Posts arquivados em Tag: Resenha da Lindsay

28 ago, 2018

A Boa Filha, de Karin Slaughter

Autora: Karin Slaughter

Título Original: The Good Daughter

Editora: HarperCollins

Número de Páginas: 464

Avaliação: 4/5

Sinopse: Quando eram adolescentes, a vida tranquila de Charlotte e Samantha Quinn foi destruída por um terrível ataque em sua casa. Sua mãe foi assassinada. Seu pai – um famoso advogado de defesa de Pikeville, Geórgia – ficou arrasado. E a família foi dividida por anos, para além de qualquer conserto, consumida pelos segredos daquela noite terrível. Vinte e oito anos depois, Charlie seguiu os passos de Rusty, seu pai, e se tornou advogada – mas está determinada a ser diferente dele. Quando outro caso de violência assombra Pikeville, Charlie acaba embarcando em um pesadelo que a obriga a olhar para trás e reviver o passado. Além de ser a primeira testemunha a chegar na cena, o caso também revela as memórias que ela passou tanto tempo tentando esconder. Agora, a verdade chocante sobre o crime que destruiu sua família há quase trinta anos não poderá mais permanecer enterrada e Charlotte precisa se reencontrar com Samantha, não apenas para lidar com o crime, mas também com o trauma vivido.

 

Gosto muito da escrita de Karin Slaughter, seus livros são sempre repletos de ação e suspense, o que instiga ainda mais a imaginação do leitor.

Em A Boa Filha somos apresentados a duas protagonistas, Charlotte e Samantha Quinn, filhas de Rusty, um advogado criminalista que luta por causas aparentemente perdidas ao defender assassinos e Harriet Quinn, ou Gamma, como gostava de ser chamada. Uma mulher de figura deslumbrante e língua ferina, com belíssimos olhos azuis, cabelo preto curto e pele pálida, Gamma não media esforços quando lhe convinha, para ferir alguém com suas palavras cruéis e sua análise incisiva.

“- Você vai embora?

– É claro que não – zombou Gamma. – Só estou dizendo que você precisa ser uma pessoa útil, Sam. Acho que você já passou daquela fase boba e dramática da adolescência.” (Página 20)

A história começa quando as irmãs assistem a mãe ser violentamente assassinada por um dos clientes de seu pai, e depois são levadas para uma floresta, onde o pesadelo das duas só continuou.

“Morta. Gamma estava morta. Ela nunca mais diria para Samantha sair de Pikeville, nunca mais gritaria com ela por errar uma questão óbvia em uma prova, por não se esforçar mais na pista de corrida, por não ser paciente com Charlotte, por não fazer algo útil da sua vida.” (Página 25)

A trama possui duas fases, 1989, que mostra a traumática morte da mãe e o abandono na floresta, e os tempos atuais, em 2017, quando Charlie se vê em meio a um tiroteio e percebe todo o pânico e dor do passado reaparecendo em sua vida, 28 anos depois.

“- Por favor, Deus – A sra. Pinkman soluçava dentro das mãos. – Perdoe esse pecado.

– Kelly, me dê a arma – pediu Huck. – Ninguém mais precisa se machucar.

– Abaixe-se! – mandara o segundo policial. O tom de histeria na voz dele era muito alto. Charlie podia ver o dedo dele no gatilho. – Fique deitado no chão!” (Página 54)   

Depois de mais essa experiência desagradável, Charlie decide reencontrar a irmã Samantha, que agora reside em Nova York para tentarem juntas entender o que esta acontecendo no presente, e desvendar os segredos obscuros do passado.

Teremos então, duas vertentes a serem analisadas, as acusações de assassinato atribuídas a Kelly Wilson e o passado das irmãs Quinn, e seu insondável segredo.

A Boa Filha é um thriller policial intenso que aborda de maneira voraz, temas profundos e incontestavelmente importantes, mas peca pelo excesso de informação, confundindo o leitor quanto aos fatos apresentados.

Numa história que aborda o lado mais grotesco do mundo, Karin Slaughter escreve para quem tem estômago forte, contando com detalhes todas as atrocidades sofridas e executadas por seus personagens. Porém, é necessária uma pausa para digerir tudo o que esta sendo apresentado, tamanha a veracidade impressa em cada capítulo, e a velocidade dos acontecimentos.

Recomendo a leitura para aqueles que apreciam um romance policial ágil e cheio de mistério. Karin Slaughter é mestre nisso!

 

07 ago, 2018

Flores Partidas, de Karin Slaughter

Autora: Karin Slaughter

Título Original: Pretty Girls

Editora: HarperCollins

Número de Páginas: 464

Avaliação: 5/5

Onde Comprar:

Sinopse: Quando Lydia contou para a irmã que o cunhado havia tentado estuprá-la, Claire não acreditou. Dezoito anos depois, porém, tudo o que Claire achava saber sobre o marido se provou uma mentira. Quando vídeos escondidos no computador de Paul mostram uma face terrível do homem que ela julgava conhecer, Lydia percebe que o drama de sua família tem muitas camadas que precisarão ser descobertas antes que a assustadora verdade por fim venha à tona.

Antes de começar a resenha, aconselho que você leia A garota dos olhos azuis, livro que precede Flores Partidas e ajudará a compreender ainda melhor o universo da família Carroll.

Contudo, não é uma obrigação, apenas uma sugestão. Flores Partidas vai contar a história de Lydia, Claire e Julia Carroll. Três irmãs de personalidades e estilos de vida diferentes.

Em 4 de março de 1991, Julia Carroll sumiu. Ela tinha 19 anos e seu desaparecimento ainda é um mistério para toda a família.

Lydia levava uma vida desregrada, usava drogas e por conta de seu comportamento mundano, acabou se afastando de Claire. Nos dias atuais, Lydia vive uma vida simples ao lado da filha Dee.

Nesse ínterim, Claire se casou com Paul, um jovem estudioso e promissor, por quem se apaixonou na época da faculdade e seria o seu príncipe encantado, eles formavam o casal perfeito.

Durante um assalto dentro de um beco escuro, Paul é assassinado e é a partir de então que começa uma minuciosa investigação sobre sua morte.

Quando Claire descobre os segredos obscuros do marido Paul, nada parece fazer mais sentido para ela. Afinal, quem era aquele homem? Como ele conseguiu enganá-la por tantos anos? Eram perguntas que a esposa traída se fazia.

“- Se Paul fosse uma pessoa ruim, Little Ham saberia. – Claire sabia que sua defesa era fraca, mas não conseguiu parar. – Não dizem que as pessoas ruins odeiam os animais?” (Página 122)

Essa foi uma das experiências de leitura mais intensas de toda a minha vida. Eu sofri, chorei, fui rasgada, dilacerada e queimada por essa história. Algo surreal acontece e as 464 páginas passam numa velocidade tão impressionante, que quando você se da conta, acabou.

Numa trama repleta de surpresas e reviravoltas espetaculares, Karin Slaughter faz jus ao título de rainha do suspense ao conectar pontos cruciais da história e imprimir com maestria toda a dor e sofrimento dos personagens. Simplesmente sensacional!

Com um ritmo frenético e uma narrativa intensa, Flores Partidas é visceral. É um livro para poucos, pois é preciso ter estômago forte, uma vez que ele irá testar os limites do leitor, sua tolerância ao sofrimento alheio, a dor e a todo tipo de atrocidades.

Leitura recomendadíssima, especialmente para quem é fã de um bom thriller, leiam!

03 jul, 2018

Volte para Mim, de Paola Aleksandra


Autora:
Paola Aleksandra

Editora: Essência

Número de Páginas: 304

Ano de Publicação: 2018

Avaliação: 5/5

Sinopse: Aos dezesseis anos, Brianna Hamilton fugiu da Inglaterra para a Escócia, abandonando sua família e as obrigações com herdeira de um duque. Em meio aos prados escoceses, a jovem encontrou refúgio e descobriu mais sobre a mulher que desejava ser. Mas, onze anos após sua fuga, uma dolorosa verdade fará com que ela deseje nunca ter partido.

Voltar será como relembrar o passado, a fuga, o medo e as escolhas que precisou fazer. E, enquanto luta para reconquistar seu lugar junto à família, Brianna precisará superar Desmond Hunter, melhor amigo e primeiro amor, que anos antes ela escolheu deixar para trás.

Volte para Mim é um romance arrebatador sobre recomeços, sentir-se inteira, e acima de tudo, confiar no amor.

O livro narra a história de Brianna Hamilton, uma destemida garota escocesa que buscando encontrar a si mesma, foge de casa aos 16 anos rumo á Escócia.

Porém, onze anos depois, ela se vê obrigada a retornar ao seio da família que havia abandonado anos atrás, e mesmo que as lembranças que carrega consigo sejam demasiadamente dolorosas, ela precisará superá-las em nome de um bem maior.

“Eles estarão perdidos sem ela, Milady. Talvez seu retorno os ajude a atravessar tamanha dor. Então volte, engula o orgulho e volte.” (Página 24)

Com todos esses conflitos a sua volta, é fundamental que Brianna seja forte para provar que realmente cresceu e merece uma segunda chance.

Além da história de sua família, nossa protagonista também se verá desnorteada quando perceber que Desmond Hunter, seu melhor amigo e primeiro amor, ainda esta bem presente em sua vida e em seu coração.

Como explicar as escolhas que fez onze anos atrás sem ferí-lo?

“- Promete que voltará para mim?

Eu queria gritar que o levaria, no coração e em minhas memórias, para onde quer que fosse. Que eu devia partir, mas também precisava dele ao meu lado.” (Página 97)

A autora escreve com extrema sensibilidade e carinho com o leitor, e fez de Brianna uma personagem forte e corajosa, que não mede esforços para conseguir o que deseja. Um verdadeiro exemplo de empoderamento feminino em pleno século XIX.

Com uma premissa encantadora, um casal de protagonistas arrebatador e cenas deslumbrantes, o livro de estreia de Paola Aleksandra,  caminha para o sucesso nos romances do gênero, por dar maior relevância a trajetória de sua protagonista sem desmerecer o amor de dois jovens que foram abruptamente afastados sem maiores explicações, e nos ensina que os recomeços são necessários, assim como o perdão é a mola propulsora para que uma nova vida seja reconstruída. Lindo, lindo, lindo! Leiam…

“Volte para mim – Sussurrei ao vento, orando para que os céus abençoassem nosso amor. (Página 233)  

 

19 jun, 2018

Uma Mentira Perfeita, de Lisa Scottoline

Autora: Lisa Scottoline

Título Original: One Perfect Lie

Editora: HarperCollins

Número de Páginas: 400

Avaliação: 4/5

Sinopse: Chris Brennan acaba de se mudar para Central Valley, na Pensilvânia. Ele veio atrás de um emprego como professor substituto e treinador de beisebol na escola de ensino médio local, com um currículo impecável e boas maneiras que só um bom homem poderia ter. Mas tudo sobre ele é uma mentira. Seu nome é um pseudônimo, seu currículo é falso. E ele veio para a cidade com um plano, que a princípio é perfeito – e para cumpri-lo, precisa ficar de olho no time de beisebol. Encontrar o que precisa para cumprir seus planos não deve ser tarefa difícil, e Chris foca sua busca em três meninos cujas vidas (e as de suas mães) giram em torno do time: Raz Sematov, o arremessador, um menino geralmente alegre e bem humorado que acabou de perder o pai; Evan Kostis, que é rico, mimado e problemático além de ser a sensação do time, e Jordan Larking, o novato, um garoto tímido e reservado.

Chris Brennan pleiteava uma vaga como professor na Escola de Ensino Médio de Central Valley. De boa aparência  e linguajar impressionante, Chris agradou seus superiores desde o momento em que se apresentou. O que ninguém suspeitava, é que aquele homem simpático e solícito, na verdade, escondia muitos segredos. A começar pelo seu verdadeiro nome: Curt Abbott.

“- Bem, isso parece maravilhoso! Devo dizer, que você fez jus a todas as minhas expectativas. – Dra. McElroy sorriu calorosamente e fechou a pasta com os arquivos. – Parabéns, Chris, a vaga é sua! Deixe-me ser a primeira a lhe dar as boas-vindas à Escola de Ensino Médio de Central Valley.

– Ótimo! – Chris estendeu a mão sobre a mesa e mostrou seu sorriso mais sincero.

Era hora de pôr o plano em marcha, de começar com o primeiro passo.” (Página 20)

Em princípio, eu não estava entendendo muito bem qual a real intenção de Chris em ser professor naquela escola e o porquê dele insistir na inimizade entre os jogadores do time em que treinava. Seu plano, apesar de muito bem elaborado, ainda não fazia muito sentido.

“Chris não sabia se aquele seria o resultado, mas mesmo que não fosse, funcionava para seus propósitos. Agora Jordan ficaria zangado com Raz por ter estragado sua grande oportunidade. Chris filmou o fracasso e deu um tapinha nas costas de Jordan depois, dizendo-lhe que  fariam aquilo de novo em outro momento. Jordan e Raz não disseram outra palavra um para o outro durante o resto do treino, e saíram separados do ginásio.

As coisas não poderiam ter saído piores para Jordan e Raz. E não poderiam ter saído melhores para Chris.” (Página 80)

Porém, tudo começou a se encaixar e a estratégia de Chris foi se materializando de forma extraordinariamente inacreditável! Os meninos eram peças fundamentais de um quebra-cabeças incrível que Chris estava disposto a resolver de qualquer maneira.

O novo treinador estava na escola para desvendar um enigma, para procurar culpados e principalmente para proteger inocentes.

“Ele provavelmente estava pensando que Chris/Curt era um herói, que tinha feito o trabalho dele, mesmo que isso significasse contar uma grande mentira.” (Página 384)

Achei muitíssimo interessante o modo como a autora resolveu começar essa história, com um ar de mistério, para aos poucos ir revelando as nuances de sua trama.

Esse foi o meu primeiro contato com a escrita de Lisa Scottoline, mas gostei bastante de Uma Mentira Perfeita, por atiçar a curiosidade do leitor com relação aos seus personagens e por abordar temas importantes como terrorismo e a forma como as família americanas criam seus filhos. Achei uma leitura válida para quem esta a procura de um suspense melodramático. Leiam!

 

 

22 maio, 2018

Procurando Gobi, de Dion Leonard

Autor: Dion Leonard

Título Original: Finding Gobi

Editora: HarperCollins

Número de Páginas: 256

Avaliação: 5/5

Sinopse: Procurando Gobi é o relato espetacular de Dion Leonard, um ultramaratonista experiente que se depara com uma cachorrinha perdida enquanto percorria os 250 quilômetros pelo Deserto de Gobi, enfrentando condições extremas. A adorável filhotinha que mais tarde seria batizada de Gobi, correu lado a lado com ele pelas montanhas, enfrentou uma tempestade de areia, o sol escaldante, cruzou dunas imensas e vilarejos remotos.

Vendo sua determinação e coragem, Dion apegou-se cada vez mais à sua companheira de corrida, inclusive fazendo planos de cuidar dela dali em diante. Porém, antes que pudesse levá-la para casa, Gobi some em uma  cidade chinesa com milhões de habitantes, e Dion começa, então, uma corrida contra o tempo para tentar encontrar a cachorrinha mais uma vez.

Quando a HarperCollins anunciou o lançamento desse livro, confesso que fiquei bem animada, pois imagine que curioso, um ultramaratonista encontrar uma cachorrinha perdida que mais adiante se tornará sua companheira inseparável! E saber que toda essa aventura trata-se de uma história real, me deixou ainda mais ansiosa para ler.

Logo nos primeiros capítulos, Dion Leonard vai nos contando como conheceu a filhotinha e de que maneiras ela mudou sua vida por completo.

“A verdade é que essa cadelinha me mudou de tal modo, que só agora começo a compreender. E talvez, nunca chegue a entender totalmente. Só sei que procurar Gobi foi uma das coisas mais difíceis que fiz na vida. Mas ser encontrado por ela, ah, essa foi uma das melhores coisas que me aconteceu.” (Página 9)

Dion Leonard começou sua jornada como maratonista por acaso, quando saiu de Londres para morar em Manchester e um velho amigo comentou que participaria de uma meia-maratona. Ele avaliou suas condições físicas e chegou a conclusão de que poderia fazer aquilo.

“- Acho que posso ganhar de você.

Dan deu uma gargalhada, A música estava alta, e ele então se inclinou para garantir que eu ouvisse:

– Você o quê?

-Posso te derrotar. Fácil.

– Você não é corredor, Dion. Sem chance.

– Olha Dan, tenho tanta certeza, que vou dar cinco minutos de vantagem para você.” (Página 34)

E foi assim, que com o apoio de sua esposa Lucja, Dion Leonard começou sua jornada como maratonista. Até que um dia, ele é surpreendido com a chegada de um novo viajante.

“Quando me levantei, vi um cachorro. Ele era pequeno, bege-claro e tinha uns 30 cm de altura, olhos castanho-escuros e uma barbicha e um bigodinho engraçados.” (Página 48) 

Gobi, que na verdade era uma cachorrinha, se torna companheira inseparável de Dion em suas maratonas. E mesmo nas condições mais adversas, a pequena parceira estava lá, firme e forte, seguindo seu novo amigo.

“Sem que ela percebesse, havia a observado brincar, e tinha certeza de que tinha ao menos um ou dois anos. Com relação ao seu passado, não haveria jeito. Não poderia dizer se ela alguma vez tinha sido maltratada, afinal, não tinha cicatrizes nem lesões que a impedissem de correr bem mais de 115 quilômetros. Mas então, por que ela havia fugido? Será que havia perdido? Haveria um dono por aí, agora mesmo, perto das dunas de areia em um extremo do Deserto de Gobi preocupado com sua cadelinha perdida?” (Página 105)

Livros como esse tem o poder transformador de mudar nossas vidas, nos fazer refletir e ao mesmo tempo aquecer nosso coração, tamanha a doçura contida em seu enredo. Dion e Gobi são especiais!

Gobi é um encanto, um ser de luz que chegou para agregar a família de Dion e Lucja. Uma doce criatura que deixa uma lição muito preciosa sobre a vida, numa história inspiradora sobre companheirismo e amizade, Gobi com sua garra e determinação nos ensina a amar o próximo sem pedir nada em troca, apenas amor. Livro lindo e emocionante!