Posts arquivados em Tag: Romance

08 maio, 2018

Jugglers

Título Original: Jugglers

Título no Brasil: Malabaristas

Emissora: KBS2

Gênero: Comédia/Romance

Ano de Lançamento: 2017

Sinopse: Jwa Yoon Yi viveu sua vida com uma atitude passiva. Ela tem um espírito de devoção e obediência. Nam Chi Won recusa os interesses de outras pessoas e os de desenvolver relacionamentos. Eles se encontram no trabalho como chefe e secretária.

Jwa Yoon Yi, interpretada pela graciosa atriz Baek Jin Hee, é uma secretária dedicada, que em decorrência de um mal entendido é transferida de setor e precisa lidar com um novo chefe egocêntrico e ranzinza.

Interpretado pelo lindo e talentoso Choi Daniel, Nam Chi Won é o diretor administrativo da empresa que Yoon Yi trabalha. Introvertido e misterioso, o novo chefe de Yoon Yi em princípio apresenta-se frio e calculista, mas, no decorrer dos episódios vamos descobrindo que existe uma razão para seu temperamento difícil, que sua personalidade foi moldada a partir de acontecimentos de seu passado e compreendemos então algumas de suas atitudes intempestivas.

O drama tem esse nome “malabaristas” para justificar a eficiência e dedicação dos funcionários de escritório, que sempre estão onde seus chefes precisam.

Esses funcionários são verdadeiros workaholics, sempre prontos a prestar o melhor serviço para os seus superiores, muitas vezes deixando a própria vida um pouco de lado. E a personagem principal desse drama, Yoon Yi é exatamente assim.

Além da relação Chefe x Secretária, por uma incrível coincidência teremos ainda a relação Proprietária x Inquilino. Que ocorre quando Chi Won precisa de um lugar para morar e encontra o anúncio de que Yoon Yi estaria alugando um quarto. Momentos que renderam ótimas cenas cômicas e fofinhas entre os protagonistas.

Achei muito linda a construção do romance dos personagens principais. Como Yoon Yi com seu jeitinho todo especial vai conseguindo derreter o coração gelado de Nam Chi Won, compreendendo que seu comportamento arredio e esquisito, se deve a um passado traumático e cheio de sofrimento.   

Esse kdrama foi uma grata surpresa, pois confesso que não esperava muito dele não. Queria algo para relaxar e encontrei uma história cheia de lições de vida, com passagens engraçadíssimas, cenas hilárias, um casal protagonista fofíssimo e personagens secundários com histórias interessantes que valeram super a pena os 16 episódios da série. 

Repleto de clichês fofos e personagens cativantes, Jugglers é um drama leve e divertido sobre romance de escritório, que vai arrancar boas risadas e alguns suspiros dos apaixonados de plantão.

 

10 abr, 2018

Antes do Amanhecer


Título Original: Before Sunrise

Título no Brasil: Antes do Amanhecer

Direção: Richard Linklater

Gênero: Romance

Ano de Lançamento: 1995

Sinopse: Jesse (Ethan Hawke), um jovem americano, e Celine (Julie Delpy), uma estudante francesa, se encontram casualmente no trem para Viena e logo começam a conversar. Ele a convence a desembarcar em Viena e gradativamente vão se envolvendo em uma paixão crescente. Mas existe uma verdade inevitável: no dia seguinte ela irá para Paris e ele voltará aos Estados Unidos. Com isso, resta aos dois apaixonados  aproveitar ao máximo o pouco tempo que lhes resta.

 

Sou absolutamente suspeita para falar desse filme, pois sou fascinada por essa história. Fiquei completamente apaixonada pelo casal de protagonistas, Jesse e Celine são puro amor!

Conheci essa obra maravilhosa durante uma madrugada insone no ano de 2001, (percebam a riqueza de detalhes, só uma pessoa apaixonada lembraria o ano em que assistiu um filme pela primeira vez, gente, é amor demais!)

A trama narra a história de Jesse e Celine, dois adolescentes que se conhecem durante uma viagem de trem que mudará completamente suas vidas.

Jesse é um charmoso rapaz americano que procura viver a vida de maneira leve e descontraída. Celine por sua vez, é uma jovem e tímida francesa que esta voltando para casa, de férias da renomada faculdade Sorbonne.

Encantado pela nova amiga, Jesse propõe a Celine que desembarquem em Viena no intuito de se conhecerem melhor. Com aparentemente pouquíssimo em comum, ambos apostam nessa nova amizade e partem rumo ao desconhecido.

Ambientado na encantadora cidade de Viena, na Áustria, essa fascinante obra nos conquista pela delicadeza e profundidade em seus diálogos.

Jesse e Celine passam o longa-metragem inteiro apenas divagando sobre a vida, seus anseios e planos para o futuro, o que torna o romance ainda mais especial.

É importante dizer, que o casal protagonista esta se conhecendo e possui apenas uma noite para isso, logo, os diálogos mais elaborados são de suma importância para o perfeito desenvolvimento da trama.

Apesar do filme não possuir grandes variações, a delicadeza,  as músicas, imagens e o romantismo sutil, dão o tom dessa história, fazendo com que o casal protagonize lindas cenas.

Ethan Hawke e Julie Delpy são perfeitos em suas atuações, é impossível não se apaixonar por esses dois.

Antes do Amanhecer é um filme lindo, poético, de paisagens belíssimas e diálogos geniais. O enredo não possui nenhuma temática extraordinária ou uma história mirabolante. Não, ele é singelo, cru, verdadeiro e se você é fã de romances com diálogos substanciais, certamente vai gostar.

27 mar, 2018

Proibido, de Tabitha Suzuma


Autora: Tabitha Suzuma

Título Original: Forbidden

Editora: Valentina

Número de Páginas: 304

Avaliação: 5/5

Onde Comprar:

Sinopse: Ela é doce, sensível e extremamente sofrida: tem dezesseis anos, mas a maturidade de uma mulher marcada pelas provações e privações da pobreza, o pulso forte e a têmpera de quem cria os irmãos menores como filhos há anos, e só uma pessoa conhece a mágoa e a abnegação que se escondem por trás de seus tristes olhos azuis.

Ele é brilhante, generoso e altamente responsável: tem dezessete anos, mas a fibra e o senso de dever de um pai de família, lutando contra tudo e contra todos para mantê-la unida, e só uma pessoa conhece a grandeza e a força de caráter que se escondem por trás daqueles intensos olhos verdes. 

Eles são irmão e irmã. 

Mas será que mundo receberá de braços abertos aqueles que ousaram violar um de seus mais arraigados tabus? E você, receberia?

A história de amor vivida por Lochan e Maya é muito mais do que o incesto, é antes de tudo a história de dois jovens lutando juntos para criar sozinhos uma família inteira.

“Você pode fechar os olhos para as coisas que não quer ver, mas não pode fechar o coração para as coisas que não quer sentir. (Página 9)

Eles foram abandonados por seu pai logo cedo, enquanto sua mãe divide-se em “encher a cara” e procurar um novo amante (que mulher odiosa!) deixando-os a própria sorte.

Assim, Maya e Lochan foram obrigados desde cedo a tomar as rédeas de suas vidas e cuidar dos irmãos menores, Kit, Tiffin e Willa. Crianças adoráveis, porém cada um numa fase diferente da vida e com seus próprios questionamentos.

Kit por exemplo, é o típico “garoto problema”, que no auge de seus 13 anos e uma ira incontrolável, acabará tomando decisões irreversíveis que afetarão diretamente todos a sua volta. Os dois menores, Tiffin e Willa ainda são muito novos e pouco entendem do que se passa a sua volta.

Ainda falando sobre o “casal”, Maya é mais passional e impulsiva, não diria que ela é irresponsável, muito pelo contrário, ela é absurdamente responsável, só que nesse caso em especial, ela esta sendo levada totalmente pelo amor que sente. Já Lochan é o mais racional da dupla, tanto que chega a dar pena de tanto sofrimento, são tantos questionamentos, tanto medo, tanta dor, que chega a ser angustiante acompanhá-lo.

“- Nós não fizemos nada de errado! Como nosso amor pode ser considerado horrível, quando não estamos fazendo mal a ninguém? Seus olhos descem aos meus, brilhando úmidos na penumbra. – Não sei – sussurra. – Como uma coisa errada pode parecer tão certa?” (Página 131)

Como começar a defender uma história como essa? Como é possível aceitar algo assim? Eu, sinceramente não sei. Porém, apesar dessa leitura tão intensa e insana, ainda não tenho palavras para definir o quanto esse livro me impactou, quantas reflexões e emoções diferentes ele me transmitiu, o quão linda é Maya e seu amor tão transparente e sem medos.

Lochan, que foi me conquistando mesmo com todos os seus conflitos internos, deixando meu coração em pedaços a cada capítulo. As crianças, que deram um toque todo especial a trama e o quanto essa história é impiedosa e ao mesmo tempo tão imaculada.

Não é um livro fácil e definitivamente não é para qualquer pessoa, acredito que é preciso uma dose extra de coragem, desprendimento e acima de tudo, amor, na sua concepção mais pura, para entender, aceitar e até torcer por um relacionamento condenado como esse.

“Mas como explicar ao mundo exterior que Lochan e eu somos irmãos apenas por causa de um acidente biológico?Que nunca fomos irmãos na acepção da palavra, mas sempre parceiros, tendo que criar uma família real à medida que crescíamos? Como explicar que jamais senti Lochan como irmão e sim como algo muito, muito além disso – minha alma gêmea, meu melhor amigo, parte das próprias fibras do meu ser? Como explicar que essa situação, o amor que sentimos um pelo outro – tudo que aos olhos da sociedade pode parecer doentio, pervertido e repulsivo -, para nós é totalmente natural, maravilhoso e …tão certo?” (Página 238)

Não há dúvida de que se trata de um livro perturbador, reflexivo e dilacerante que caminha por linhas tortuosas entre o certo e o errado, o pecador e o pecado. Mas, ao mesmo tempo é doce, emocionante e visceral, fazendo com que valha a pena cada página lida.

Tabitha Suzuma construiu uma história belíssima, fazendo com que seus personagens conquistassem o coração de seus leitores a ponto de deixar o contexto incestuoso de lado e concentrando-se apenas na vida dessa família e no amor desse casal, mesmo que isso não signifique um felizes para sempre.

 

 

20 mar, 2018

Moon Lovers – Scarlet Heart Ryeo

Título Original: Moon Lovers – Scarlet Heart Ryeo

Título no Brasil:  Moon Lovers – Scarlet Heart Ryeo

Emissora: SBS

Gênero:  Drama/Fantasia/Histórico/Romance

Ano de Lançamento: 2016

Sinopse: Durante um eclipse solar, a jovem Go Ha-jin (IU) é transportada para a época em que a Dinastia Goryeo governava a Coréia. Na pele de Hae Soo, ela logo se encontra cercada por membros da realeza e acaba conhecendo o temido e corajoso 4º Príncipe Wang So (Lee Jong Ki). Enquanto os dois se aproximam cada vez mais, a jovem logo se vê imersa em um jogo de intrigas, amor e disputas por poder.

Sou muito fã de dramas asiáticos, especialmente os coreanos, mas nunca havia assistido a uma produção de época. Minha estreia foi com Moon Lovers e acredito que comecei com o pé direito, pois a história é sensacional!

A versão original criada por Tang Hua, deriva de um romance chinês de nome Bubu Jing Xin.

Numa mistura incrível de fantasia e realidade, Moon Lovers contará a história de uma jovem de 25 anos da era moderna, que durante um eclipse solar é transportada para a dinastia Goryeo.

Endividada, sem emprego e sem namorado, Ha Jin esta reclamando da má sorte em sua vida, quando observa um garotinho se afogando e pula na água para salvá-lo.

Neste exato momento, algo inesperado acontece, e durante um eclipse solar, ela é tragada pelas águas e transportada para a dinastia do imperador Taejo no ano de 918.

Lá, ela será Hae So, uma menina de dezesseis anos que emergirá das águas do palácio, onde vivem os lindos príncipes, filhos do rei.

Inicialmente, Hae So ficará confusa, sem entender direito o que esta acontecendo a sua volta. Mas, aos poucos ela vai descobrindo que faz parte daquele universo e tentará se adaptar a nova realidade da melhor maneira possível.

Ela desenvolverá uma forte amizade pela maioria dos príncipes e se apaixonará por dois deles. No começo da história, pelo 8° príncipe Wang Wook e com o passar do tempo, verá seu afeto transformado em amor por Wang So, o temido e corajoso 4° príncipe.

Seu envolvimento com ambos acontece de forma sutil e natural, até porque, não chega a se formar um triângulo amoroso, uma vez que cada romance acontece em períodos diferentes da história.

Baseada em fatos reais, essa série coreana de paisagens belíssimas, figurino impecável e trilha sonora perfeita. Retrata ainda toda a ganância pelo trono de Taejo e as articulações pelo poder.

Repleto de ação, cobiça e batalhas pelo reino, Moon Lovers vai te fazer sorrir, chorar, torcer e se emocionar por todos aqueles personagens maravilhosos.

Terminei de assistir com o coração apertado, triste mesmo pelo fim, e com uma saudade imensa desse enredo lindo, e que apesar de todos os conflitos envolvidos, será uma história que nunca esquecerei. Certamente, foi o melhor K-drama que assisti em 2018, não, ouso dizer que foi um dos melhores K-dramas que já assisti na vida!

06 fev, 2018

Chesapeake Shores

Título Original: Chesapeake Shores

Título no Brasil: Chesapeake Shores

Criador: John Tinker

Gênero: Drama/Romance/Familia

Ano de Lançamento: 2016

Sinopse: Abby O’Brien (Meghan Ory) volta para sua cidade natal de Chesapeake Shores, em Maryland, para ajudar sua irmã Jess (Laci J. Mailey) com a pousada Eagle Point. No entanto, além dos negócios não irem bem, o retorno da jovem ao local é marcado por reencontros marcantes e fantasmas do passado.

Ambientado na fictícia cidade de Chesapeake Shores, a série produzida pelo Hallmark Channel, conta a história da família O’Brien.

A trama começa com a primogênita da família, Abby (Megan Ory), voltando para casa depois de um conturbado divórcio. Mas, Chesapeake Shores abriga muito mais histórias dessa grande família. Histórias essas, que vem a tona com o retorno de Abby.

Conheceremos Jess (Laci J.Mailey), a linda irmã caçula que gerencia uma pequena pousada na cidade visando transforma-la em um lugar mais aconchegante para seus futuros hóspedes.

Temos também a bela Bree O’Brien (Emilie Ullerup), uma escritora que passa por um bloqueio criativo e acredita que voltando para casa conseguirá a inspiração que precisa para concluir seu livro.

Os membros masculinos da família também contam suas histórias, como o belíssimo Kevin (Brendan Penny), filho mais velho dos O’Brien, é médico do exército dos Estados Unidos e voltou para casa durante as festas de fim de ano.

O último dos filhos que irei citar é Connor, o caçula dos homens da família é estudante de Direito e esta tentando aprovação no exame da ordem.

Essa maravilhosa prole, tem um pai, Mick O’Brien (Trate Williams), que precisou trabalhar duro para cria-los sozinho, depois que sua esposa Megan (Barbara Niven), o deixou.

Por fim, essa linda família tem a melhor avó que poderia existir, Nell O’Brien, mãe de Mick, ficou responsável pelas crianças depois do sumiço de Megan e cuidava de todos com o maior zelo enquanto o filho trabalhava.

Com belíssima fotografia e histórias cotidianas encantadoras, o clã O’Brien nos mostra diferentes modos de ver e viver a vida, pelo olhar peculiar de cada um de seus membros.

Sou apaixonada por romances ambientados em cidades pequenas e aconchegantes, acredito que esse tipo de história nos aproxima dos personagens de alguma forma.

A série esta disponível no atual catálogo da Netflix e conta até o momento com duas temporadas de dez episódios cada. Se você gostou da resenha e assim como eu, também é fã de histórias com enredos familiares em lugares pitorescos, não perca tempo, assista agora Chesapeake Shores!