mm1 mm2 mm3mm4 mm5 mm6 mm7


26
abr 2017

ARQUIVADO EM: Literatura

quem eraAutor: JP Delaney
Título original:
The Girl Before
Editora:
 Intrínseca
Número de páginas:
 336
Avaliação: 
4,5/5
Onde comprar: Amazon |
Americanas | Submarino

Sinopse: É preciso responder a uma série de perguntas, passar por um criterioso processo de seleção e se comprometer a seguir inúmeras regras para morar no nº 1 da Folgate Street, uma casa linda e minimalista, obra-prima da arquitetura em Londres. Mas há um preço a se pagar para viver no lugar perfeito. Mesmo em condições tão peculiares, a casa atrai inúmeros interessados, entre eles Jane, uma mulher que, depois de uma terrível perda, busca um ponto de recomeço.
Jane é incapaz de resistir aos encantos da casa, há muitos segredos por trás daquelas paredes claras e imaculadas. Com tantas regras a cumprir, tantos fatos estranhos acontecendo ao seu redor e uma sensação constante de estar sendo observada, o que parecia um ambiente tranquilo na verdade se mostra ameaçador.
Enquanto tenta descobrir quem era aquela mulher que habitou o mesmo espaço que o seu, Jane vê sua vida se entrelaçar à da outra garota e sente que precisa se apressar para descobrir a verdade ou corre o risco de ter o mesmo destino. Com um suspense de tirar o fôlego e um clima de tensão do início ao fim, JP Delaney constrói um thriller brilhante repleto de reviravoltas até a última página. Uma história de duplicidade, morte e mentiras.

Oi gente! A resenha de hoje é de um livro ótimo, um thriller intrigante que nos deixa com diversas dúvidas. A narrativa é dividida em dois tempo: o passado, com Emma, e o presente, com Jane. As narrativas vão encaminhando, até o momento onde elas praticamente se fundem. O ponto de ligação entre as duas personagens é a casa da Folgate Street, nº1. Uma casa de arquitetura minimalista, e que contém uma lista imensa de exigências para ser alugada.

Se você se interessou, corre para conferir a resenha em vídeo, quanto mais vocês curtirem, mais fácil é para eu conseguir um sorteio. 🙂 😉



14
dez 2016

ARQUIVADO EM: Literatura

servico-secreto-lee-childJack Reacher #6
Autor:
Lee Child
Título original:
Without Fail
Editora: Bertrand Brasil
Número de páginas:
 420
Avaliação: 
5/5
Onde comprar: Amazon |
Americanas | Saraiva | Submarino

Sinopse: Jack Reacher está acostumado a vagar sozinho de uma cidade a outra, sem destino, emprego, endereço ou identidade. Entretanto, ao ser procurado por M. I. Froelich, uma agente do Serviço Secreto, recebe um pedido bastante incomum: “Quero contratá-lo para assassinar o vice-presidente dos Estados Unidos da América”. Mais nova chefe de segurança do vice-presidente eleito, ela quer que Reacher tente encontrar as falhas na defesa de sua equipe, testando sua eficácia contra um potencial ataque. Reacher é a pessoa certa para isso: tem a habilidade e a furtividade de um ex-policial do Exército, além de ser totalmente anônimo. Ela só não fala que, na verdade, a ameaça é real e a vida do vice-presidente de fato corre perigo.

A resenha NÃO contém spoilers dos livros anteriores

Jack Reacher é um ex-militar muito inteligente e experiente, que não tem endereço, carteira de motorista, conta em banco ou qualquer coisa que o prenda em algum lugar. Sua localização é sempre praticamente impossível de ser encontrada, a não ser que ele queira. No entanto, dessa vez alguém consegue localizá-lo, conseguindo imediatamente a sua atenção.

A agente do Serviço Secreto, M. I. Froelich, é além de muito competente, responsável pela segurança do vice-presidente dos EUA. Froelich foi namorada de Joe (o falecido irmão de Reacher) e diz que contatar Reacher foi sugestão de Joe, que garantiu que ele seria a pessoal ideal para o que Froelich precisa. A proposta da agente é que Jack teste a segurança de sua equipe, tentando encontrar as brechas e expondo as possíveis maneiras de matar o vice-presente. Ela alega ser apenas um teste da equipe, mas Reacher sabe que existe muito mais por trás disso, e que provavelmente o perigo é real. 

Jack aceita a missão, e convida sua velha amiga, Frances Neagley para participar. Em poucos dias ele comprova que o presidente poderia ter sido morto três vezes, o que revela que a equipe de Froelich realmente tem uma falha na segurança. Reacher e Neagley então passam a ajudar o governo a se livrar da ameaça real, correndo contra o tempo, antes que seja tarde demais. 

Reacher é um dos melhores personagens já criados, em minha opinião. Sou totalmente fã e a cada livro novo mais empolgada eu fico. Para quem não sabe, existem dois filmes baseados em dois dos seus livros, Jack Reacher – O Último Tiro (do livro One Shot) e Jack Reacher: Sem Retorno (do Never go Back). Os filmes são estrelados por Tom Cruise no papel do Reacher. O que me agrada muito pois sou apaixonada pelo ator (mesmo ele não tendo nada das características físicas descritas no livro). 

Este é um dos meus livros favoritos da série, e não tem ligação nenhuma com os anteriores. Jack está de boa viajando de carona, com um casal de velhinhos simpáticos para em seguida estar investigando uma trama intrincada que pode resultar na morte do vice-presidente. Adrenalina do começo ao fim!

Tudo faz sentido, não existe ponta solta e eu confesso que não desconfiei de nada, até que a revelação chegou. Reacher é claro já sabia de praticamente tudo e matou a charada bem cedo, como de costume. Gosto da maneira ágil com que Lee Child conduz a história, foram 420 páginas que passaram em um piscar de olhos. alguns acontecimentos me deixaram bastante triste, mas faz parte não é mesmo? A sina de Jack é não se firmar em lugar nenhum, sempre seguindo para um próximo lugar no final do livro.

Reacher tem aquele jeitinho sedutor, a la James Bond, e atrai as mulheres com muita facilidade. Mas o que me agrada muito é que ele não as trata como objetos, pelo contrário, é um perfeito cavalheiro e preza pelo bem estar delas. Apesar de serem muitos livros (21 até agora), faço questão de ler todos e fico muito feliz em ver que a Bertrand também tem um carinho especial pela série, e esse ano publicou dois livros!! 

Se você gosta de ação e thrillers de tirar o fôlego, essa série é pra você! Recomendo com toda certeza. 😀

Coleção Jacy Reacher, por Lee Child:

  1. Dinheiro Sujo (Killing Floor)
  2. Destino: Inferno ( Die Trying)
  3. Alerta final (Tripwire)
  4. Caçada às cegas (Running Blind)
  5. Miragem em Chamas (Echo Burning)
  6. Serviço Secreto (Without Fail)
  7. Persuader
  8. The Enemy
  9. O último tiro (One Shot) – Foi lançado aqui primeiro e fora da ordem
  10. The hard Way
  11. Bad Luck and Trouble
  12. Nothing to Lose
  13. Gone Tomorrow
  14. 61 hours
  15. Worth dying
  16. The affair
  17. A wanted man.
  18. Never go back
  19. Personal
  20. Make Me
  21. Night School.



19
abr 2016

ARQUIVADO EM: Literatura

a_garota_sem_passadoAutor: Michael Kardos
Editora: Arqueiro
Número de páginas:
304
Avaliação: 
4/5
Onde comprar: Amazon | Americanas | Saraiva | Submarino

Sinopse: Num domingo de setembro de 1991, Ramsey Miller deu uma festa em casa para os vizinhos. Depois, assassinou a esposa e a filha de 3 anos. Todo mundo na pacata cidade de Silver Bay conhece a história.

Só que todos estão errados. A menina escapou. Sob o nome falso de Melanie Denison, ela passou os últimos quinze anos escondida com os tios numa cidadezinha remota. Nunca pôde viajar, ir a uma festa na escola ou ter internet em casa, porque Ramsey jamais foi encontrado e poderia ir atrás dela a qualquer momento.

Mas, apesar das rígidas regras de segurança impostas pelos tios, Melanie se envolve com um jovem professor da escola local e engravida. Ela decide que seu filho não terá a mesma vida clandestina que ela e, para isso, volta a Silver Bay para fazer o que nem os investigadores locais, nem a polícia federal, nem o FBI conseguiram: encontrar seu pai antes que ele a encontre.

Eu amo esse gênero literário, não é novidade nenhuma. A trama desse livro me deixou bastante curiosa, e eu precisava saber o que realmente tinha acontecido com a família de Melanie. Como a sinopse é bem detalhada, vou direto às minhas considerações, ok?

O livro é narrado em terceira pessoa, e alterna entre os pontos de vista de Melanie, Ramsey e Allie (os pais de Melanie). No presente, vemos o que Melanie passa, sua vida restrita e cheia de limitações, e o quanto ela muda logo que descobre sua gravidez. De garota submissa ela se torna uma mulher, decidida a não deixar seu filho(a) passar pelos mesmos problemas. A alternância de pontos de vista (ora no presente, ora no passado), foi o triunfo da narrativa de Michael Kardos, pelo menos para mim. Através desse recurso foi possível acompanhar detalhadamente o que realmente aconteceu naquela fatídica noite, e a cada capitulo, mais a minha ansiedade e curiosidade aumentava. 

“Certas pessoas simplesmente não prestam, e você não pode deixar que elas atrapalhem a sua vida.”

Quando Melanie retorna a sua cidade natal, Silver Bay, ela conta com a ajuda de Arthur Goodale, um jornalista aposentado que possui um blog, onde conta sua frustração em não ter resolvido o caso Miller, que nada mais é que o caso da família de Melanie. Com a supervisão de Arthur, Melanie vai encontrando pistas e montando o quebra-cabeças que é a sua história. 

A narrativa é fluída e bem rápida, são trinta capítulos curtos que passam voando. Os personagem foram bem construídos, e Michael Kardos conseguiu me deixar bastante confusa com cada um, eu não conseguia ter certeza de nada e ao final fui surpreendida. Ramsey Miller é um homem complexo, teve uma infância e uma adolescência conturbada, e só conseguiu melhorar quando conheceu a mãe Melanie. Tudo o que achamos saber, não é nem 1/5 da verdade. 

A Garota sem passado é um thriller surpreendente, repleto de suspense e reviravoltas. O final é brilhante e deixou-me com o queixo caído. Recomendo muito! Só não leva nota máxima porque senti falta de uma determinada conclusão (seu eu disser, vai ser spoiler), mas isso não tira a beleza da trama. 🙂



17
ago 2015

ARQUIVADO EM: Literatura
gelo-negroAutor: Becca Fitzpatrick
Editora: Intrínseca
Número de páginas: 304
Classificação: 4/5

Sinopse: Britt Pfeiffer passou meses se preparando para uma trilha na Cordilheira Teton, um lugar cheio de mistérios. Antes mesmo de chegar à cabana nas montanhas, ela e a melhor amiga, Korbie, enfrentam uma nevasca avassaladora e são obrigadas a abandonar o carro e procurar ajuda. As duas acabam sendo acolhidas por dois homens atraentes e imaginam que estão em segurança.

Os homens, porém, são criminosos foragidos e as fazem reféns. Para sobreviver, Britt precisará enfrentar o frio e a neve para guiar os sequestradores para fora das montanhas. Durante a arriscada jornada em meio à natureza selvagem, um homem se mostra mais um aliado do que um inimigo, e Britt acaba se deixando envolver. Será que ela pode confiar nele? Sua vida dependerá dessa resposta.

Eu gosto muito da série Hush Hush, apesar de seus altos e baixos. Quando vi que Becca Fitzpatrick tinha escrito um novo livro, e dessa vez um thriller de suspense, fiquei bem empolgada, mas consciente de que seria um thriller YA. Isso foi ótimo, pois assim não me decepcionei e consegui curtir muito a leitura. \o/

Britt tem apenas 17 anos e não superou o fim do namoro com Calvin – irmão de sua melhor amiga, Korbie. Devido à isso ela se prepara durante o ano todo para fazer um trilha nas montanhas, ao invés de ir para o Havaí, como todas as suas amigas. Britt sente necessidade de mostrar do que é capaz, Ela não fica assim tão feliz quando descobre que os pais de Korbie pediram para que Calvin acompanhasse as meninas, mas Britt entende que é uma boa forma de mostrar que ela não é mais a garotinha que ele abandonou.

O que Britt não esperava era a nevasca que as pegaria no caminho. Ela e Korbie se veem presas na neve, sem a menor possibilidade de seguir adiante de carro. Britt decide então que elas devem descer da caminhonete e buscar refúgio em um dos chalés da montanha. Na cabana elas encontram Mason e Shaun, e apesar da boa aparência de ambos, eles logo se mostram diferente do que elas imaginavam. Britt agora vai precisar ser muito esperta para salvar a sua melhor amiga, e a si mesma.

“Mas acho que essa é a questão, não é mesmo? Você nunca sabe o que terá que enfrentar, então é melhor estar preparado.”

Gelo Negro tem uma boa dose de suspense, mas um suspense leve. Nas primeiras cenas do livro um assassinato é relatado, e no decorrer da trama vamos encaixando as peças, o final é um pouco previsível, mas ainda assim gostei bastante do desenrolar. A narrativa de Becca Fitzpatrick é fluída e cativante, eu li o livro todo em um dia, simplesmente porque não conseguia largar o livro. Não há nenhuma cena que embrulhe o estômago ou faça roer as unhas, Becca escreve para um público mais jovem, não tão conhecer de livros de suspense. Então, se esse é seu gênero preferido, pode ser que a leitura não te cative tanto assim.

“Por um momento, achei aquela imagem muito sedutora, e na mesma hora me repreendi por ter me sentido atraída por ele. Não era real. Se a Síndrome de Estocolmo existia, eu tinha certeza de que minha atração era um sintoma inicial.”

Britt é uma personagem mimimi, ela cresceu cercada de cuidados pelo pai e irmão, então ela acha que sempre alguém vai salvá-la, pois a vida dela é assim. Seu relacionamento com Korbie é bem estranho, mais parece uma competição do que uma amizade saudável, mas as duas não se desgrudam. A obsessão de Britt por Calvin também é irritante, mesmo com todas as descrições maravilhosas que Britt faz do ex-namorado, eu não conseguia gostar dele. Por sorte Britt vai amadurecendo, então minha irritação com ela passa rápido.

“Estávamos mais para irmãs do que amigas: amávamos uma a outra, embora nem sempre gostássemos uma da outra.”

O meu personagem preferido é o Mason, acho que se o livro tivesse sido narrado por ele, e não pela Britt, a história teria sido mais intensa, Mason é um personagem cativante, não dá para realmente saber o que ele está pensando. Agora, a personagem mais imbecil da trama é Korbie, sério, que garota ridícula! Eu torci o livro inteiro para que ela morresse logo. 

Resumindo, Gelo Negro não é um livro perfeito, mas é empolgante e gostoso de ler, recomendo sim. Diminua suas expectativas e boa leitura. \o/

badge_post_01



5
out 2013

ARQUIVADO EM: Sem categoria

Nina Borg #1
Autor: Lene Kaaberbøl e Agnete Friis

Editora: Arqueiro
Número de páginas: 251

Avaliação:
(Skoob)


Nina Borg é uma enfermeira da cruz vermelha, extremamente dedicada ao seu trabalho. Tanta dedicação às vezes faz com que ela deixe sua família de lado. Certo dia sua amiga Karin lhe pede um favor, que de início não é nada estranho, ela pede que Nina vá até a estação ferroviária e pegue uma mala no guarda-volumes. O que ela não podia imaginar é que dentro dessa mala havia um garotinho de 3 anos, nu e dopadoDecidida a chamar a polícia, Nina volta até dentro da estação ferroviária, mas ao se deparar com um homem arrebentando o armário onde o garotinho estava, ela resolve fugir com a criança e descobrir quem ela é. 

Sigita é uma boa mulher, mãe solteira sempre deu o seu melhor para cuidar bem de seu pequeno Mikas. No entanto, ela acorda no hospital, com o braço fraturado e um alto teor alcoólico no sangue. Sigita não bebe, e sua última lembrança é de estar com o filho no parque. Quando sai do hospital, ela vai até a casa de sua vizinha, onde ela acredita que Mikas está, mas para seu total desespero, Mikas não está ali, e ninguém tem ideia de onde seu filho possa estar
********

“A mala não estava trancada a cadeado, apenas protegida por dois fechos metálicos e uma correia resistente. Mesmo com as mãos trêmulas – uma delas dormente por causa do peso carregado de tão longe -, ela conseguiu abri-la.
O susto foi tão grande que ela caiu para trás (…) Dentro da mala havia um menino nu.” Pág. 05

O menino da mala foi uma surpresa deliciosa! Li o livro em poucas horas, eu precisava saber qual seria o desfecho da trama criada por Lene Kaaberbøl e Agnete Friis. Confesso que quis ler o livro por causa do comentário da Publishers Weekly que compara Nina Borg à Lisbeth Salander (Trilogia Millenium). ESQUEÇAM essa comparação sem sentido. Nina Borg nunca chegará aos pés de Lisbeth. Mas, ainda sim o livro é muito bom.

As autoras usaram diferentes pontos de vista na narrativa, apesar de alguns nomes bem estranhos – a história se passa na Dinamarca -, foi muito fácil acompanhar o desenrolar da trama, em nenhum momento me senti perdida, essa dinâmica funcionou muito bem, foi como se eu assistisse a um filme. No decorrer do livro vamos descobrindo detalhes dos personagens, situações do passado de cada um. São diversos personagens interessantes e bem construídos, só não vou entrar em detalhes de cada um para não estragar a leitura de vocês.

Meu único problema foi com a própria Nina, para uma protagonista, que vai encabeçar os próximos livros da série, ela é muito apagadinha. Não fez sentido para mim ela deixar o marido e os filhos tão de lado para tentar salvar o garoto. Ela se esforçou ao máximo para proteger o menino, e mesmo o fato de eles não falarem a mesma língua, não foi empecilho para Nina. Mas com o marido, que fala a mesma língua que ela, parecia que não havia entendimento. Talvez a intenção das autoras tenha sido essa mesmo, mas não gostei. Além disso, Nina não se mostrou uma heroína de verdade, achei Sigita muito mais valente e perspicaz. Vou querer ler os próximos livros, tenho esperança de que Nina mude para melhor

A Editora Arqueiro merece os parabéns, além da revisão estar caprichada, a capa é linda, a mais bonita de todas as edições que eu vi por aí, sem contar o capricho no kit que eles montaram (mostrei nesse vídeo).

O menino da mala é um thriller empolgante e convincenteLene Kaaberbøl e Agnete Friis me deixaram com o coração na mão de tanta ansiedade! Leitura recomendada!






ilustrações design e desenvolvimento