mm1 mm2 mm3mm4 mm5 mm6 mm7


31
out 2017

ARQUIVADO EM: Literatura

 

Autor: Gillian Flynn

Título Original: Sharp Objects

Editora: Rocco

Número de Páginas: 300

Avaliação: 5/5

 

Sinopse: A vida da solitária Camille Preaker em Chicago resume-se a escrever matérias para a editora de polícia do jornal Daily Post, beber vodca além da conta e torturar-se pelo passado que deixou para trás na pequena Wind Gap, sua cidade natal. É para lá que seu editor a envia em busca de um furo de reportagem. Naquela comunidade ao sul do Missouri, um serial killer faz de crianças suas vítimas.

Camille Preaker é uma repórter investigativa que se vê sem alternativas ao ser enviada de volta a sua cidade natal por seu chefe em busca de um furo de reportagem. Presa ao passado e aos traumas de infância, ela precisa ter coragem para enfrentar seus medos.

“Eu me corto, sabe? Também retalho, fatio, gravo, espeto…Sou um caso bem especial. Tenho uma razão. A minha pele, sabe, ela grita. É repleta de palavras – cozinhar, bolinho, bichano, cachos – como se uma criança de primeira série manuseando uma faca tivesse aprendido a escrever em minha carna.” (Página 75)

Lembranças de uma adolescência conturbada vem à tona, fazendo com que Camille descubra aos poucos o que a levou a se automutilar durante a vida, ao mesmo tempo em que investiga as misteriosas mortes das adolescentes em Wind Gap.

“Wind Gap é assim. Todos conhecemos os segredos uns dos outros, e todos os usamos.

– Que beleza de lugar… ” (Página 91)

No entanto, nada, absolutamente nada nos prepara para as páginas finais desse tenebroso enredo e seu desfecho sensacional.

Na própria carne é uma história de amor e dor, amor colérico, amor doentio, daqueles que fere, machuca e até mata se preciso for.

“Não me importaria em revelar as histórias de Wind Gap a Richard. Não sentia qualquer fidelidade especial para com a cidade. Foi aqui que minha irmã morreu. foi o lugar onde comecei a me cortar. Uma cidade tão sufocante e pequena que todos os dias você esbarra com alguém que detesta. Gente que sabe coisas a seu respeito. É o tipo de lugar que deixa marcas.” (Página 93)

Com personagens intrigantes e surpreendentes, a autora está de parabéns por presentear seus leitores com essa obra incrível.

“Ás vezes, se você deixa uma pessoa fazer uma coisa com você, na verdade é você que esta fazendo com a pessoa.” (Página 298)

Relançado em 2015 com o título de Objetos Cortantes, este é o romance de estreia da magnífica Gillian Flynn.



19
jul 2017

ARQUIVADO EM: Literatura Vídeos

Autor: Shari Lapena
Título original: 
The couple next door
Editora: 
 Intrínseca
Número de páginas:
 294
Avaliação: 
3,5/5
Onde comprar: Amazon | 
Americanas | Saraiva 

É o aniversário de Graham, e sua esposa, Cynthia, convida os vizinhos, Anne e Marco Conti, para um jantar. Marco acha que isso será bom para a esposa; afinal, ela quase nunca sai de casa desde o nascimento de Cora e da depressão pós-parto. Porém, Cynthia pediu que não levassem a filha. Ela simplesmente não suporta crianças chorando. Marco garante que a bebê vai ficar bem dormindo em seu berço. Afinal, eles moram na casa ao lado. Podem levar a babá eletrônica e se revezar para dar uma olhada na filha. Tudo vai dar certo. Porém, ao voltarem para a casa, a porta da frente está aberta; Cora desapareceu. Anne e Marco se envolvem em uma teia de mentiras, que traz à tona segredos aterradores.

No vídeo de hoje trago pra vocês a resenha do suspense psicológico “O Casal que mora ao lado”, apesar de ter achado o final um tanto corrido, gostei bastante da leitura e acho que vale a pena. 🙂



18
jul 2017

ARQUIVADO EM: Literatura

Myron Bolitar #7
Autor: Harlan Coben
Título original: 
Darkest fear
Editora: 
 Arqueiro
Número de páginas:
 272
Avaliação: 
5/5
Onde comprar: Amazon | 
Americanas | SaraivaSubmarino

Sinopse: Na época da faculdade, Myron Bolitar teve seu primeiro relacionamento sério, que terminou de forma dolorosa quando sua namorada o trocou por seu maior adversário do basquete. Por isso, a última pessoa no mundo que Myron deseja rever é Emily Downing. Assim, ele tem uma grande surpresa quando, anos depois, ela aparece suplicando ajuda. Seu filho de 13 anos, Jeremy, está morrendo e precisa de um transplante de medula óssea — de um doador que sumiu sem deixar vestígios. E a revelação seguinte é ainda mais impactante: Myron é o pai do garoto. Aturdido com a notícia, Myron da início a uma busca pelo doador. Encontrá-lo, contudo, significa desvendar um mistério sombrio que envolve uma família inescrupulosa, uma série de sequestros e um jornalista em desgraça. Nesse jogo de verdades dolorosas, Myron terá que descobrir uma forma de não perder o filho com quem sequer teve a chance de conviver.

A vida de Myron é sempre uma aventura, ele é um adulto que às vezes parece não ter crescido. Sua vida amorosa se resume a duas mulheres: Jessica, com quem ele termina e volta diversas vezes no decorrer da série, e Emily Downing, da época da escola. Emily partiu o coração de Myron trocando-o por Greg Downing, seu rival no basquete e também o cara que destruiu sua carreira (ele descobre isso no livro Sem deixar rastros), então Myron não está nem um pouco a fim de ajudar a ex-namorada, nem mesmo quando ela conta que seu filho, Jeremy, está morrendo pois precisa de um transplante e o único doador compatível simplesmente sumiu. Não é da conta de Myron… isso até Emily contar que na verdade Jeremy é filho dele.

Eu quis matar a Emily durante o livro todo, sério. Não consigo acreditar que ela possa ter feito isso. Myron fica chocado com a revelação (e quem não ficaria, não é mesmo?), e decide ajudar o garoto, mesmo sem ter certeza absoluta se ele é seu ou não. Ele parte então na busca frenética pelo doador, e como o sistema de doadores é altamente sigiloso, não será uma busca nada fácil, mas ele conta com a ajuda dos melhores amigos do mundo: Win e Esperança.

Os personagens secundários brilham muito, Esperanza, Win, os pais de Myron e  Jeremy tem participações especiais. Gostei muito da maneira como Win se comportou nesse livro, menos maluco e mais centrado, dando suporte nas horas necessárias. A trama é uma loucura só, nunca vi tantas coisas “aleatórias” fazerem tanto sentido no final, confesso que não consegui adivinhar nada nessa leitura, fui surpreendida por tudo. O medo mais profundo é repleto de aventura, suspense e reviravoltas, itens básicos nos livros do mestre Harlan Coben.

Coben é meu autor favorito, vocês já estão cansados de saber disso. Fico sempre impressionada com o quanto ele consegue me manter fissurada na leitura, sem conseguir pensar em mais nada até a última página. Já li o livro seguinte – A promessa – e a resenha sai na semana que vem. Os últimos livros – Quando ela se foi e Alta tensão  – já haviam sido lançados anteriormente, então eu também já os li, mas como comecei por eles (sim, comecei pelo final pois a Arqueiro lançou os últimos primeiro hahaha), pretendo relê-los. Sendo assim, por já ter lido a série todinha, faço questão de recomendá-la MUITO. Vocês precisam conhecer esse personagem sensacional, e mergulhar no mundo criado por Harlan Coben. Depois voltem aqui e me contem como foi! 😀 😀 😀

Ordem dos livros com o personagem Myron Bolitar:

1) Quebra de Confiança (Deal breaker)
2) Jogada mortal (Drop shot) 
3) Sem deixar rastros (Fade away)
4) O preço da vitória (Back spin)
5) Um passo em falso (One false move)
6) Detalhe Final (The final detail)
7) O medo mais profundo (Darkest fear)
8) A promessa (Promise me)
9) Quando ela se foi (Long lost)
10) Alta tensão (Live wire)



16
maio 2017

ARQUIVADO EM: Literatura

Autor: John Boyne

Título Original: This House is Haunted

Editora: Companhia das Letras

Número de Páginas: 296

Avaliação: 5/5

Onde Comprar:  Amazon | Americanas | Submarino

 

Sinopse: Até a morte do pai, a jovem Eliza levava uma vida privilegiada – se não em termos materiais, ao menos em carinho e proteção.

Determinada a deixar as lembranças tristes para trás e reconstruir sua história em outro lugar, ela vê a oportunidade perfeita em um anúncio de governanta, que busca alguém para cuidar das crianças de um casarão no leste da Inglaterra.

Mas ela nunca poderia suspeitar o que a aguardava nesse novo trabalho. Há uma presença maligna à espreita na casa, e Eliza se vê em uma guerra de nervos contra esse adversário desconhecido, invisível (e talvez imaginário), que a acompanha em todos os momentos com a aparente intenção de matá-la.

Conheço a escrita de John Boyne desde O Menino do Pijama Listrado, e estava acostumada com seu estilo, sempre abordando guerras e tragédias em seus livros de maneira menos chocante que o necessário.

No entanto, fui tomada por um sentimento de absoluta surpresa quando me deparei com a história de Eliza. Uma moça que se vê sozinha após o falecimento de seu pai e encontra no emprego como governanta, a oportunidade perfeita para refazer sua vida.

“Eu nunca tinha irmãos para tomar conta e ninguém que tomar conta de mim; nenhum primo cuja vida poderia me interessar e ninguém que se interessaria pela minha. Estava totalmente sozinha” (Página 38)

Em A Casa Assombrada, somos apresentados a um estilo novo do autor, algo nunca antes visto. As graciosas referências feitas à Charles Dickens, dão um toque todo especial a trama.

“Nunca ouviu falar de Um Conto de Natal?, perguntei, estupefata, pois o romance tinha sido um grande sucesso.

De Charles Dickens.

Não, senhorita. Não estou familiarizado com esse cavalheiro.” (Página 89)

 

O modo como ele conduziu essa história, as surpresas, reviravoltas e descrições de extrema precisão, fazem com que o leitor se sinta inserido naquela casa, participando ativamente de tudo o que acontece lá. É assustador!

“Gritei, erguendo as mãos para o céu, desesperada. Porque tinha sido incumbida de fazer aquilo? O que tinha para merecer aquele destino?” (Página 274)

John Boyne nos tira o fôlego nesse novo gênero e é incontestavelmente perfeito. Nesse livro sem igual, o autor nos remete a Inglaterra e seus casarões exuberantes, nos fazendo mergulhar de cabeça em uma história assombrosa e surpreendente.

Nessa homenagem às clássicas histórias de fantasmas do século XIX, o autor nos conduz para algo extraordinariamente original e envolvente, sendo impossível largar até a reviravolta final. Indico John Boyne de olhos fechados, ele é sensacional!



26
abr 2017

ARQUIVADO EM: Literatura

quem eraAutor: JP Delaney
Título original:
The Girl Before
Editora:
 Intrínseca
Número de páginas:
 336
Avaliação: 
4,5/5
Onde comprar: Amazon |
Americanas | Submarino

Sinopse: É preciso responder a uma série de perguntas, passar por um criterioso processo de seleção e se comprometer a seguir inúmeras regras para morar no nº 1 da Folgate Street, uma casa linda e minimalista, obra-prima da arquitetura em Londres. Mas há um preço a se pagar para viver no lugar perfeito. Mesmo em condições tão peculiares, a casa atrai inúmeros interessados, entre eles Jane, uma mulher que, depois de uma terrível perda, busca um ponto de recomeço.
Jane é incapaz de resistir aos encantos da casa, há muitos segredos por trás daquelas paredes claras e imaculadas. Com tantas regras a cumprir, tantos fatos estranhos acontecendo ao seu redor e uma sensação constante de estar sendo observada, o que parecia um ambiente tranquilo na verdade se mostra ameaçador.
Enquanto tenta descobrir quem era aquela mulher que habitou o mesmo espaço que o seu, Jane vê sua vida se entrelaçar à da outra garota e sente que precisa se apressar para descobrir a verdade ou corre o risco de ter o mesmo destino. Com um suspense de tirar o fôlego e um clima de tensão do início ao fim, JP Delaney constrói um thriller brilhante repleto de reviravoltas até a última página. Uma história de duplicidade, morte e mentiras.

Oi gente! A resenha de hoje é de um livro ótimo, um thriller intrigante que nos deixa com diversas dúvidas. A narrativa é dividida em dois tempo: o passado, com Emma, e o presente, com Jane. As narrativas vão encaminhando, até o momento onde elas praticamente se fundem. O ponto de ligação entre as duas personagens é a casa da Folgate Street, nº1. Uma casa de arquitetura minimalista, e que contém uma lista imensa de exigências para ser alugada.

Se você se interessou, corre para conferir a resenha em vídeo, quanto mais vocês curtirem, mais fácil é para eu conseguir um sorteio. 🙂 😉



8
nov 2016

ARQUIVADO EM: Literatura

Autor: Liane Moriarty
Título original: 
Big Little Lies
Editora:
Intrínseca
Número de páginas:
400
Avaliação: 5/5  

Onde comprar:  Amazon | Americanas | Saraiva | Submarino

Sinopse: Madeleine é forte e passional. Separada, precisa lidar com o fato de que o ex a nova mulher, além de terem matriculado a filhinha no mesmo jardim de infância da caçula de Madeline, parecem estar conquistando também sua filha mais velha. Celeste é dona de uma beleza estonteante. Com os filhos gêmeos entrando para a escola, ela e o marido bem-sucedido têm tudo para reinar entre os pais. Mas a realeza cobra seu preço, e ela não sabe se continua disposta a pagá-lo. Por fim, Jane, uma mãe solteira nova na cidade que guarda para si certas reservas com relação ao filho. Madeleine e Celeste decidem fazer dela sua protegida, mas não têm ideia de quanto isso afetará a vida de todos.

A história começa rodeada de mistério, pois logo no início percebe-se que algo muito grave aconteceu naquela escola na noite do concurso de perguntas. E é nesse clima de suspense que nos são apresentadas as protagonistas: Madeleine, Celeste e Jane.

“O som do canto das crianças no segundo andar do prédio sempre a fazia chorar. Ela nunca acreditara em Deus, salvo quando ouvia crianças cantando.” (Página 13)

Três donas de casa aparentemente comuns, que vivem e trabalham para manter seus filhos e família a salvo de qualquer problema. Madeleine tenta lidar com seu ex marido e a atual esposa voltando para sua vida e de sua filha Abigail.

Celeste é casada, bem sucedida e mãe de lindos filhos gêmeos que junto da amiga Madeleine, decide ajudar a novata Jane, recém chegada a cidade, a se adaptar aos novos costumes.

“Em um instante, ela estava andando direitinho, e, no seguinte, pisou em falso, virando o tornozelo em um ângulo terrivelmente errado […] Esse foi, quase com certeza, o instante em que a história começou.” (Página 20)

No entanto, alguma coisa aconteceu naquela noite na escola, todos comentam, todos questionam, mas ninguém expressa verdadeiramente o que houve de fato, ninguém sabe de nada, ninguém viu nada.

“As crianças formavam uma turma maravilhosa, e os pais não estavam sendo muito irritantes. Mas então, na metade do primeiro trimestre, tudo desmoronou.” (Página 191)

Contudo, nas tramas escritas por Liane Moriarty, ninguém é totalmente mocinho ou vilão, nada é calmo e tranquilo como aparenta, e as reviravoltas até chegar ao clímax dão o tom de suas obras. Nesse livro, a autora traz a tona temas polêmicos que merecem ser abordados e discutidos a exaustão.

Pequenas Grandes Mentiras conta a história dessas três mulheres, cada uma diante de um impasse, cada uma tentando a seu modo sobreviver na selva de pedra em que se transformou a sociedade em que vivem, onde as aparências enganam e nem tudo é o que parece ser.

“Isso pode acontecer com qualquer um.” (Página 397)

Finalizo a resenha parafraseando a publicação justíssima da people magazine que diz: “Expor os defeitos do que parece ser perfeito é a especialidade de Liane Moriarty.”

O canal a cabo HBO, anunciou a criação de uma minissérie baseada no livro de Liane Moriarty. Big Little Lies, que ainda não tem data de estreia definida, terá Nicole Kidman, Reese Witherspoon e Shailene Woodley nos papéis principais. A minissérie chega à tela da HBO em 2017.

big-little-lies-serie



2
mar 2015

ARQUIVADO EM: Literatura

CAPA-Até-você-ser-minhaAté você ser minha
Autor:  Samantha Hayes
Editora: Intrinseca
Número de páginas: 352
Avaliação:  5/5

Sinopse: Até Você Ser Minha – A assistente social Claudia Morgan-Brown está prestes a realizar o sonho de sua vida: vai dar à luz uma menininha. Apesar da ausência do marido ao longo da gravidez – James é oficial da Marinha e fica semanas e até meses longe de casa –, ela mal pode esperar para segurar seu bebê nos braços após várias tentativas e perdas.
Porém, as diversas tarefas de Claudia, além da responsabilidade de cuidar dos gêmeos Oscar e Noah, filhos do primeiro casamento de James, deixam o casal preocupado. A próxima partida de James se aproxima, e eles decidem contratar uma babá.
Zoe Harper quer muito o emprego. Com as melhores recomendações, ela conquista os gêmeos e se muda para o lar do casal. Mas Claudia logo percebe que a mulher tem outros motivos para se aproximar da família.
As suspeitas de Claudia se transformam em verdadeiro terror quando começa a ocorrer uma série de ataques brutais a mulheres grávidas na cidade. Imersos em problemas familiares, os investigadores Lorraine Fisher e Adam Scott são forçados a deixar suas questões de lado e correr contra o tempo para encontrar o assassino antes que ele cometa mais um crime.
Uma narrativa repleta de reviravoltas, Até você ser minha traz os desejos humanos mais intensos e mostra quão longe alguém pode chegar para conseguir o que quer.

Claudia está prestes a dar a luz. Depois de vários abortos, ela finalmente vai realizar o grande sonho de ser mãe. Claudia é casada com James, pai de dois garotinhos gêmeos (Oscar e Noah), que ficaram órfãos bebezinhos, quando perderam a mãe para o câncer, e quando está prestes a dar a luz, decide que precisam de uma babá, para ajudar com os meninos e também com sua bebê, porque ela não pretende deixar o emprego de assistente social.

Ela e James fazem o anúncio e depois de entrevistar Zoe, resolvem contratá-la. Zoe é uma pessoa agradável, sempre solícita. No entanto, Claudia começa a ter várias suspeitas por conta de algumas atitudes de Zoe e isso ao mesmo tempo que começam a acontecer vários crimes contra grávidas na cidade.

Lorraine e Adam são os investigadores dos crimes e acabam chegando até Claudia, quando descobrem que uma das mulheres atacadas, era atendida pelo serviço social, onde Claudia trabalha. E então, ela descobre que Zoe teve acesso à ficha da mulher atacada. E definitivamente, o pavor se instala. E ela passa a suspeitar e a ter muito medo de Zoe.

Falar mais que isso é estragar toda a surpresa que este livro MARAVILHOSO traz no final. Quem me conhece sabe o quanto adoro suspense, mas confesso que a autora me pegou totalmente de surpresa.

O livro prende do início ao fim. Os personagens são fortes, intensos. Mesmo os personagens secundários, como Lorraine e Adam (os investigadores), tem toda uma história dentro da trama. A infidelidade de Adam com Lorraine. Os problemas com as filhas dentro de casa. Nunca havia lido nada dessa autora (não sei se ela tem outros livros), mas posso dizer que ela ARRASOU nesse livro!

Quando eu achava que havia entendido o motivo do crimes, a autora mandou a bomba. E UAU! Que bomba.

É uma trama cheia de suspense, do início ao fim. Mesmo sendo um livro longo (quase 400 páginas), li tão rápido e tão ávida pelo final, para desvendar o mistério que envolve as agressões contra as mulheres grávidas, que nem senti o tempo passar. Os capítulos finais foram aterrorizantes. E o final…….NOSSA!

Como eu sempre digo, é impossível fazer resenhas enormes de livros de suspense, porque sempre acaba-se correndo o risco de escrever mais do que deve. Então, se posso dar uma dica: Leiam! Porque vocês não vão se arrepender.



4
fev 2015

ARQUIVADO EM: Literatura

Prisioneiros do inverno Autor: Jennifer McMahon

Editora: Record

Número de páginas: 348

Avaliação: 4.5/5

Sinopse: Muitos acreditam que a pequena cidade de West Hall seja mal-assombrada. Ao longo de sua história, vários casos de pessoas desaparecidas foram registrados na região mistérios nunca desvendados. Alguns moradores inclusive juram que o espírito de Sara Harrison Shea, encontrada morta em 1908, ainda vague pelas ruas à noite. A jovem Ruthie acredita que tudo não passa de uma grande bobagem. Porém, quando sua mãe desaparece sem deixar vestígios, ela começa a desconfiar de que aquela região guarda algum mistério, e suas suspeitas são reforçadas quando ela e a irmã encontram uma cópia do diário de Sara escondido em casa. Na busca pela mãe, Ruthie encontra respostas perturbadoras, e ela pode ser a única pessoa capaz de evitar que um grande mal aconteça.

Pensa num livro que me deu arrepios e me fez escutar barulhos onde não existia. Prisioneiros do Inverno é um livro tenso e levemente macabro, que me fisgou completamente.

Quando solicitei esse livro não imaginei que ele seria tão sombrio. Confesso que pela lida rápida na sinopse, pensei que seria um thriller policial, fui surpreendida.

A narrativa se divide em passado e presente, o passado fica por conta dos diários de Sara Shea e o presente é narrado em terceira pessoa por Ruthie e a partir de um determinado momento, por Katherine. As três histórias vão caminhando separadamente, até o momento em que elas se encontram e tudo faz sentido.

Começamos conhecendo Sara, através de seu diário, em 1908. A garota conta como era sua vida, e como foi quando ela viu o primeiro “dormente”, uma pessoa que ela tinha certeza que estava morta. Confusa, ela perguntou sobre o assunto a Titia, a mulher que a criou. Titia é conhecida como uma poderosa feiticeira, que as pessoas sempre procuram para conseguir remédios e poções, a mulher confirma para Sara que sim, é possível retornar dos mortos. Titia escreve então uma carta para Sara e pede que ela só a abra quando estiver realmente preparada.

Na primeira vez que eu vi um dormente, eu tinha 9 anos.

Anos depois Sara já é casada e tem uma filhinha, Gertie, por quem é completamente apaixonada,. No entanto, em um determinado dia Gertie desaparece, e é ai que a vida de Sara toma um rumo inesperado, e seus relatos nos diários se tornam mais intensos e enlouquecedores.

No presente conhecemos duas histórias a de Ruthie e a de Katherine. Ruthie tem 17 anos e mora com a mãe e sua irmãzinha caçula, Fawn. A garota não vê a hora de sair de West Hall e daquela casa isolada de tudo. Certo dia, após chegar bem depois do horário combinado, Ruthie chega em casa pronta para levar um bronca, mas percebe que sua mãe simplesmente desapareceu. Para piorar, sua irmãzinha está começando a ficar doente, e Ruthie não sabe o que fazer. Em busca de respostas ela e Fawn começam a procurar pistas pela casa, e encontram um velho diário, escrito por Sara Shea. Para espanto das meninas, Sara morava na mesma casa onde elas moram agora.

Katherine acabou de perder o marido, pouco tempo depois de ter perdido o filho. Devastada pela dor, ela busca respostas sobre a morte do marido, e descobre que seu acidente de carro ocorreu na estrada de West Hall, uma cidadezinha distante, e não existiria motivo algum para ele estar lá. Katherine decide então se mudar para lá, a fim de encontrar respostas.

Não dá para contar mais nenhum detalhe, mesmo porque a história de Sara (que é a chave de tudo) é contada aos poucos, no decorrer da trama. Tudo vai se entrelaçando, de forma tensa e angustiante. Não sei se todos terão a mesma sensação, mas eu senti um certo pavor durante a leitura, aquela sensação de alguém me olhando. O que prova o quanto a escrita de Jennifer McMahon é boa. A explicação a cerca dos “dormentes” (que não se parecem em nada com os conhecidos zumbis, tirem essa imagem da cabeça) é bem convincente. Eu fiquei fascinada pela leitura e não conseguia parar de ler, terminei no trabalho mesmo, não dava para esperar chegar em casa. Gostei demais de todos os personagens, mas o que mais me intrigava era a parte narrada por Sara, eu queria ter aquele diário em mãos hahaha.

O final passou bem longe do óbvio, eu nunca imaginei aquilo. Consegui ter ideia de algumas coisas, mas a revelação final foi demais. Daria um ÓTIMO filme, na verdade durante toda a leitura eu visualizava a história como um filme mesmo.

Prisioneiros do Inverno foi uma ótima surpresa, já quero ler outro livro da autora. Leitura mais do que recomendada para todos os que apreciam um bom suspense!






ilustrações design e desenvolvimento