mm1 mm2 mm3mm4 mm5 mm6 mm7


7
mar 2017

ARQUIVADO EM: Literatura

Autor: Ranson Riggs

Título Original: Miss Peregrine’s Home for Peculiar Children

Editora: Leya

Número de Páginas: 336

Avaliação: 4/5

Onde Comprar: 

Sinopse: Tudo está à espera para ser descoberto em “O orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares”, um romance que tenta misturar ficção e fotografia. A história começa com uma tragédia familiar que lança Jacob, um rapaz de 16 anos, em uma jornada até uma ilha remota na costa do País de Gales, onde descobre as ruínas do Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares. Enquanto Jacob explora os quartos e corredores abandonados, fica claro que as crianças do orfanato são muito mais do que simplesmente peculiares. Elas podem ter sido perigosas e confinadas na ilha deserta por um bom motivo. E, de algum modo – por mais impossível que possa parecer – ainda podem estar vivas.

O livro vai contar a história de Jacob, um jovem que passou a vida inteira escutando histórias curiosas sobre a vida de seu avô, histórias que o deixaram absolutamente fascinado.

“Eu tinha acabado de aceitar que minha vida seria apenas comum quando coisas extraordinárias começaram a acontecer comigo. A primeira delas foi um choque terrível, dividiu minha vida em duas partes. Antes e depois.

Como muitas coisas extraordinárias que viriam, ela envolveu meu avô, Abraham Portman.” (Página 8) 

Misturando fotografias bizarras e lúdicas, fantasia e realidade, O Orfanato da Srta. Peregrine é um livro verdadeiramente peculiar, e embora não faça parte do meu tipo de leitura habitual, devo confessar que foi bastante interessante acompanhar Jacob nessa aventura surreal.

Entrar naqueles aposentos com ele, ao mesmo tempo em que foi assustador, despertou em mim uma curiosidade fora do comum. Afinal, eu também queria descobrir o que havia acontecido ali, quem eram aquelas crianças e quem era a Srta. Peregrine.

“Será que era isso que meu avô queria que eu encontrasse? É, só pode ser – não as cartas de Emerson, mas uma carta guardada dentro do livro de Emerson. Mas quem era essa diretora escolar, essa Alma Peregrine?” (Página 59)

A proposta do livro é bastante interessante, e mesmo achando os capítulos demasiadamente longos e cansativos, a narrativa é ótima e as ilustrações são belíssimas, até as imagens mais estranhas, tinham o seu valor.

“- Não quero ser rude, mas o que são essas pessoas? – Perguntei.

– Nós somos peculiares – respondeu, soando um pouco intrigado.

– Você não é?

– Não sei. Acho que não.

– É uma pena.” (Página137)

A ideia de mesclar fantasia e realidade, incluindo fotografias curiosas e macabras (que o autor afirma serem reais!), deram a história ainda mais credibilidade. 

Com um enredo original e um romance surpreendente, O Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares, é um livro tenso e cheio de mistério, que prende o leitor do início ao fim, o transportando para um mundo fantástico, fazendo com que ele não queira mais voltar para a realidade.

Finalizo afirmando que gostei do livro, não amei, mas, para aqueles que estão à procura de uma leitura misteriosa, com toques sobrenaturais e um visual sombrio, esse livro é perfeito!



26
abr 2013

ARQUIVADO EM: Sem categoria

Crônicas do Outro Mundo #1
Autor: Nils Johnson-Shelton 
Editora: I
ntrínseca
Número de páginas: 254
Avaliação: 

(Skoob)

Quando a Intrínseca ofereceu A Torre Invisível para resenha, fiquei MUITO empolgada e solicitei imediatamente. Para mim, seria um livro infanto-juvenil ao estilo de Percy Jackson, e vocês sabem que sou apaixonada pelos livros do Rick Riordan né? Acontece que, apesar de ter uma história bacana, Nils Johnson-Shelton não conseguiu me fisgar de verdade, e acredito que minhas expectativas altas tenham sido o grande problema!

Artie (Arthur) Kingfisher tem 12 anos e leva um vida praticamente normal. Ele mora com o pai e a irmã mais velha, Kay, e sabe que foi adotado quando ainda era um bebê. Sua mãe, Cassie, abandonou a família quando eles ainda eram bem pequenos, ao que tudo indica ela não soube lidar com Artie. Ele e a irmã são viciados em videogame, e o preferido de Artie é o “Outro Mundo”. Nele Artie não é um garoto magrelo e nerd, que vive sofrendo bullying na escola, lá ele é um poderoso guerreiro capaz de matar até mesmo o mais temível dragão. 

Depois de concluir uma missão muito difícil  Artie entra em um fórum do jogo, lá ele recebe uma mensagem muito estranha: 

“Arthur,
Em uma semana você virá até mim na TI. Você é especial Arthur, e necessito de seus serviços e poder. Espero por você há muito tempo. 
Seu humilde criado, M.”

Ele acha tudo uma loucura e esquece do assunto, mas alguns dias depois quando sua família viaja para uma competição de videogame de Kay ele se lembra da estranha mensagem. Acontece que a fim de comprar um controle para a irmã (que esqueceu o seu da sorte em casa) ele vai até uma estranha loja chamada A Torre Invisível, onde o dono é um velho tatuado chamado Merlin. Ele afirma que Artie é o sucessor do lendário rei Arthur e que seu destino é salvar o Outro Mundo (sim, o mesmo do videogame) das garras de Morgana e impedir que a destruição chegue ao mundo real e, além disso, libertar Merlin de sua prisão (no caso, a torre). Para isso, Artie precisa recuperar a espada Excalibur e enfrentar diversos perigos reais
***


A premissa é bem bacana não é mesmo? Amo a história do rei Arthur e sempre gosto de ver novas versões da lenda, mas A Torre Invisível misturou elementos demais, temos até mesmo personagens do país das maravilhas. Não me convenceu e me deixou um pouco desinteressada. Além disso, Artie aceita muito fácil a história de que na verdade é o rei Arthur, ele e a irmã concordam quase que de imediato se jogar em aventurar perigosas, onde não existem novas vidas (como nos jogos), só a deles mesmo. Os adultos também aceitam rapidamente, não existe nenhuma resistência

Mas, apesar de não ter sido uma leitura incrível para mim, o livro tem pontos positivos. Niels conseguiu criar uma linguagem simples que com certeza irá atrair as crianças, os capítulos são curtos e a narrativa do autor é ágil. Sem contar que frisa bem valores como amizade e amor pela família, acho isso sempre válido. A história é bacana, mesmo com seus diversos furos, e provavelmente as crianças vão amar. E, pela forma como tudo se desenrolou, creio que o próximo livro será melhor, potencial pelo menos tem! Darei uma chance ao segundo livro.

Resumindo, não espere nada parecido com Percy Jackson, assim é possível que vocês gostem mais do que eu, e tenham em mente que é um livro para crianças. Eu vi resenhas bem positivas, então vai muito do gosto, leiam e tirem suas próprias conclusões. Para quem gosta de saber, a diagramação está simples e linda,  folhas amareladas e com detalhes no início de cada capitulo. A capa também me agradou, a ilustração é  maravilhosa!






ilustrações design e desenvolvimento