus medos.

“Eu me corto, sabe? Também retalho, fatio, gravo, espeto…Sou um caso bem especial. Tenho uma razão. A minha pele, sabe, ela grita. É repleta de palavras – cozinhar, bolinho, bichano, cachos – como se uma criança de primeira série manuseando uma faca tivesse aprendido a escrever em minha carna.” (Página 75)

Lembranças de uma adolescência conturbada vem à tona, fazendo com que Camille descubra aos poucos o que a levou a se automutilar durante a vida, ao mesmo tempo em que investiga as misteriosas mortes das adolescentes em Wind Gap.

“Wind Gap é assim. Todos conhecemos os segredos uns dos outros, e todos os usamos.

– Que beleza de lugar… ” (Página 91)

No entanto, nada, absolutamente nada nos prepara para as páginas finais desse tenebroso enredo e seu desfecho sensacional.

Na própria carne é uma história de amor e dor, amor colérico, amor doentio, daqueles que fere, machuca e até mata se preciso for.

“Não me importaria em revelar as histórias de Wind Gap a Richard. Não sentia qualquer fidelidade especial para com a cidade. Foi aqui que minha irmã morreu. foi o lugar onde comecei a me cortar. Uma cidade tão sufocante e pequena que todos os dias você esbarra com alguém que detesta. Gente que sabe coisas a seu respeito. É o tipo de lugar que deixa marcas.” (Página 93)

Com personagens intrigantes e surpreendentes, a autora está de parabéns por presentear seus leitores com essa obra incrível.

“Ás vezes, se você deixa uma pessoa fazer uma coisa com você, na verdade é você que esta fazendo com a pessoa.” (Página 298)

Relançado em 2015 com o título de Objetos Cortantes, este é o romance de estreia da magnífica Gillian Flynn.



4
mar 2013

ARQUIVADO EM: Literatura

Autor: Gillian Flynn                       

Editora: Intrínseca 
Número de páginas: 443
Avaliação: 4/5
 
Na manhã do seu quinto aniversário de casamento Nick Dunne recebe a ligação de um vizinho em seu trabalho, sua casa está com a porta escancarada, e ao que parece não há ninguém lá dentro. Confuso, Nick volta para casa, chegando lá ele percebe que todos os móveis estão revirados, a mesa de vidro está quebrada, o ferro de passar ainda está ligado e não há o menor sinal de sua esposa. Amy simplesmente sumiu.
A partir daí uma investigação tem inicio e a vida de Nick e Amy é revirada. Nick é um bom rapaz, um jornalista que buscava um lugar ao sol. Logo que sua mãe teve o diagnóstico de câncer confirmado, ele se mudou com a esposa para a pequena cidade de North Carthage, a fim de cuidar da mãe e também de buscar novos ares, já que acabava de ser demitido. Seu relacionamento com o pai – um homem perturbado e que aparenta detestar todas as mulheres do mundo- é conturbado, ele o odeia, seu único alento é a irmã gêmea Margot, por quem tem um carinho imenso.
Amy Ellyot Dunne é filha única. Seus pais são psicólogos infantis e enriqueceram ao escreverem uma série de livros totalmente inspirada em sua filha, a série Amy Exemplar. Ainda que eles neguem, tudo que é escrito ali é baseado no que Amy faz, ou no que ela deveria fazer. A profissão de Amy é criar testes para revistas femininas, sua mente é brilhante e perspicaz. Mudar-se para North Carthage e deixar a vida confortável que tinha em Manhattan não estava em seus planos.
Afinal de contas, o que de fato aconteceu com Amy? Ela está viva? Foi assassinada? As evidências apontam para Nick, e quando diário de Amy é encontrado as coisas se complicam ainda mais. 
***
Garota Exemplaré um thriller de tirar o fôlego. Gillian Flynn destrincha um relacionamento entre marido e mulher e constrói perfis psicológicos densos e intrincados.
A narrativa em primeira pessoa se divide entre Nick, que narra o chamado “O dia do” – a partir do desaparecimento da esposa -, e o os relatos do diário de Amy, que vão de 2005 a 2012. Através dessa narração vamos entendendo a história, o relacionamento de Amy e Nick. O bacana dessa mudança de ponto de vista, é que você fica na eterna dúvida, “quem de fato esta falando a verdade”? Além da troca de narrativa, o livro é divido em três partes, é a partir da segunda parte que a trama sofre uma reviravolta violenta, que me deixou ainda mais alucinada. 
O livro não se restringe apenas ao casal central, temos os pais de Amy, a irmã de Nick, os dois policiais que investigam o caso e diversas outras pessoas que em algum momento acabam se tornando suspeitos também. Confesso que na metade do livro eu já conseguia visualizar – um pouco – a verdade da trama, descobri pouco antes das coisas serem realmente expostas. Mas, isso não impediu que eu fosse surpreendida. Gillian Flyyn, através de uma narrativa ágil e fluída, nos explica porquê as coisas são daquela forma, o que fez com que cada um agisse daquela maneira. Amy e Nick são tão bem construídos, tão detalhados e cheios de nuances que fiquei impressionada. Cheguei a sentir arrepios. 
A autora nos leva a analisar a seguinte questão: “Você REALMENTE conhece a pessoa que está ao seu lado? Você colocaria sua mão no fogo por ela?”. Afinal de contas, acho que nós nunca vamos realmente conhecer 100% os nossos parceiros (as), meu marido e eu estamos juntos há oito anos, mas a cada dia descubro uma nova faceta dele, uma nova característica que antes eu não havia notado.  
Garota Exemplar só não leva máxima pelo seu final, para mim decepcionante. Eu não conseguia acreditar que depois de TUDO o que aconteceu, “aquele” personagem teria aquela atitude. Fui obrigada a reescrever o último capitulo em minha mente (desculpa aí Gillian). Claro que é bem provável que muitos de vocês achem o final ótimo e muito cabível, até torço para isso, mas para mim infelizmente não foi. Eu queria sair distribuindo chacoalhões e gritando “faça alguma coisa!!”. Entretanto, o brilhantismo do livro talvez esteja justamente em despertar essa fúria no leitor, essa vontade de mudar a história e fazer justiça, quem sabe. 
Se você curte um bom thriller, carregado de suspense e com personagens com mentes perversas e desequilibradas, Garota Exemplar certamente é a leitura certa para você. Vale a pena.

 PS: Ainda hoje a promoção do livro + marcador entra no ar, fiquem ligados!






ilustrações design e desenvolvimento