mm1 mm2 mm3mm4 mm5 mm6 mm7


30
mar 2015

ARQUIVADO EM: Literatura

After_Depois_Da_Verdade_CAPAAfter – Depois da verdade #2
Autor:  Anna Todd
Editora: Paralela
Número de páginas: 632
Avaliação:  4/5

Sinopse: After – Depois da Verdade – Depois de bater a marca de um bilhão de acessos na plataforma de leitura Wattpad, a série After vira o novo fenômeno editorial. No segundo livro, Tessa tenta esquecer Hardin, o jovem caótico e revoltado que partiu seu coração em vários pedaços. Mas ela está prestes a descobrir que alguns amores não podem ser superados. Como apagar da memória as noites apaixonadas em seus braços, ou a eletricidade de seu toque? Hardin sabe que cometeu o pior erro de sua vida ao ter magoado Tessa tão profundamente. Ele não acha que merece tê-la de volta, mas se recusa a deixá-la partir. Neste livro, Hardin vai lutar com toda a sua força para reconquistar o grande amor da sua vida. Ao longo do caminho, os seus mais profundos segredos serão revelados. Depois da verdade, será que o amor de Tessa e Hardin resistirá?

Se você ainda não leu o primeiro livro da série, cuidado, este post pode conter spoilers!

O livro começa de forma que o leitor relembre o final do primeiro. Quando é revelado à Tessa a aposta que foi feita em torno dela, de seu relacionamento com Hardin. Tessa acaba voltando pra casa da mãe, mas não aguenta permanecer por muito tempo. Aqui abro um parênteses pra perguntar: só eu acho a mãe dela uma bruxa (insira aqui o palavrão que quiser)?

Como o clima por lá não é dos melhores, Tessa vai pra um hotel, mas não tem muita grana pra se manter e nem está com todas as suas coisas, a maioria foi deixada no apartamento onde ela e Hardin estavam morando. Ela resolve ir até lá pra pegar tudo, quando é surpreendida por Hardin e a mãe dele, que chegou da Inglaterra pra passar uns dias com eles, e não tem conhecimento que os dois terminaram. Os dois resolvem esconder a briga e acabam convivendo alguns dias. Essa é a deixa para que se reconciliem.

“Não posso prometer que não vou te magoar de novo, mas posso jurar que vou te amar até o dia em que morrer. Sou uma pessoa terrível, e não mereço você, mas espero que me dê a chance de recuperar sua fé em mim. Lamento a dor que causei, e entendo se você não puder me perdoar. “

Mas quem leu o primeiro livro sabe como funciona o casal Tessa x Hardin. Os dois brigam o tempo todo. Hardin é um imbecil na maior parte do tempo, porque fala os piores palavrões existentes no planeta, mas ainda assim (pelo menos eu), é impossível odiá-lo.

Neste livro, mesmo que eu ainda o ache extremamente grosseiro, sinto que ele não esconde mais todo o sentimento que tem por Tessa. Porque no primeiro livro, ele sentia dificuldade em expor (se expor) com ela em público – a não ser quando rolavam os barracos entre os dois – e neste livro, ele não tem problemas em andar com ela de mãos dados, em demonstrar o amor (louco) que sente por ela.

Achei que Tessa está menos imatura, menos boba. No primeiro livro sentia muita raiva dela, por ela se sujeitar a tudo o que Hardin dizia e depois voltar com o rabo entre as pernas, em nome do amor. Ok. Entendo que quando se ama, a pessoa passa por cima de muita coisa, mas Tessa era boba demais. No segundo livro, ela é mais durona, consegue se manter firme quando pensa em ficar longe de Hardin e em alguns momentos dá vários ultimatos e se mantém firme.

Mas o livro basicamente gira em torno dessas brigas. São 632 páginas de muita gritaria, baixaria e reconciliações. Porém, estava comentando com algumas amigas que a autora consegue ser sensacional em todas as 632 páginas, porque as brigas giram em torno dos mesmos motivos, mas não são todas idênticas. Será que me fiz  entender? Tem briga o tempo todo, mas isso não torna o livro cansativo. Pelo contrário, a autora se superou em escrever cada uma delas.

A narrativa acontece em primeira pessoa, intercalando entre Tessa e Hardin em capítulos curtos. É impossível parar de ler, é viciante. O tempo todo eu torcia pra que os dois se acertassem, mas ainda tem muita água pra rolar nessa história, porque vem mais dois livros por aí!

Hardin ainda apronta várias. Brigas com o pai, segredos (terríveis) do passado, que ele esconde de Tessa e que são revelados neste tempo que a mãe dele passa com eles.

“Quando você aceita mentiras demais, fica difícil encontrar o caminho de volta para a verdade”.

Só não dei 5 estrelas por um único motivo: estava lendo avidamente e quando viro a página……ACABOU O LIVRO. Gente, como assim? Como você pode fazer isso com a gente, Anna Todd???? Sério gente, fiquei tão irritada com a autora naquele momento, que minha vontade era mandar uma mensagem pra ela via twitter reclamando do final hahahaha. Mas claro, o final não poderia ser diferente. Tinha que ter outra bomba pra deixar todos nós ansiosos pelo próximo livro. E não sei vocês, mas eu, mal posso esperar.

Se você leu o primeiro livro, não espere mais pra ler “After – Depois da verdade”, você vai amar. =)

Leia a resenha do primeiro livro aqui!



23
mar 2015

ARQUIVADO EM: Literatura

odesafioO desafio
Autor:  Rachel Van Dyken
Editora: Suma de Letras
Número de páginas: 360
Avaliação:  4/5

Sinopse: O Desafio – Como vai? Quer dizer, faz tanto tempo!”
Na verdade, fazia onze meses, uma semana e cinco dias. Mas quem é que estava contando? Não ela.
Jake Titus é rico demais, bonito demais e arrogante demais: qualidades que, anos antes, fizeram Char Lynn viver com ele a melhor noite de sua vida — e em seguida a pior manhã, quando ele a dispensou. Agora terão que se reencontrar no casamento de Kacey, a melhor amiga dos dois. Seria uma situação estranha, mas suportável… Se vovó Nadine não tivesse sido desafiada a uni-los.
Como padrinho e dama de honra dos noivos, Jake e Char têm que passar cada vez mais tempo juntos. Ele é um galinha mimado, e ela é uma garota maluca. Então por que não conseguem resistir um ao outro?
Quando Jake para de se comportar como um babaca e começa a agir como o homem que Char sempre teve esperança de que ele pudesse ser, fica cada vez mais difícil lembrar que ele já a magoou. E agora Jake vê nela tudo que sempre quis — só precisa fazer Char acreditar nisso.

Char sempre foi apaixonada por Jake. Desde criança ele faz parte dos seus sonhos. Mas ela sempre foi “estranha”. A que sempre era motivo de risos por parte das amigas. Porém, o tempo passa e os dois seguem caminhos diferentes, até que se encontram e passam uma única noite juntos. Sim. Porque quando acorda no dia seguinte, Char percebe que Jake havia ido embora e deixado um bilhete agradecendo pela noite que passaram juntos.

Char continua vivendo sua vida de jornalista, com seu sonho de virar repórter. Até que os dois inevitavelmente se encontram porque são convidados para serem padrinhos de Kacey e Travis. Com isso, vão ter que passar um tempo juntos. Como Char vai conseguir suportar a arrogância de Jake? Porque sim, Jake é rico, mimado, arrogante e muito seguro por saber que exerce um grande poder sexual sobre as mulheres.

Porém, ele não contava com a “intervenção” de vovó Nadine, que aparece com o desafio de uní-lo à Char.Será que isso tem como acabar bem?

O Desafio é o livro que precede A Aposta (resenha aqui), primeiro livro da série Aposta. E adorei a forma como a autora de uma certa forma nos fez participar um pouco mais da vida de Kacey e Travis, personagens do primeiro livro. Mas confesso que me apaixonei ainda mais pelo casal deste segundo livro: Char e Jake. Mesmo Jake tendo se mostrado um chato no começo do livro, isso acabou mudando no decorrer da leitura.

A história é narrada em terceira pessoa, pelos dois personagens e temos também participação de Kacey e Travis. Adoro esse tipo de narrativa, porque sinto que conhecemos o “íntimo” de cada personagem, o que realmente sentem, pensam sobre tudo o que se passa na história.

E o que dizer sobre vovó Nadine? Assim como no primeiro livro ela arrasou em O Desafio. Porque ela é inteligente, divertida e mesmo no auge dos seus mais de 80 anos é toda feminina e sexy. Ri demais em todas as cenas em que ela participa. Com certeza, a personagem foi essencial para que a história se tornasse tão boa. Vovó Nadine foi uma tacada de mestre da autora, e espero que ela também participe do próximo livro da série.

O livro é um romance leve e divertido. A autora escreve de forma com que a gente se sinta atraído pelos personagens que são apaixonantes e engraçados. Recomendo muito a leitura.



9
mar 2015

ARQUIVADO EM: Literatura

CAPA-Por-lugares-incríveisPor lugares incríveis
Autor:  Jennifer Niven
Editora: Seguinte
Número de páginas: 336
Avaliação:  4/5

Sinopse: Por Lugares Incríveis – Dois jovens prestes a escolher a morte despertam um no outro a vontade de viver.
Violet Markey tinha uma vida perfeita, mas todos os seus planos deixam de fazer sentido quando ela e a irmã sofrem um acidente de carro e apenas Violet sobrevive. Sentindo-se culpada pelo que aconteceu, Violet se afasta de todos e tenta descobrir como seguir em frente. Theodore Finch é o esquisito da escola, perseguido pelos valentões e obrigado a lidar com longos períodos de depressão, o pai violento e a apatia do resto da família.
Enquanto Violet conta os dias para o fim das aulas, quando poderá ir embora da cidadezinha onde mora, Finch pesquisa diferentes métodos de suicídio e imagina se conseguiria levar algum deles adiante. Em uma dessas tentativas, ele vai parar no alto da torre da escola e, para sua surpresa, encontra Violet, também prestes a pular. Um ajuda o outro a sair dali, e essa dupla improvável se une para fazer um trabalho de geografia: visitar os lugares incríveis do estado onde moram. Nessas andanças, Finch encontra em Violet alguém com quem finalmente pode ser ele mesmo, e a garota para de contar os dias e passa a vivê-los.

A sinopse praticamente resume o livro todo. Violet carrega uma tristeza enorme pela perda da irmã em um acidente de carro em que ela estava junto. De garota popular, que namorava o menino mais lindo (e também) popular da escola, ela se torna uma garota introspectiva e não vê a hora do ano letivo terminar.

Finch é o garoto estranho. O que sofre bullying por ser “esquisito”, é chamado de aberração e pesquisa uma forma de cometer o suicídio “perfeito”. E um dia eles se encontram no alto do prédio da escola. Os dois com a intenção de pular. Mas Violet está bem mais perto disso e Finch a salva. Porém, como Violet é a garota popular, ela passa a ser considerada uma heroína, porque todos pensam que ela foi quem salvou Finch e não o contrário.

Na sala de aula, acabam formando uma dupla para o trabalho de geografia. Eles precisam visitar lugares incríveis no estado onde residem. E com isso o dois se aproximam ainda mais e começam a viver uma história juntos.

Confesso que quando comecei a ler o livro, estava achando enfadonho. Mas à medida, que fui percebendo o que realmente se passava com Finch, a autora me conquistou.

A história é extremamente triste. Fala sobre violência doméstica, depressão, bullying…enfim, inúmeros problemas que pessoa nenhuma no mundo deveria enfrentar, muito menos um adolescente.

A narração é intercalada entre os pontos de vista de Finch e Violet, o que faz com que o leitor conheça a fundo os dois personagens, seus medos, suas aflições. Os diálogos entre os personagens são impressionantes, intensos, muitos deles de tirar o fôlego.

Mesmo a autora tendo mexido com temas muito fortes, soube fazer isso com maestria. Ela conta que este é seu primeiro livro para jovens leitores. E o que também me tocou bastante, foi o fato de que de uma certa forma, o livro foi inspirado em acontecimentos de sua vida real.

Por lugares incríveis é um livro para fazer pensar sobre a vida. Sobre aproveitar todos os momentos da melhor forma possível. É uma leitura muito triste, com um desfecho que talvez não agrade a todos (caso esperem um final feliz), mas que recomendo muito.



2
mar 2015

ARQUIVADO EM: Literatura

CAPA-Até-você-ser-minhaAté você ser minha
Autor:  Samantha Hayes
Editora: Intrinseca
Número de páginas: 352
Avaliação:  5/5

Sinopse: Até Você Ser Minha – A assistente social Claudia Morgan-Brown está prestes a realizar o sonho de sua vida: vai dar à luz uma menininha. Apesar da ausência do marido ao longo da gravidez – James é oficial da Marinha e fica semanas e até meses longe de casa –, ela mal pode esperar para segurar seu bebê nos braços após várias tentativas e perdas.
Porém, as diversas tarefas de Claudia, além da responsabilidade de cuidar dos gêmeos Oscar e Noah, filhos do primeiro casamento de James, deixam o casal preocupado. A próxima partida de James se aproxima, e eles decidem contratar uma babá.
Zoe Harper quer muito o emprego. Com as melhores recomendações, ela conquista os gêmeos e se muda para o lar do casal. Mas Claudia logo percebe que a mulher tem outros motivos para se aproximar da família.
As suspeitas de Claudia se transformam em verdadeiro terror quando começa a ocorrer uma série de ataques brutais a mulheres grávidas na cidade. Imersos em problemas familiares, os investigadores Lorraine Fisher e Adam Scott são forçados a deixar suas questões de lado e correr contra o tempo para encontrar o assassino antes que ele cometa mais um crime.
Uma narrativa repleta de reviravoltas, Até você ser minha traz os desejos humanos mais intensos e mostra quão longe alguém pode chegar para conseguir o que quer.

Claudia está prestes a dar a luz. Depois de vários abortos, ela finalmente vai realizar o grande sonho de ser mãe. Claudia é casada com James, pai de dois garotinhos gêmeos (Oscar e Noah), que ficaram órfãos bebezinhos, quando perderam a mãe para o câncer, e quando está prestes a dar a luz, decide que precisam de uma babá, para ajudar com os meninos e também com sua bebê, porque ela não pretende deixar o emprego de assistente social.

Ela e James fazem o anúncio e depois de entrevistar Zoe, resolvem contratá-la. Zoe é uma pessoa agradável, sempre solícita. No entanto, Claudia começa a ter várias suspeitas por conta de algumas atitudes de Zoe e isso ao mesmo tempo que começam a acontecer vários crimes contra grávidas na cidade.

Lorraine e Adam são os investigadores dos crimes e acabam chegando até Claudia, quando descobrem que uma das mulheres atacadas, era atendida pelo serviço social, onde Claudia trabalha. E então, ela descobre que Zoe teve acesso à ficha da mulher atacada. E definitivamente, o pavor se instala. E ela passa a suspeitar e a ter muito medo de Zoe.

Falar mais que isso é estragar toda a surpresa que este livro MARAVILHOSO traz no final. Quem me conhece sabe o quanto adoro suspense, mas confesso que a autora me pegou totalmente de surpresa.

O livro prende do início ao fim. Os personagens são fortes, intensos. Mesmo os personagens secundários, como Lorraine e Adam (os investigadores), tem toda uma história dentro da trama. A infidelidade de Adam com Lorraine. Os problemas com as filhas dentro de casa. Nunca havia lido nada dessa autora (não sei se ela tem outros livros), mas posso dizer que ela ARRASOU nesse livro!

Quando eu achava que havia entendido o motivo do crimes, a autora mandou a bomba. E UAU! Que bomba.

É uma trama cheia de suspense, do início ao fim. Mesmo sendo um livro longo (quase 400 páginas), li tão rápido e tão ávida pelo final, para desvendar o mistério que envolve as agressões contra as mulheres grávidas, que nem senti o tempo passar. Os capítulos finais foram aterrorizantes. E o final…….NOSSA!

Como eu sempre digo, é impossível fazer resenhas enormes de livros de suspense, porque sempre acaba-se correndo o risco de escrever mais do que deve. Então, se posso dar uma dica: Leiam! Porque vocês não vão se arrepender.



23
fev 2015

ARQUIVADO EM: Literatura

AMORTEDESARAINa Companhia de Assassinos #1
Autor:  J.A. Redmerski
Editora: Suma de Letras
Número de páginas: 255
Avaliação:  5/5

Sinopse: A Morte de Sarai – A autora do best-seller de “Entre o agora e o nunca” e “Entre o agora e o sempre” traz uma história de paixão e sobrevivência.
Sarai era uma típica adolescente americana: tinha o sonho de terminar o ensino médio e conseguir uma bolsa em alguma universidade. Mas com apenas 14 anos foi levada pela mãe para viver no México, ao lado de Javier, um poderoso traficante de drogas e mulheres. Ele se apaixonou pela garota e, desde a morte da mãe dela, a mantém em cativeiro. Apesar de não sofrer maus-tratos, Sarai convive com meninas que não têm a mesma sorte.
Depois de nove anos trancada ali, no meio do deserto, ela praticamente esqueceu como é ter uma vida normal, mas nunca desistiu da ideia de escapar. Victor é um assassino de aluguel que, como Sarai, conviveu com morte e violência desde novo: foi treinado para matar a sangue frio. Quando ele chega à fortaleza para negociar um serviço, a jovem o vê como sua única oportunidade de fugir. Mas Victor é diferente dos outros homens que Sarai conheceu; parece inútil tentar ameaçá-lo ou seduzi-lo.
Em “A morte de Sarai”, primeiro volume da série Na Companhia de Assassinos, quando as circunstâncias tomam um rumo inesperado, os dois são obrigados a questionar tudo em que pensavam acreditar. Dedicado a ajudar a garota a recuperar sua liberdade, Victor se descobre disposto a arriscar tudo para salvá-la. E Sarai não entende por que sua vontade de ser livre de repente dá lugar ao desejo de se prender àquele homem misterioso para sempre.

Sarai tinha 14 anos quando a mãe que era viciada em drogas a levou para o México e a entregou para Javier, um poderoso traficante de drogas e mulheres. E durante 9 anos, Sarai foi sua escrava sexual. Presenciando os horrores pelos quais, outras mulheres/meninas, também prisioneiras como ela, passavam. Até que um dia, vê em um americano (matador), a oportunidade de fugir, em busca de sua liberdade.

Mas o que Sarai achava ser fácil, se tornou ainda mais perigoso. Victor, o matador de aluguel não tem coração. Mesmo quando ela o ameaça, usando uma arma, ele não cede. E ela percebe que ele vai usá-la como moeda de troca, para conseguir o que realmente pretende de Javier.

A história acaba tendo surpresas inesperadas e tomando rumos totalmente diferentes. É quando Victor começa a “ajudar” Sarai. Mas ao mesmo tempo, quer manter distância dela. Ele é um matador de aluguel, segue ordens da Ordem e não pode e nem deve se envolver com mulheres, principalmente com Sarai.

“Se escolher ir comigo, saiba que pode morrer. Vou fazer todo o possível para manter você a salvo, mas isso não é garantia. Por mais que você confie em mim, nunca, sob qualquer circunstância, deve confiar totalmente em alguém. No final, você só pode confiar em si mesma. Eu não sou seu herói. Não sou sua alma gêmea que jamais deixará que nada de ruim lhe aconteça. Sempre confie em seus instintos primeiro e em mim, se decidir confiar, por último.”

A história toda é narrada em primeira pessoa, intercalando a narração entre Victor e Sarai. E achei fantástico, por poder ter a chance de poder saber o que se passava na cabeça de Victor. E aqui, já digo que mesmo ele sendo matador, um verdadeiro bad boy me apaixonei por ele. Lá no finalzinho do livro, mas me apaixonei….não vou poder contar aqui o motivo, mas se tiverem a oportunidade de ler o livro, vão entender porque.

Confesso que não estava super empolgada pra ler esse livro. Já tinha lido os anteriores da autora: Entre o Agora e o Nunca e Entre o Agora e o Sempre e mesmo tendo gostado dos dois livros, não estava realmente empolgada pra ler A morte de Sarai. Acho que esperava que fosse um livro “mais do mesmo”. Mas a autora me surpreendeu.

O livro é daqueles que a gente fica prendendo o ar o tempo todo, de tanta tensão, ansiosa pra saber o que acontece a seguir. Tem suspense e tem romance. Mas não é um romance água com açúcar. Não é um romance desses que estamos acostumadas a suspirar por conta das cenas entre a mulher e o homem. É algo completamente diferente, porque não é apresentado no livro de forma explícita.

A autora me surpreendeu também quando não teve medo de colocar no livro cenas de violência e a história é cheia de mortes. Lembrem-se, Victor é um assassino (desde os 9 anos, preparado pela Ordem, especialmente pra isso). E ele mata sem nem ao menos piscar. Mas isso não choca o leitor. Pelo menos não chocou a mim. E é por isso, que passei a “enxergar” a autora de forma diferente. Ela mudou totalmente o estilo nesse livro.

A morte de Sarai é o primeiro de uma série de 4 livros e confesso que estou super ansiosa pra ler o segundo, que infelizmente ainda não foi lançado no Brasil. O final do livro fica meio que em aberto, mas podem ler sem medo, que vocês não vão se decepcionar. 😉



9
fev 2015

ARQUIVADO EM: Literatura

SEMESPERANÇAHopeless #2

Autora: Colleen Hoover

Editora: Galera Record

Número de páginas: 320

Avaliação: 4.5/5

Sinopse: Assombrado pela culpa e pelo remorso por não conseguir salvar Hope nem Less, Holder desenvolveu uma personalidade agressiva. Mas, quando finalmente se depara com Hope depois de tantos anos, não poderia imaginar que o sofrimento seria ainda maior após o reencontro. Em Sem esperança, Holder revela como os acontecimentos da infância de Hope, que agora se chama Sky, afetaram sua vida e sua família, fazendo-o buscar a própria redenção na possibilidade de salvá-la. Mas é apenas amando Sky que ele finalmente será capaz de começar a se reconciliar com si mesmo.

Se você ainda não leu “Um caso perdido”, o primeiro livro da série, cuidado! Essa resenha pode conter spoiler.

Holder era amigo de infância de Hope. Os três eram inseparáveis. Ele, Hope e Less, sua irmã gêmea. Até que um dia, tudo muda. Hope entra em um carro que para em frente à sua casa e nunca mais aparece. Holder passa 13 anos tentando entender o que aconteceu com ela, até que encontra Sky, uma garota que faz com que ele se lembre demais de Hope. Até o dia que suas suspeitas se confirmam. Realmente Sky é Hope, sua amiguinha de infância. Mas o que realmente aconteceu com ela? E como dizer a ela que ela foi levada por Karen (sua mãe adotiva)?

Holder relembra momentos que ele e Less passavam com Hope e fala sobre o presente. Em como está difícil superar a morte de sua irmã Less, que cometeu o suicídio. Um dos momentos mais tensos e intensos é quando Holder descobre o real motivo que a levou ao suicídio.

Uma das surpresas do livro, são as cartas que Holder escreve para Less após sua morte. São cartas carregadas de emoção, anseios, receios e desabafos sobre como se sente sobre tudo: a escola, o sofrimento após a morte dela e o desenrolar de seu relacionamento com Sky.

Este é o segundo livro da série Hopeless e todo narrado por Holder. Na verdade, o livro repete toda a história do primeiro livro, mas sob a visão dele, e para quem tem receio de que a história vai se tornar cansativa e repetitiva, pode ler sem medo, porque “Sem esperança”, é ainda mais emocionante que “Um caso perdido”.

A autora surpreendeu em destacar alguns personagens, como Daniel, amigo de Holder e Breckin, amigo de Sky. E adorei isso!

Na verdade, acabei de emocionando de novo com a história de Sky (Hope) e Holder. Me revoltei de novo com o pai de Sky, senti raiva, chorei, me indignei. Enfim, amei “Sem esperança”.

O único ponto negativo é o mesmo do primeiro livro: a capa. Não curti nem um pouco essa capa. Achei o rapaz de capa bem diferente do Holder do livro. Parece ser bem mais velho que ele também (Holder tem 18 anos, na história). Mas claro, opinião minha. Cada um tem um gosto…rs.

Tirando isso, o livro é perfeito. Em todos os sentidos. E recomendo muito a leitura.

* Para ler a resenha do primeiro livro da série, Um caso perdido, clique aqui!

** Depois que terminei de escrever a resenha, fui procurar mais informações sobre o moço da capa deste livro. E ele é Griffin Peterson, cantor que em parceria com a Colleen Hoover criou todas as músicas da trilha sonora do casal de um outro livro da Colleen, “Maybe Someday”. Griffin tem 22 anos e é um gato, infelizmente (na minha opinião) não escolheram sua melhor foto para a capa de “Sem esperança”.



2
fev 2015

ARQUIVADO EM: Literatura

feiaFeia

Autora: Constance Briscoe

Editora: Bertrand Brasil

Número de páginas: 364

Avaliação: 5/5

Sinopse: Qual será o limite da maldade de uma mãe com sua filha?
Entreguei a minha fotografia, tirada na escola, para minha mãe. Ela olhava da fotografia para mim. De mim para a fotografia. Então disse: “Meu Deus, como ela pode ser tão feia. Feia. Feia.”
Essas palavras cruéis são apenas o começo. A mãe de Constance foi sistematicamente violenta com a própria filha, física e emocionalmente, durante toda a sua infância. Apanhando e sendo privada de comida, Constance estava tão desesperada, que foi sozinha até o Serviço Social e suplicou por proteção. Quando isso não deu certo, tentou dar fim à vida, tomando alvejante, uma vez que era chamada de “germe” por sua mãe. Desenvolveu caroços nos seios, uma situação médica rara para uma criança, por conta dos beliscões nos mamilos e socos desferidos pela mãe. Quando tinha 13 anos, foi abandonada em casa por sua conta e risco: não havia gás, luz ou comida.
Entretanto, de alguma maneira, Constance encontrou coragem para sobreviver. Esta é a sua comovente — e essencialmente triunfante e inspiradora — história.
Pelo fato de ter relatado as memórias de sua infância em Feia, que já vendeu quase meio milhão de cópias em todo o mundo, Constance foi processada por difamação por Carmen Briscoe-Mitchell, sua mãe. No entanto, o júri foi unânime em reconhecer a veracidade da autobiografia, comprovada pelas cicatrizes, testemunhos e relatos médicos. Durante o julgamento, Constance disse que decidira escrever a sua história como exemplo de superação das adversidades e porque a sua mãe não merecia o seu silêncio.

Há um tempo, uma amiga indicou a leitura desse livro, o tempo foi passando e fui deixando. E agora me pergunto porque não li antes?

O livro conta a história real de Constance, uma menina negra, que sofreu todo tipo de  violência dentro de sua própria casa.

Desde ser xingada, espancada, expulsa de casa, ter que dormir ao relento, trabalhar  desde a infância para “pagar” sua comida, o teto em que morava, Constance passou por todo o tipo de provação, de uma pessoa que deveria ser sua protetora, deveria dar amor, dar um lar digno.

Você está dormindo na minha cama, se cobrindo com o meu cobertor, deitada no meu travesseiro e se aquecendo com o meu gás e a minha luz e não quer pagar por essas coisas. Vamos ver – ela disse.

…então você não vai pagar a tua parte? – Então ela fechou a mão e me socou na têmpora. Eu balancei na cadeira e então me desestabilizei. O segundo golpe me derrubou da cadeira.

Constance passou a vida achando que se chamava Clare. Não sabia que seu nome era esse, até o momento em que entrou na faculdade. Porque foi assim que passou a vida sendo chamada – Clare – por sua mãe e por toda a família.

Por se tratar de um livro de não ficção à medida que lia, ficava tentando imaginar os motivos que levava a mãe a tratá-la pior que um animal. Chamava de burra, de feia, e quando não estava espancando, a ignorava solenemente. Pior que as cicatrizes físicas, são as psicológicas. Mesmo sabendo que Constance se tornou uma juíza importante, é impossível deixar de imaginar as marcas que essa menina, hoje mulher, leva na alma.

O livro me trouxe tanto sofrimento ao ler! Porque sou mãe e jamais me imaginaria cometendo todas as atrocidades que a mãe de Constance cometeu contra ela. As surras, as palavras ferinas, o desprezo, o ódio, o desamor. Ao mesmo tempo que tentava entender os motivos, tinha a certeza de que nada justifica tamanha violência (física e psicológica), contra uma criança.

– Você pode dormir no vento, que para mim, não faz diferença.

– O que foi que eu fiz agora? – eu perguntei.

– Ah, você simplesmente respira – ela disse – Você respira e nada mais, na verdade.

Não bastassem os abusos por parte da mãe, Constance ainda foi vítima de abusos sexuais por parte não só do padrastro, mas também por parte de um dos vizinhos que frequentava sua casa.

Já li várias biografias. Sobre os assuntos mais variados. Sobre mulheres que passaram décadas em cárcere privado, mas jamais havia lido um livro como “Feia”, que retrata o sofrimento de uma criança, causado pela pessoa que mais deveria amá-la e protegê-la em toda sua vida: sua própria mãe.

Recomendo a leitura para quem é forte, porque o livro é realmente emocionante demais, os momentos de violência contra a personagem doeram em mim. Impossível sofrer o que Constance sofreu, mas ler o livro me fez imaginar os horrores pelos quais essa menina passou.



26
jan 2015

ARQUIVADO EM: Literatura

vermelhoTrilogia Branca de Neve – Livro 01

Autora: Salla Simukka

Editora: Novo Conceito

Número de páginas: 240

Avaliação: 3/5

Sinopse: No congelante inverno do Ártico, Lumikki Andersson encontra uma incrível quantidade de notas manchadas de vermelho, ainda úmidas, penduradas para secar no laboratório de fotografia da escola. Cédulas respingadas de sangue.
Aos 17 anos, Lumikki vive sozinha, longe de seus pais e do passado que deixou para trás. Em uma conceituada escola de arte, ela se concentra nos estudos, alheia aos flashes, à fofoca e às festinhas dominadas pelos garotos e garotas perfeitos.
Depois que se envolve sem querer no caso das cédulas sujas de sangue, Lumikki é arrastada por um turbilhão de eventos. Eventos que se mostram cada vez mais ameaçadores quando as provas apontam para policiais corruptos e para um traficante perigoso, conhecido pela brutalidade com que conduz os seus negócios.
Lumikki perde o controle sobre o mundo em que vive e descobre que esteve cega diante das forças que a puxavam para o fundo. Ela descobre também que o tempo está se esgotando. Quando o sangue mancha a neve, talvez seja tarde demais para salvar seus amigos. Ou a si mesma.

 

Lumikki tem 17 anos, estuda em uma escola de Artes e mora longe da família. Ela é uma garota “estranha”, que não gosta de contato com outras pessoas e se sente muito mal quando é tocada.

Um dia, ela entra no laboratório de fotografia da escola e encontra muitas cédulas de dinheiro penduradas secando. As cédulas ainda estão sujas de sangue. Depois disso, ela acaba se metendo em uma confusão gigantesca, cheia de mafiosos, drogas e perseguições.

Confesso que não fui conquistada pelo livro. A história que deveria ser (pelo menos eu achava que sim, e vários outros leitores também), uma releitura de Branca de Neve, pouco se refere ao conto. Apenas o nome da personagem – Lumikki – que em finlandês, é Branca de Neve. Além disso, não vi grandes referências  ao clássico.

O livro é narrado em terceira pessoa e achei a personagem problemática demais. Ela tem apenas 17 anos, mora longe do pais e não aguenta ter ninguém por perto, não tem um bom relacionamento com pessoa nenhuma. Em nenhum momento da história a autora explica o motivo desse comportamento de Lumikki, mas, acredito que seja algo referente ao passado, e que será revelado nos próximos livros.

O livro em si não é ruim, mas quando acabou fiquei com cara de “????”. Tem sim algum suspense, tem perseguição, mas a história realmente não me conquistou. Os capítulos são curtos e o livro também, então, a leitura acaba sendo bem rápida.

O que realmente me agradou no livro, foi a capa, que é perfeita. No início de todos os capítulos, tem a imagem de manchas de sangue, mas em algumas páginas, algumas letras estão apagadas. Infelizmente, deve ter acontecido algum erro no momento da impressão.

 Como se trata de uma trilogia, os nomes dos próximos livros serão:

2 – Branco Como a Neve

3 – Preto Como o Ébano

Se você gosta de suspense, recomendo a leitura, desde que não crie expectativas demais.



19
jan 2015

ARQUIVADO EM: Literatura

passoemfalsoMyron Bolitar #5

Autor: Harlan Coben

Editora: Arqueiro

Número de páginas: 272

Avaliação: 5/5

Sinopse: Ainda jovem, Myron Bolitar contou com a ajuda do treinador Horace Slaughter para começar a jogar basquete. O relacionamento dos dois era como o de pai e filho, mas com o tempo eles perderam contato e Myron abandonou o esporte. Dez anos depois de ver Horace pela última vez, Myron conhece Brenda, filha do antigo amigo e uma bela estrela do basquete. Trabalhando como agente de atletas, ele poderá fechar um contrato valioso com a jogadora se descobrir o paradeiro de Horace, que sumiu repentinamente após agredi-la. Desde então, Brenda começou a receber ameaças por telefone e a ser seguida. Myron não acredita na culpa do amigo e resiste a ser guarda-costas da moça, mas acaba cedendo. Determinada a não fazer papel de donzela indefesa, Brenda provoca uma atração irresistível em Myron, que vive um relacionamento amoroso debilitado. Porém, existe entre eles um abismo de corrupção e mentiras, além de segredos pelos quais muitos arriscariam a vida. Mesmo contra o bom senso, Myron segue investigando o caso. Disposto a conquistar o coração de Brenda, ele está ciente de que um passo em falso pode acabar matando os dois.

Já comecei a ler o livro ansiosa e com medo de que ele chegasse ao fim. Porque livros do Harlan me causam isso. Como sou apaixonada por ele e por seus livros, sempre começo um lançamento com medo que acabe. E com a certeza de que, ao final, vou me surpreender muito.

E com este livro não foi diferente.

Myron foi contratado por um amigo para proteger uma estrela do basquete, filha de um amigo das antigas, quando ele mesmo jogava. Brenda é linda, tem 25 anos e está recebendo ameaças, após seu pai ter desaparecido de forma suspeita.

Não bastasse isso tudo, Brenda ainda procura pela mãe, que foi embora, a deixando aos cuidados do pai, quando ela tinha apenas 5 anos de idade. Myron ao mesmo tempo que protege Brenda, tenta descobrir o paradeiro de Horace (pai de Brenda) e também procura por Anita, sua mãe.

É complicado falar sobre livros de suspense, porque corro o risco de soltar spoilers. Mas adorei a forma como Harlan, neste livro, escreveu sobre Myron e seu relacionamento com Win, Jessica e também sua amiga Esperanza. Achei que neste livro, Myron foi muito pressionado, obrigado a fazer várias escolhas. E até mesmo Win, que tem como único objetivo protegê-lo de forma incondicional, apoiando sempre e em tudo, acaba confrontando Myron em um momento na história.

– Acabou? Já satisfez sua necessidade de sentir-se moralmente superior?

– Que diabo significa isso?

– Você sabe do que sou capaz – disse Win devagar – Mesmo assim, continua recorrendo a mim.

E mais uma vez, quando estava faltando uns 20% para terminar o livro, achei que tivesse desvendado o mistério de toda a trama. Que bobagem a minha! Harlan de forma magistral, deu um desfecho surpreendente à história. Mesmo sabendo que ele é mestre em nos surpreender nas últimas páginas, fiquei embasbacada com o que ele fez com os personagens, a reviravolta, os papéis de cada um dentro da história, a revelação dos mistérios e segredos.

Um passo em falso, é como todos os livros de Harlan, quando a gente pega, não quer parar de ler, enquanto não chegar ao final. A leitura flui numa rapidez impressionante. Os personagens são apaixonantes.

E agora é esperar pelo próximo livro, porque o final me deixou meio que de coração partido….

Preciso dizer que dei 5 estrelas? Indico muito!!!

*Essa resenha foi escrita no dia 06/11 no meu blog pessoal (Simples Assim)

Livros com o personagem Myron Bolitar:

1) Quebra de Confiança (Deal breaker)
2) Jogada mortal (Drop shot) 
3) Sem deixar rastros (Fade away)
4) O preço da vitória (Back spin)
5) Um passo em falso (One false move)
6) The final detail
7) Darkest fear
8) A promessa (Promise me) lançando pela ARX
9) Quando ela se foi (Long lost)
10) Alta tensão (Live wire)



12
jan 2015

ARQUIVADO EM: Literatura

homemperfeitoO homem perfeito

Autor: Vanessa Bosso

Editora: Novo Conceito

Número de páginas: 224

Avaliação: 4/5

Sinopse: Melina teve alguns relacionamentos ruins, outros péssimos…
Mesmo assim, ela não desiste: um dia ainda vai encontrar alguém que a complete e que entenda algumas manias fofas que ela tem como comprar mais sapatos do que pode guardar ou tomar uma multa ou outra por excesso de velocidade. Ela faz a sua parte escrevendo um pedido ao universo, no qual descreve esse ser incrível nos mínimos detalhes. Agora é só esperar, certo?
Melina não imagina, porém, que esse presente dos céus já existe, mas foi parar nos braços de uma mulher in-su-por-tá-vel.
O que fazer quando o destino insiste em brincar com a sua paciência?

Depois de uma leitura tensa, resolvi pegar um livro “leve”. E como me diverti com esse livro!

Melina tem 28 anos e uma lista de relacionamentos mal sucedidos. É traída por TODOS os namorados que arruma. E desta vez, não foi diferente. Foi traída pelo atual namorado e chefe, que se tornou ex-namorado e ex-chefe, após ter sido agredido por ela, ao se descobrir traída. Sem emprego e sem dinheiro, ela resolve voltar para a casa do pai e dos avós, que moram em Paraty e administram uma pousada dos sonhos.

Quando Melina volta à sua cidade natal é que as coisas ficam claras, tudo começa a se encaixar e ela percebe que todas as traições das quais é vítima, fazem parte da tal “Lei do Retorno”. Por ter traído seu primeiro namorado, Bernardo, que aos 17/18 anos, era um menino franzino e “sem graça”, quando ela deixou Paraty, para estudar em São Paulo.

E Melina descobre isso tudo, quando reencontra Bernardo. Que está lindo, musculoso, másculo e irresistível. O homem perfeito! Mas Bernardo está de casamento marcado com nada mais nada menos que Samantha, inimiga de Melina desde a infância. E é aí que Melina cai na real e começa a notar o que perdeu, e que ainda ama Bernardo.

Confesso que no começo achei a personagem (que tem 28 anos) imatura e irresponsável pra idade. Algumas partes do livro também soaram meio irreais, como por exemplo, colocar 220 e tantos – não me lembro exatamente – pares de sapatos, DENTRO DE CAIXAS, em um carro, mesmo que o carro seja enorme.

Mas aos poucos a personagem e suas aventuras e desventuras foram me conquistando. Amei Nauane, a melhor amiga de Melina. E também Espírito, seu amigo gay. Os personagens são todos bem trabalhados, não apenas os amigos de Melina conquistaram minha simpatia, mas também seus avós, um casal de velhinhos super fofos. Outra coisa que chama a atenção é a amizade, a relação de confiança entre Melina e seu pai.

“O homem perfeito” é um chick-lit nacional, muito engraçado, com capítulos curtos e isso torna a leitura muito rápida e agradável. A escrita da autora é super divertida, nunca tinha lido nada dela e estou doida para ler outros livros.

Então, se você pretende ler um livro “leve”, divertido e dar boas risadas, recomendo muito “O homem perfeito”. 😉






ilustrações design e desenvolvimento